Rio Grande do Sul: emergência climática ou evento recorrente? Rio Grande do Sul: emergência climática ou evento recorrente?
O Antagonista

Rio Grande do Sul: emergência climática ou evento recorrente?

avatar
Madeleine Lacsko
4 minutos de leitura 07.05.2024 17:45 comentários
Madeleine Lacsko

Rio Grande do Sul: emergência climática ou evento recorrente?

No caso específico do Rio Grande do Sul, sempre houve enchentes. A história da cidade é marcada pelas “enchentes de São Miguel”, em setembro

avatar
Madeleine Lacsko
4 minutos de leitura 07.05.2024 17:45 comentários 2
Rio Grande do Sul: emergência climática ou evento recorrente?
Arte: O Antagonista

Na economia da atenção, todo assunto importante precisa ser reduzido a um simplismo binário. Tem sido assim com a causa da tragédia no Rio Grande do Sul.

Não há tempo para ouvir, para compreender explicações complexas. É preciso falar, defender um lado, expor o outro que está mentindo. Há quem defenda que sempre houve enchentes no Rio Grande do Sul, portanto não é uma emergência climática. E há quem coloque a culpa de tudo no desmatamento e no negacionismo do Bolsonaro.

O geofísico e youtubber Sergio Sacani falou do tema dia desses no podcast Inteligência Ltda. Disse que há exagero e alarmismo sim na militância catastrofista. E que também há exagero e ignorância em quem nega o fenômeno do aquecimento global, que é documentado e tem consequências.

No caso específico do Rio Grande do Sul, sempre houve enchentes. A história da cidade é marcada pelas “enchentes de São Miguel”, em setembro. Coisa antiga, da época da ocupação espanhola, explicada por uma quizila de santos. Da intriga com São Pedro viram as enchentes.

Tudo é cíclico no mundo, argumentam os que negam emergências climáticas ou o aquecimento global. Os cientistas sabem disso. Eles descontam o padrão cíclico dos cálculos e medem se há ou não mudanças. E elas existem para além do normal dos ciclos, inclusive no Rio Grande do Sul.

Seria possível que as leis pró-natureza e medidas de prevenção de enchentes evitassem uma tragédia das proporções que vemos agora? Não sabemos. Mas muitos tratam como se fossem favas contadas. Investiu aqui, evitou o desastre climático ali. Não é tão simples.

Entender a natureza sempre foi primordial para o avanço da humanidade. O ser humano não domina a natureza, é parte dela. Por isso nossas sociedades sempre fizeram o máximo para entender os fenômenos naturais, aprender a lidar com eles e usar isso para melhorar as condições humanas.

O que vai acontecer com uma sociedade que se recusa a entender a natureza? Passou a ser mais importante defender posições imutáveis. Não importam os fatos, ou se é do time emergência climática ou do time evento recorrente. Ambos os times são cheios de certezas, hiperbólicos, implacáveis com quem os questiona e seguros de quem são os culpados por tudo.

Nesse contexto, cabe perguntar que tipo de futuro deixaremos para as próximas gerações. E aqui não falo daquele clichê manjado do catastrofismo à la Greta a destruição do mundo amanhã. O tema é outro, a ideia de futuro que desenhamos para os nossos filhos e netos.

Eu cresci com a ideia de um futuro melhor, um futuro glorioso. Meus avós e bisavós, que cruzaram um oceano fugindo de guerras sangrentas, lançaram-se ao nada acreditando que amanhã seria melhor. Minha geração pensava no futuro e imaginava os Jetsons, os carros voando, robôs inteligentes. Pensávamos na cura do câncer, na juventude eterna. O futuro era bom, valia a pena lutar por ele.

Os jovens de agora são apresentados a um futuro pelo qual nem vale a pena lutar. Está condenado. A catástrofe iminente e a impotência do indivíduo diante do mundo são combustíveis do binarismo que domina a economia da atenção.

Há o grupo que alardeia o apocalipse. Não haverá futuro para os nossos filhos. Tem gente até deixando de ter filhos porque não há futuro. O capitalismo torna inviável a natureza. A ganância sempre vence. Para quê o jovem vai brigar por um futuro desses?

Também há o outro grupo, advogando que nada de diferente acontece. Só que as coisas estão diferentes. Então a desculpa é que não podemos acreditar em nada nem em ninguém. Tudo é uma grande conspiração. A Nova Ordem Mundial quer te transformar em um zumbi. Eles são invencíveis. Para quê o jovem vai brigar por um futuro desses?

Conhecer a natureza e seus ciclos é o que nos trouxe até aqui. Isso precisa incluir também conhecer a natureza humana. Não vamos a lugar nenhum nesse frenesi binário de redes sociais, mas a dopamina e a serotonina são tentadoras.

Brasil

Ciclone Extratropical chega ao Sul do Brasil trazendo mais chuvas

26.05.2024 23:28 3 minutos de leitura
Visualizar

Johnny Wactor de 'General Hospital' é morto em assalto em LA

Visualizar

Quais as músicas sertanejas já tocadas em novelas?

Visualizar

Volkswagen Saveiro 2025 estará ainda mais cara

Visualizar

Conheça os mascotes olímpicos dos últimos anos

Visualizar

Exercício físico ajuda no combate ao Alzheimer e a depressão

Visualizar

Tags relacionadas

Narrativas Antagonista
< Notícia Anterior

Elon Musk recomenda investir na Argentina de Milei

07.05.2024 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

Chuvas no RS: senador quer auxílio emergencial para calamidades públicas

07.05.2024 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Madeleine Lacsko

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (2)

Robson Correa Chaves

2024-05-07 21:11:36

Perfeito. Excelente reflexão sobre o tema. A natureza é imensa e somos apenas formiguinhas. Respeitá-la e compreendê-la é o princípio de tudo. Talvez o que esteja acontecendo não tenha só uma causa, mas seja o cruzamento de vários fatores, o natural, o provocado pela existência humana e outros. Quando à falta de perspectiva de futuro, talvez isso explique muita coisa.


Marcos Ângelo Grimone

2024-05-07 18:03:00

Respeito muito o ponto de vista da jornalista mas discordo. Nos últimos 20 anos a esquerda e a direita, no Brasil, se uniram em desmontar as normas de proteção ambiental no país. Hidrelétricas no meio da Amazônia, mudanças no Código Florestal, simplificação no licenciamento ambiental, falta de planejamento etc. Agora a bancada do Agro é a primeira a pedir benefícios fiscais por conta da tragédia que ela ajudou a turbinar! E os pobres que mais sofrem com as tragédias ambientais já estão sendo convidados a pagar a conta. Absurdo


Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

A semelhança entre Janja e Carlos Bolsonaro

A semelhança entre Janja e Carlos Bolsonaro

Madeleine Lacsko
17.05.2024 18:46 4 minutos de leitura
Visualizar notícia
Boulos defendia cadeia para Bolsonaro por rachadinha, mas aliviou Janones

Boulos defendia cadeia para Bolsonaro por rachadinha, mas aliviou Janones

Madeleine Lacsko
16.05.2024 20:19 4 minutos de leitura
Visualizar notícia
O imposto do streaming e a predileção por pilantragem

O imposto do streaming e a predileção por pilantragem

Gustavo Roque
15.05.2024 18:58 4 minutos de leitura
Visualizar notícia
A reeleição de Lula no país refém do voto útil

A reeleição de Lula no país refém do voto útil

Madeleine Lacsko
14.05.2024 19:33 4 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.