O Antagonista

O combate às fake news nas eleições pode ser desastroso

avatar
André Marsiglia Santos
4 minutos de leitura 08.01.2022 17:50 comentários
Opinião

O combate às fake news nas eleições pode ser desastroso

Duas coisas são certas nesse ano eleitoral: ele será inundado por fake news e se esperará um combate rígido a elas. O que significa, por parte das plataformas, políticas de banimento e sinalização de conteúdos falsos; por parte do Judiciário, punição rápida. Acontece que esse tipo de combate apenas é eficaz quando a falsidade da informação é inequívoca...

avatar
André Marsiglia Santos
4 minutos de leitura 08.01.2022 17:50 comentários 0
O combate às fake news nas eleições pode ser desastroso
Foto: Isac Nóbrega/PR

Duas coisas são certas nesse ano eleitoral: ele será inundado por fake news e se esperará um combate rígido a elas. O que significa, por parte das plataformas, políticas de banimento e sinalização de conteúdos falsos; por parte do Judiciário, punição rápida.

Acontece que esse tipo de combate apenas é eficaz quando a falsidade da informação é inequívoca, como no recente caso da atriz Regina Duarte, que postou há alguns dias no Instagram uma fotomontagem de Bolsonaro no hospital de mãos dadas com Jesus Cristo. Regina, para o ridículo não ser pouco, escreveu ainda que a foto era real. Houve burburinho e a plataforma sinalizou a postagem como falsa.

É triste que sejamos um povo capaz de acreditar que Jesus, caso exista, deixe amontoar suas tarefas celestiais e desça dos céus para se ocupar de quem passa mal por não ter habilidade suficiente para mastigar um camarão. E que Regina, num furo de reportagem, possa ter tido acesso exclusivo às imagens.

Em casos como esse, as plataformas e o Judiciário são plenamente capazes de agir – e rápido. Mas como fazer quando as informações ficam no meio, entre o verdadeiro e o falso?

Quem leu “A Revolta da Vacina”, do – sério – historiador Nicolau Sevcenko, reconhecerá nas entrelinhas que a obrigatoriedade da vacinação contra a varíola em meados de 1904, relatada no livro, soava ao autor como uma opressão, uma atitude higienista. Pelo ângulo que observava, interpretou aquela realidade de modo a correr o risco de ser chamado hoje de antivacina. Claro, se escrevesse seu livro com a experiência que estamos tendo com a Covid, chegaria provavelmente a conclusões diferentes das que chegou.

É esse ponto que preocupa em um ano eleitoral. A cruzada em nome da verdade, sob a bandeira do Direito, pode ter consequências adversas para informações que não se encaixam de imediato nas etiquetas do verdadeiro ou falso.

E a possibilidade de erroneamente se banir ou carimbar o conteúdo de um candidato pode ser tão prejudicial ao processo eleitoral quanto a omissão. Além disso, uma medida eventualmente injusta, sem tempo para ser reparada, pode também servir de estopim ao caos que alguns esperam existir nas eleições para incitar seu rebanho à algazarra.

Diante de conteúdos difíceis de se serem avaliados – e em uma eleição eles não são poucos – não basta pedirmos para as plataformas fazerem um trabalho de polícia, não basta que o MP fiscalize o combate das plataformas, não basta que o Judiciário rapidamente condene.

O Direito não resolve numa canetada todas as questões de uma sociedade complexa como a nossa. Ele faz o que pode, e não o faz de forma exata, tanto que o que é lícito hoje pode não ser amanhã, o que é lícito para um julgador pode não ser para outro.

Precisamos – antes de qualquer coisa – que aprimorem e avancem Projetos de Lei como o 2630/20 e o 1354/21, que controlam e dão transparência à moderação de conteúdos falsos e contas inautênticas feita pelas plataformas atuantes no Brasil – alcançando, inclusive, as avessas a controle, como é o caso, por exemplo, do Telegram; precisamos que projetos conceituem de forma precisa e técnica o que são fake news, o que é desinformação, de modo a amparar decisões ainda subjetivas do TSE sobre a temática.

E precisamos – mais que tudo – investir em educação midiática e apoiar o trabalho da imprensa profissional, para que, num futuro próximo, não precisemos explicar que Bolsonaro teve de digerir o camarão, bem como nós temos tido de digerir seu governo, sem ajuda divina alguma.   

André Marsiglia Santos é advogado e atua na área de Comunicação Digital. É colunista d’O Antagonista

Mais Lidas

1

Agora até Tolkien é "extrema-direita"

Visualizar notícia
2

Musk: "Obrigado, Alex Soros, por revelar quem será o próximo fantoche"

Visualizar notícia
3

Contingenciamento: o golpe está aí, cai quem quer

Visualizar notícia
4

O "reizinho" do governo Lula

Visualizar notícia
5

"JD Vance, não Kamala Harris, representa o sonho americano"

Visualizar notícia
6

Por que o Amapá recebe tanta emenda parlamentar?

Visualizar notícia
7

"Joe Biden desiste da candidatura, mas não da Casa Branca. E agora?"

Visualizar notícia
8

Estados Unidos de Maceió

Visualizar notícia
9

Netanyahu volta aos EUA em busca de apoio contra o terror

Visualizar notícia
10

Democratas sacrificaram Biden para buscar também a maioria no Congresso

Visualizar notícia

Tags relacionadas

André Marsiglia Santos eleições 2022 Fake news Jesus Cristo Regina Duarte
< Notícia Anterior

“Dor de uma tragédia”, diz Zema sobre acidente em Capitólio

08.01.2022 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

Bolsonaro promete solução para Refis até terça

08.01.2022 00:00 4 minutos de leitura
avatar

André Marsiglia Santos

André Marsiglia Santos é advogado constitucionalista especializado em liberdades de expressão e de imprensa. Membro da Comissão de Liberdade de Imprensa da OAB-SP, e da Comissão de Mídia e Entretenimento do Instituto dos Advogados de São Paulo (IASP), Consultor Jurídico da Associação Nacional de Editores (ANER) e membro da 4ª câmara de julgamento do Conselho de Ética do CONAR. Idealizador da L+: Speech and Press e sócio do Lourival J Santos Advogados.

Suas redes

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (0)

Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

De tanto patrulhar humorista, esquerda não consegue mais se defender dos memes

De tanto patrulhar humorista, esquerda não consegue mais se defender dos memes

Madeleine Lacsko
19.07.2024 21:29 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Fala machista de Lula não é isolada, mas feministas sempre o perdoam

Fala machista de Lula não é isolada, mas feministas sempre o perdoam

Madeleine Lacsko
18.07.2024 20:15 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Haddad descobre uma das únicas coisas que funcionam no Brasil, o meme

Haddad descobre uma das únicas coisas que funcionam no Brasil, o meme

Madeleine Lacsko
17.07.2024 21:44 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Justiça e políticos precisam decidir o que farão com Jair Bolsonaro

Justiça e políticos precisam decidir o que farão com Jair Bolsonaro

Madeleine Lacsko
16.07.2024 21:44 3 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.