O Antagonista

Civilidade, sim; cordialidade, não

avatar
Carlos Graieb
5 minutos de leitura 18.12.2023 17:56 comentários
Opinião

Civilidade, sim; cordialidade, não

Na semana passada, Lula e Tarcísio de Freitas fizeram foto juntos enquanto Sérgio Moro e Flávio Dino se abraçaram na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. Em outras latitudes, o fato de autoridades trocarem alguma gentileza ao se encontrarem num espaço neutro talvez não fosse digno de nota. Aqui, as duas imagens chamaram bastante atenção...

avatar
Carlos Graieb
5 minutos de leitura 18.12.2023 17:56 comentários 0
Civilidade, sim; cordialidade, não
Foto: Pedro França/Agência Senado

Na semana passada, Lula e Tarcísio de Freitas fizeram foto juntos enquanto Sérgio Moro e Flávio Dino se abraçaram na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado.

Em outras latitudes, o fato de autoridades trocarem alguma gentileza ao se encontrarem num espaço neutro talvez não fosse digno de nota. Aqui, as duas imagens chamaram bastante atenção – a meu ver, porque revelam nossas dificuldades com as ideias de civilidade e cordialidade na esfera política.

Faz quase cem anos que o sociólogo Sérgio Buarque de Holanda desvendou o sentido profundo da cordialidade na vida pública dos brasileiros: ela é um meio de estendermos a lógica das relações privadas para além do nosso círculo familiar.

Jeitinho e conchavo são filhos diletos da cordialidade, assim como a conciliação. O seu avesso é a ordem pública impessoal e neutra.

O cidadão brasileiro desenvolveu diante dos políticos cordiais, que no fim acertam tudo entre eles, o mesmo instinto que os animais da África diante dos seres humanos: eles podem parecer inofensivos, mas são vistos como predadores.

Por isso, aliados de Sérgio Moro, como o ex-procurador e ex-deputado federal Deltan Dallagnol, reagiram com desconforto quando o viram trocar gentilezas com Flávio Dino.

As contas de campanha de Moro foram contestadas e seu mandato de senador está sob risco. Nessas circunstâncias, o abraço no ministro da Justiça do governo Lula, mais do que desnecessário, soou como um esforço para conquistar a simpatia de um futuro integrante do STF.

Deltan criticou Moro no X, sem citar seu nome: “Se você permite que o sistema te controle com dinheiro ou ameaças, você virou sistema.”

A civilidade é um fenômeno diferente da cordialidade. Sérgio Buarque de Holanda registrou isso de passagem: “Na civilidade há qualquer coisa de coercitivo – ela pode exprimir-se em mandamentos e sentenças.”

Confesso que nunca havia parado para pensar na questão. Remediei um pouco a ignorância lendo o livro de uma jovem professora americana: Mere Civility (Mera Civilidade), de Teresa Bejan.

O livro foi publicado em 2017. Seu ponto de partida foi a percepção de que a vida pública nas democracias passava por uma “crise de civilidade”, convertendo-se num espetáculo contínuo de hostilidade e agressões.

As coisas pioraram de lá para cá. A crise se agudizou – e o que vale para os Estados Unidos, vale também para o Brasil. Os dois países parecem ter sucumbido à certeza de que a política se resume a um embate do tipo tudo ou nada entre “amigos” e “inimigos”.

Bejan chama atenção para dois aspectos da civilidade.

Tomada como sinônimo de polidez, de boas maneiras, de amenidade, ela pode servir para estigmatizar os “selvagens” – aqueles que não merecem se sentar à mesa porque não sabem segurar o garfo. Trata-se de uma maneira sutil de excluir certos grupos da conversação.

A autora propõe uma outra abordagem: tratar a civilidade como uma virtude análoga à tolerância. Segundo ela, a ideia de civilidade que merece ser retomada é a do século XVII: um remédio para as guerras de religião decorrentes da Reforma, que estilhaçou o cristianismo em diversas denominações.

Os pensadores do século XVII que passaram a falar em nome da civilidade e da tolerância não queriam sufocar as diferenças religiosas. Eles queriam definir condições mínimas de convivência em meio à discórdia.

