O fantasma do impeachment de Lula O fantasma do impeachment de Lula
O Antagonista

O fantasma do impeachment de Lula

avatar
Rodolfo Borges
5 minutos de leitura 19.04.2024 16:21 comentários
Análise

O fantasma do impeachment de Lula

O medo dos petistas não faz sentido a esta altura dos acontecimentos, mas é um indício do problema no qual eles se meteram, mais uma vez, pelos próprios erros de cálculo

avatar
Rodolfo Borges
5 minutos de leitura 19.04.2024 16:21 comentários 0
O fantasma do impeachment de Lula
Foto: Fabio Rodrigues- Pozzebom/Agência Brasil

As tensões do governo Lula (foto) com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), despertaram em alguns petistas o trauma do impeachment de Dilma Rousseff, informa o site Metrópoles. O receio é de que Lira aja da mesma forma que Eduardo Cunha agiu quando sua relação com o Palácio do Planalto se tornou insustentável e desengavete um dos 19 pedidos de impeachment apresentados contra Lula.

O medo dos petistas não faz sentido a esta altura dos acontecimentos. Não surgiram sinais, até agora, de que Lira tenha sequer cogitado a possibilidade de iniciar um processo que poderia levar à queda de Lula. Mas o alarme é um indício do problema no qual os governistas se meteram, e, mais uma vez, por conta dos próprios erros de cálculo.

Há nos petistas um orgulho que Jair Bolsonaro, por exemplo, não tem. Encurralado por questões de família no Supremo Tribunal Federal (STF), o ex-presidente simplesmente se rendeu à influência do Congresso Nacional, que não deu trela a nenhum dos cerca de 150 pedidos de impeachment que recebeu contra Bolsonaro.

Emendas

Já o governo Lula se enxerga muito mais forte do que é. E, a exemplo do que ocorreu na época do mensalão e do impeachment de Dilma, calcula que tudo pode ser resolvido com dinheiro — emendas, na linguagem técnica.

Mas a moeda da política é o poder, que o PT nunca quer dividir com ninguém, como ficou claro na insistência em manter a desgastada Nísia Trindade à frente do Ministério da Saúde.

O Palácio do Planalto editou na sexta-feira passada, 12, uma portaria para devolver a Alexandre Padilha, ministro das Relações Institucionais, a função de liberar emendas parlamentares. A medida, tomada depois de Lira chamar o ministro de incompetente e de desafeto, foi tomada para dar poder a Padilha, que Lula disse que manterá no cargo “só por teimosia”.

Como era de se esperar, a decisão de fortalecer Padilha incomodou líderes partidários, que tinham negociado manter comunicação direta com os ministérios por emendas.

Um primo

O Palácio do Planalto também não se ajudou ao demitir um primo de Lira. E pouco importa se o presidente da Câmara deveria ou não ter tanto poder nas mãos quanto o de pautar um processo de impeachment assim que desejar — o fato é que ele tem.

O ministro do Desenvolvimento Agrário, Paulo Teixeira (PT), afirmou nesta sexta-feira, 19, que o impasse criado pela demissão de Wilson César de Lira Santos do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) de Alagoas “está superado”.

Santos era alvo do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) há tempo. Agora, para evitar a ampliação da crise, Teixeira disse que “o próprio presidente Lira já enviou uma proposta de nome para substituí-lo.”

Almoço

Lula convocou seus líderes no Congresso para almoçar nesta sexta, na tentativa de desarmar pautas-bomba armadas para estourar na próxima semana, e traçar as estratégias do governo para enfrentar a sessão que deve derrubar seu veto ao PL das saidinhas.

A Câmara aprovou na quarta-feira, 17, um projeto que limita a cobrança da Taxa de Controle e Fiscalização Ambiental (TCFA) pelo Ibama — falta passar pelo Senado. A taxa é uma das principais fontes de recursos do órgão ambiental.

No Senado, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) aprovou no mesmo dia uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que concede aumento salarial de 5% a cada cinco anos para membros do Judiciário. O texto, que ainda precisa passar pelo plenário, seria uma “bomba [fiscal] que pode estar por vir”, resumiu o líder do governo no Senado, Jaques Wagner (PT-BA).

Filme antigo

Também está no radar, entre outras questões, a manutenção da desoneração da folha de 17 setores. O impacto potencial das pautas-bomba nas contas pública em 2024 é calculado em torno de 80 bilhões de reais. O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, antecipou sua volta de Washington na quinta-feira “tendo como foco a agenda econômica em Brasilia e negociações com o Congresso envolvendo os projetos de interesse do governo”.

O deputado federal Kim Kataguiri (União-SP) resumiu assim a ópera em vídeo:

“Toda essa conjuntura, articulação política ruim, articulador político do governo tomando baile, um cenário econômico ruim, um presidente cada vez mais impopular, o dólar disparando, os preços disparando, discordância na distribuição de emendas, uma péssima relação com o Congresso, uma desavença pessoal com o presidente da Câmara dos Deputados… Meus amigos, esse filme eu já assisti, no segundo mandato de Dilma Rousseff, e terminou em impeachment”.

Ainda está muito cedo para falar em impeachment, mas o caminho traçado pelo governo Lula não é nada confortável.

Mundo

Líder da direita populista alemã cai após relativizar nazismo

Alexandre Borges
23.05.2024 06:03 3 minutos de leitura
Visualizar

Receita libera restituição priorizando Gaúchos após calamidades

Visualizar

INSS: calendário do 13º salário, pagamentos antecipados

Visualizar

Bolsa Família: novos benefícios de Auxílio Médio

Visualizar

Crusoé: Nove pessoas morrem em acidente em comício no México

Caio Mattos, Da Cidade do México Visualizar

China inicia exercícios militares ao redor de Taiwan

Visualizar

Tags relacionadas

Arthur Lira Dilma Rousseff Eduardo Cunha Impeachment Jair Bolsonaro Lula Nísia Trindade
< Notícia Anterior

56 milhões de brasileiros ganham dinheiro sem trabalhar

19.04.2024 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

Onde assistir Palmeiras x América-MG: confira detalhes do brasileirão feminino

19.04.2024 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Rodolfo Borges

Rodolfo Borges é jornalista formado pela Universidade de Brasília (UnB). Trabalhou em veículos como Correio Braziliense, Istoé Dinheiro, portal R7 e El País Brasil.

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (0)

Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

TSE x Moro: os humilhados serão exaltados?

TSE x Moro: os humilhados serão exaltados?

Wilson Lima
22.05.2024 06:45 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Alô, Messias: não existe honra sem vergonha

Alô, Messias: não existe honra sem vergonha

Carlos Graieb
21.05.2024 18:33 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Está na hora de Nísia ir para casa

Está na hora de Nísia ir para casa

Carlos Graieb
21.05.2024 16:49 4 minutos de leitura
Visualizar notícia
Lula continua sendo humilhado por Maduro 

Lula continua sendo humilhado por Maduro 

Carlos Graieb
21.05.2024 13:46 3 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.