O Antagonista

IBM processada por políticas “woke” que discriminam funcionários

avatar
Alexandre Borges
4 minutos de leitura 20.06.2024 12:00 comentários
Sociedade

IBM processada por políticas “woke” que discriminam funcionários

Missouri acusa gigante da tecnologia de impor quotas de raça e gênero em práticas de contratação e promoção

avatar
Alexandre Borges
4 minutos de leitura 20.06.2024 12:00 comentários 0
IBM processada por políticas “woke” que discriminam funcionários
Imagem: IA por Alexandre Borges

O estado do Missouri, através do seu procurador-geral Andrew Bailey, entrou com uma ação judicial contra a tradicional gigante da tecnologia IBM, acusando a empresa de adotar práticas discriminatórias em suas políticas de contratação e promoção. A ação alega que a IBM utiliza quotas baseadas em raça e gênero, o que violaria a Lei de Direitos Humanos do Missouri.

“Chegou ao meu conhecimento que a IBM adotou uma política ilegal que favorece descaradamente candidatos de certos gêneros ou cores de pele em detrimento de outros. Gerentes que se recusam a cumprir essa política enfrentam punições, incluindo demissão. A discriminação no local de trabalho viola tanto as leis estaduais quanto federais, por isso estou entrando com esta ação”, declarou Bailey.

Segundo a denúncia, a IBM emprega um “coeficiente de diversidade” para garantir a obtenção anual de quotas específicas de contratação com base em raça, cor, origem nacional, sexo ou ancestralidade. Executivos que atendem a essas quotas recebem bônus, enquanto aqueles que não cumprem podem sofrer perda de parte do bônus ou até mesmo do emprego.

A IBM negou veementemente as acusações, afirmando em comunicado que “a IBM não utiliza quotas e nunca utilizou, e qualquer sugestão contrária é falsa”. A ação judicial busca impedir permanentemente a IBM e todos os seus funcionários, diretores e agentes de utilizar o método.

A empresa, fundada há mais de 100 anos e sediada em Nova York, empregava cerca de 282 mil pessoas em 2023. A ação destaca que a política de quotas pode resultar em menos oportunidades para grupos não considerados “minorias sub-representadas” pela IBM, criando um ambiente de contratação de “soma zero” onde os benefícios para alguns são obtidos à custa de outros, citando a recente decisão da Suprema Corte no caso Students for Fair Admission v. Harvard.

A ação do Missouri contra a IBM é um novo capítulo no debate nacional sobre políticas de diversidade, equidade e inclusão (DEI) nas grandes corporações, especialmente após a decisão da Suprema Corte que proibiu práticas discriminatórias em admissões educacionais, o que tem potencial de afetar também as políticas corporativas.

Nos últimos anos, diversas empresas têm enfrentado escrutínio sobre suas políticas radicais “woke”. A decisão da Suprema Corte no caso Students for Fair Admission v. Harvard trouxe um novo enfoque legal sobre o uso de critérios de raça e gênero em processos de admissão e contratação, impactando diretamente as práticas de DEI em empresas de todos os setores.

Entenda o caso Students for Fair Admissions v. Harvard

O caso envolve a organização Students for Fair Admissions (SFFA), que acusou a Universidade de Harvard de discriminar candidatos asiáticos ao usar critérios raciais em suas admissões.

A SFFA alegou que Harvard limitava o número de estudantes asiático-americanos admitidos, aplicando um “teto racial” e usando a raça como um fator predominante nas decisões de admissão, violando o Título VI da Lei dos Direitos Civis de 1964.

Harvard defendeu suas práticas, argumentando que considerava a raça de maneira limitada e legal, como um dos muitos fatores holísticos em suas admissões, para promover a diversidade racial, considerada um interesse educacional legítimo.

Em 2019, o Tribunal Distrital de Massachusetts decidiu a favor de Harvard, concluindo que a universidade não discriminava intencionalmente candidatos asiático-americanos. Esta decisão foi mantida pelo Primeiro Circuito de Apelações dos EUA em 2020.

No entanto, em 29 de junho de 2023, a Suprema Corte reverteu as decisões anteriores, decidindo por 6 votos a 3 que os programas de admissão de Harvard e da Universidade da Carolina do Norte violavam a Cláusula de Proteção Igualitária. A Corte determinou que as universidades não podem mais considerar a raça como um fator nas decisões de admissão.

Médico que denunciou transições de gênero ilegais em crianças pode pegar 10 anos de prisão (oantagonista.com.br)

Euforia com Nvidia lembra a bolha das pontocom (oantagonista.com.br)

Mais Lidas

1

"O melhor antídoto para a ideologia 'woke' é conhecer a verdade"

Visualizar notícia
2

Lula aplaudirá banho de sangue prometido por Maduro, diz Mourão

Visualizar notícia
3

Crusoé: Os crimes da areia

Visualizar notícia
4

Israel intercepta míssil lançado pelos Houthis no Iêmen

Visualizar notícia
5

Bolsonaro teve 6 encontros com suposto informante da Receita

Visualizar notícia
6

Crescem indícios de que chefe militar do Hamas foi morto, dizem FDI

Visualizar notícia
7

Lulopetismo faz do Brasil um anão diplomático cada vez menor

Visualizar notícia
8

Memes de Haddad atacam coração da política econômica petista

Visualizar notícia
9

Correspondentes estrangeiros condenam ameaças de Maduro

Visualizar notícia
10

Campanha de Trump já se prepara para Kamala Harris

Visualizar notícia

< Notícia Anterior

Meio-Dia em Brasília: Lula tenta controlar o BC e fracassa

20.06.2024 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

Suspeitos de homicídio na Linha Amarela "Coroa" e "Diretor" são procurados

20.06.2024 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Alexandre Borges

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (0)

Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

CEO da CrowdStrike pede desculpas por apagão

CEO da CrowdStrike pede desculpas por apagão

19.07.2024 10:47 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Nova lei californiana impede escolas de informar os pais sobre a orientação sexual dos filhos

Nova lei californiana impede escolas de informar os pais sobre a orientação sexual dos filhos

Alexandre Borges
19.07.2024 09:23 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Filha do emir de Dubai anuncia divórcio no Instagram

Filha do emir de Dubai anuncia divórcio no Instagram

19.07.2024 09:07 2 minutos de leitura
Visualizar notícia
Como o apagão global de TI afetou o Brasil

Como o apagão global de TI afetou o Brasil

Alexandre Borges
19.07.2024 08:51 3 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.