O herói do livro de Bejan é o puritano Roger Williams, um dos fundadores da colônia de Rhode Island, nos Estados Unidos. Ele defendeu uma atitude de “mera civilidade” tanto nos seus encontros com outros crentes – anglicanos, quakers, católicos, os próprios puritanos – quanto nos contatos com “pagãos” – os nativos do continente americano.

Isso implicava engrossar a pele para suportar até mesmo as manifestações que lhe pareciam mais equivocadas e ofensivas, bem como adotar um estilo de comunicação direto, mas não raivoso, que lhe permitisse expressar suas discordâncias sem interromper a conversa.

A “mera civilidade” é uma virtude para quem precisa viver junto sem compartilhar crenças políticas, religiosas ou de qualquer outro tipo. Não serve para eliminar confrontos, mas para impedir que eles explodam.

Quem pratica a “mera civilidade” sabe que certas diferenças são irreconciliáveis. Além disso, não está interessado em tornar as disputas verbais absolutamente higiênicas e inocentes. Entende que alguns debates requerem doses de sarcasmo, contundência, até mesmo agressividade. Mas treinou-se para reconhecer o momento de parar.

O melhor exemplo de civilidade dos últimos tempos, no Brasil, veio do senador Alessandro Vieira (MDB-SE). Durante a sabatina de Flávio Dino, na quarta-feira, 13, ele explicou por que votaria contra a indicação ao STF. Foi duríssimo e não esboçou um sorriso sequer. Foi meramente civil.

O Brasil não precisa de políticos viciados em lacração – gente perpetuamente na ponta dos cascos, que não resiste a ofender os adversários de maneira gratuita.

Mas a troca da cordialidade pela mera civilidade também seria uma evolução bem vinda. A política dos acertos de bastidor já exauriu o país. Desde que as janelas do Congresso e o velho relógio de D. João VI continuem inteiros, melhor viver num mundo de desacordos. Ninguém quer outra conciliação das elites em Brasília.

Mais Lidas

1

TSE vai endossar farsa eleitoral de Maduro por Lula?

Visualizar notícia
2

É tudo culpa da Casa Civil

Visualizar notícia
3

Luiz Inácio “biruta de aeroporto” da Silva

Visualizar notícia
4

Se a ideologia woke fosse uma pessoa, seria Kamala Harris

Visualizar notícia
5

Inspirado por Biden, Datena ensaia ‘datenar’

Visualizar notícia
6

"Democratas colhem o que plantaram"

Visualizar notícia
7

Atletas zombam da falta de conforto na Vila Olímpica

Visualizar notícia
8

Kamala Harris recusa convite para presidir sessão com Netanyahu

Visualizar notícia
9

Celso Amorim é mais que “observador” da farsa eleitoral de Maduro

Visualizar notícia
10

Censura na EBC na mira da Câmara

Visualizar notícia

Tags relacionadas

Flávio Dino polarização política sabatina Sergio Moro STF
< Notícia Anterior

AfD, partido de extrema-direita alemão, elege mais um prefeito

18.12.2023 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

Caso Braskem: TCU pede esclarecimentos ao governo federal

18.12.2023 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Carlos Graieb

Carlos Graieb é jornalista formado em Direito, editor sênior do portal O Antagonista e da revista Crusoé. Atuou em veículos como Estadão e Veja. Foi secretário de comunicação do Estado de São Paulo (2017-2018). Cursa a pós-graduação em Filosofia do Direito, da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP).

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (0)

Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

Sem Biden, democratas conseguirão derrotar Trump?

Sem Biden, democratas conseguirão derrotar Trump?

Madeleine Lacsko
22.07.2024 21:33 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
De tanto patrulhar humorista, esquerda não consegue mais se defender dos memes

De tanto patrulhar humorista, esquerda não consegue mais se defender dos memes

Madeleine Lacsko
19.07.2024 21:29 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Fala machista de Lula não é isolada, mas feministas sempre o perdoam

Fala machista de Lula não é isolada, mas feministas sempre o perdoam

Madeleine Lacsko
18.07.2024 20:15 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Haddad descobre uma das únicas coisas que funcionam no Brasil, o meme

Haddad descobre uma das únicas coisas que funcionam no Brasil, o meme

Madeleine Lacsko
17.07.2024 21:44 3 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.