O que Orbán pode ensinar a Bolsonaro sobre clima O que Orbán pode ensinar a Bolsonaro sobre clima
O Antagonista

O que Orbán pode ensinar a Bolsonaro sobre clima

avatar
Carlos Graieb
4 minutos de leitura 14.05.2024 17:15 comentários
Análise

O que Orbán pode ensinar a Bolsonaro sobre clima

O presidente húngaro, um populista de direita como Bolsonaro, abraçou há tempos o discurso ambiental na política

avatar
Carlos Graieb
4 minutos de leitura 14.05.2024 17:15 comentários 1
O que Orbán pode ensinar a Bolsonaro sobre clima
Reprodução

“Precisamos nos envolver melhor com o meio ambiente (…), trazer a questão ecológica para o centro da política.”  

Essas frases poderiam ter saído de um pronunciamento de Marina Silva, mas pertencem a um discurso do presidente húngaro Viktor Orbán.  

Orbán é um populista de direita, assim como Jair Bolsonaro. Os dois são grandes amigos.  

Posição avançada

Há cerca de quinze dias, Eduardo Bolsonaro visitou a Hungria para uma das Conferências de Ação Política Conservadora (CPAC), um dos principais eventos internacionais da direita. 

Ele se encontrou com Orbán e entregou-lhe a “medalha dos três Is” (foto), que celebra três características que o ex-presidente brasileiro atribui a si mesmo: ser “imorrível, imbrochável e incomível”

Em vez da palhaçada e das eventuais intrigas internacionais de que tenha participado, Bananinha, o filho “cosmopolita” de Jair, poderia ter dedicado a viagem a discutir a questão do meio ambiente.  

A posição do húngaro é muito mais avançada que a do brasileiro sobre esse tema. Sem dar as mãos aos grandes grupos ambientalistas, por óbvio, ela no entanto reconhece a necessidade de levar em conta as mudanças climáticas e as políticas de mitigação e adaptação que decorrem delas.  

Política verde “conservadora e metódica”

Desde 2019, o partido de Orbán, o Fidesz, vem dando espaço ao tema das mudanças climáticas em seu programa.  

Em termos políticos, não precisou sacrificar nada de importante para isso. Ligou ecologia com nacionalismo, a salvação do bisão europeu com a preservação das paisagens ancestrais da pátria. Tudo isso, não só em nome dos filhos e netos de quem vive hoje, mas das gerações futuras, a perder de vista.  

Nas palavras da ex-ministra da Justiça húngara Judit Varga, o governo de Orbán adotou uma abordagem “calma, conservadora e metódica em relação à política verde”.  

Extrativismo

Tudo isso contrasta gritantemente com a atitude dos bolsonaristas na política brasileira. É inevitável recorrer à palavra extrativismo (olha aí o século 16) para referir-se a ela. 

Esse grupo político vê os abundantes recursos naturais brasileiros como uma riqueza que já tarda em ser arrancada do chão. Para ele, obstáculos à predação dos recursos naturais devem ser atropelados.  

Pouco antes da tragédia no Rio Grande do Sul, a grande empreitada bolsonarista no Congresso era aprovar um pacote de medidas que fragiliza as regras de proteção ambiental. 

Entre elas, uma redução de 8,5 milhões de hectares na área de proteção da Amazônia Legal, a validação de um desmate equivalente a uma vez e meia o território da Alemanha, o corte na tributação de atividades poluidoras e a autorização para que barragens sejam construídas em locais de preservação permanente.   

Quanto a pensar em ciência ou mecanismos financeiros inovadores, que derivem recursos da natureza intacta – ai, que preguiça…

Novo discurso

O bolsonarismo tem usado as redes sociais assiduamente para propagar fake news sobre o combate à calamidade no Rio Grande do Sul.  

Como já argumentei, isso não justifica a abordagem autoritária e policialesca adotada pelo governo petista como resposta a esse fenômeno.  

Espalhar desinformação em meio a uma tragédia, contudo, é um uso perverso do tempo.  

As inundações no Rio Grande do Sul oferecem uma oportunidade para que o bolsonarismo atualize seu discurso sobre as questões climáticas

Pode buscar inspiração em seu próprio campo ideológico para isso. Das lições que Viktor Orbán tem a oferecer, essa nem de longe é a pior.  

Mundo

Cientistas podem ter descoberto civilizações alienígenas

19.05.2024 15:30 3 minutos de leitura
Visualizar

Homens são presos por furtar doações para o RS

Visualizar

Entenda as novas cidades provisórias do Rio Grande do Sul

Visualizar

Huawei enfrenta novas restrições dos EUA

Visualizar

Mata-Mata ou Pontos Corridos? Qual o brasileiro prefere

Visualizar

Frio intenso dificulta o resgate do Presidente Iraniano nas montanhas de Tabriz

Visualizar

Tags relacionadas

Chuvas no Rio Grande do Sul Eduardo Bolsonaro Hungria Jair Bolsonaro Meio Ambiente Rio Grande do Sul Viktor Orbán
< Notícia Anterior

Gracyanne Barbosa recebe presentes misteriosos após separação

14.05.2024 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

Crusoé: Por que terroristas do Hamas aparecem em armazéns da ONU em Gaza

14.05.2024 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Carlos Graieb

Carlos Graieb é jornalista formado em Direito, editor sênior do portal O Antagonista e da revista Crusoé. Atuou em veículos como Estadão e Veja. Foi secretário de comunicação do Estado de São Paulo (2017-2018). Cursa a pós-graduação em Filosofia do Direito, da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP).

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (1)

FRANCISCO JUNIOR

2024-05-16 22:37:26

Esperar que um bolsonarista mude seu discurso somente ocorrerá se o mito mudar 180 graus o discurso. Isso inclui o 03. E, se ele mudar, possivelmente o PT vai começar a ser contra o meio-ambiente. Esses dois vivem de ser antagônicos entre si.


Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

E as fake news do governo Lula na enchente do RS?

E as fake news do governo Lula na enchente do RS?

Rodolfo Borges
19.05.2024 11:41 5 minutos de leitura
Visualizar notícia
AGU quer criar linha direta da censura com redes sociais

AGU quer criar linha direta da censura com redes sociais

Carlos Graieb
17.05.2024 12:32 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Nem o PT acredita que o direito importa nos 'tribunais supremos'

Nem o PT acredita que o direito importa nos 'tribunais supremos'

Carlos Graieb
16.05.2024 17:42 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Lembra quando Boulos cobrava decoro parlamentar?

Lembra quando Boulos cobrava decoro parlamentar?

Rodolfo Borges
16.05.2024 17:25 4 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.