A semelhança entre Janja e Carlos Bolsonaro A semelhança entre Janja e Carlos Bolsonaro
O Antagonista

A semelhança entre Janja e Carlos Bolsonaro

avatar
Madeleine Lacsko
4 minutos de leitura 17.05.2024 18:46 comentários
Madeleine Lacsko

A semelhança entre Janja e Carlos Bolsonaro

A comunicação de Janja nas redes sociais gira em torno de sua própria figura, as postagem parecem ter como principal objetivo mostrar que ela estava presente no loca

avatar
Madeleine Lacsko
4 minutos de leitura 17.05.2024 18:46 comentários 0
A semelhança entre Janja e Carlos Bolsonaro
Arte: O Antagonista

A estratégia de comunicação nas redes sociais da primeira-dama Janja durante as enchentes no Rio Grande do Sul tem um erro significativo: a reivindicação de um protagonismo indevido. A presença dela nas redes é ostensiva, mas carece de substância e eficácia.

Boa parte de suas postagens, quase metade delas, foi voltada ao segmento pet. Primeiro tivemos a adoção da cadelinha Esperança em um abrigo no Rio Grande do Sul. Depois, continuou como novelinha. Ela foi ao veterinário, precisou de uma cirurgia, foi filmada no pós-operatório.

O maior movimento foi em torno de um cavalo de cor alazão apelidado de cavalo caramelo, refém da enchente, imóvel no teto de uma casa em Canoas. Nas redes, a primeira-dama se mostrou empenhada no resgate, como se estivesse movimentando o Exército para isso e recebendo fotos ao vivo do resgate.

Postou o vídeo em que ela presenciava pela Rede Globo o resgate e depois avisava o presidente Lula, com direito a discurso contra as fake news nesse trajeto. Ocorre que o resgate foi feito pelo Corpo de Bombeiros do Estado de São Paulo, não pelo Exército. Por que omitir essa informação? Para não agradecer o governador Tarcísio de Freitas? Maldosos diriam até que foi fake news.

A comunicação de Janja nas redes sociais gira em torno de sua própria figura. Os vídeos e postagens parecem ter como principal objetivo mostrar que ela estava presente no local. Mas a presença, por si só, não constitui ajuda efetiva. Em contraste, outros políticos, como o presidente Lula, o governador Eduardo Leite e vários prefeitos, apareceram nas postagens realizando trabalhos concretos. As postagens deles não são sobre estar lá, mas sobre o que estavam fazendo.

Um paralelo interessante pode ser traçado com Carlos Bolsonaro, filho do ex-presidente. Ele também usou a tragédia das enchentes para se promover nas redes sociais, postando sobre sua presença no local, sem que ficasse claro o que exatamente estava fazendo para ajudar.

A semelhança entre os estilos de comunicação de Janja e Carlos Bolsonaro destaca um problema comum: a preferência pela aparência de ação sobre a ação real. Os dois até podem ter ajudado e não apenas acompanhado a ajuda já feita por terceiros ou pelo governo. Pelas postagens, no entanto, não é possível saber disso.

Boa parte dos políticos tem optado por outro tipo de estratégia. Conheço deputada, vereadores e assessores que se envolveram diretamente no resgate de pessoas, enfrentando as águas sem parar para fazer vídeos ou lives. O trabalho deles é uma prova de que a verdadeira ação nem sempre é capturada nas redes sociais, mas é sentida e reconhecida pelas pessoas que realmente importam: as vítimas e suas comunidades.

A tragédia das enchentes no Rio Grande do Sul ainda demanda um longo processo de socorro e reconstrução. Com o tempo, o público inevitavelmente começará a distinguir quem está trabalhando de verdade de quem está apenas aproveitando a situação para autopromoção. Aqueles que se aproveitaram da tragédia sem contribuir significativamente acabarão pagando o preço político do ridículo.

A comunicação eficiente em tempos de crise exige mais do que presença nas redes sociais. Exige ação concreta, solidariedade genuína e um compromisso real com a ajuda às vítimas. Quando a primeira-dama ou qualquer político coloca a própria imagem acima das necessidades urgentes das pessoas, a resposta do público tende a ser severa e justificada. No fim, a verdadeira liderança se prova nas ações, não nas selfies.

Esportes

Flamengo vence Fluminense e garante liderança no Brasileirão

23.06.2024 18:22 3 minutos de leitura
Visualizar

Coreia do Norte está construindo muro na fronteira

Visualizar

Eurocopa 2024: Alemanha arranca empate no fim contra a Suiça

Visualizar

Inauguração de Atacadista com promoção leva pânico ao Rio

Visualizar

Eliana na Globo? Apresentadora recebe convite para o "Domingão"

Visualizar

Ataque na Nigéria tem 100 sequestrados

Visualizar

Tags relacionadas

Narrativas Antagonista
< Notícia Anterior

Moraes atende a pedido do PSOL e susta norma que dificulta o aborto  

17.05.2024 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

Criança é resgatada de prédio em chamas no RS

17.05.2024 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Madeleine Lacsko

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (0)

Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

Moro e a festa junina: o importante não é o que fala, é quem fala

Moro e a festa junina: o importante não é o que fala, é quem fala

Madeleine Lacsko
05.06.2024 18:16 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Boulos defendia cadeia para Bolsonaro por rachadinha, mas aliviou Janones

Boulos defendia cadeia para Bolsonaro por rachadinha, mas aliviou Janones

Madeleine Lacsko
16.05.2024 20:19 4 minutos de leitura
Visualizar notícia
O imposto do streaming e a predileção por pilantragem

O imposto do streaming e a predileção por pilantragem

Gustavo Roque
15.05.2024 18:58 4 minutos de leitura
Visualizar notícia
A reeleição de Lula no país refém do voto útil

A reeleição de Lula no país refém do voto útil

Madeleine Lacsko
14.05.2024 19:33 4 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.