O Antagonista

Ativista palestino torturado pelo Hamas comenta guerra em Gaza

avatar
Redação O Antagonista
9 minutos de leitura 24.06.2024 10:36 comentários
Mundo

Ativista palestino torturado pelo Hamas comenta guerra em Gaza

"O Hamas criou com sucesso a narrativa de ser o defensor dos palestinos. Mas esta guerra em particular deixa mais uma vez claro que o regime do Hamas em Gaza é terrorista", diz Hamza Howidy

avatar
Redação O Antagonista
9 minutos de leitura 24.06.2024 10:36 comentários 0
Ativista palestino torturado pelo Hamas comenta guerra em Gaza
Reprodução

O jornal alemão Der Tagesspiegel entrevistou um jovem de Gaza que faz campanha pela paz entre palestinos e israelenses – e contra o Hamas.

Hamza Howidy nasceu em 1997 e é um ativista palestino pela paz. Ele estudou economia na Universidade de Gaza. Foi capturado e torturado duas vezes pelo Hamas durante os protestos “Queremos viver” aos quais aderiu em 2019. Howidy agora vive exilado na Alemanha.

Suas respostas na entrevista transbordam lucidez, honestidade intelectual e clareza moral, elementos de que carecem boa parte dos militantes e políticos que dizem defender a causa palestina, inclusive aqui no Brasil.

Ciente da importância de uma postura honestamente pacifista em tempos de demagogos que dizem buscar a paz enquanto defendem terroristas, O Antagonista reproduz a seguir os principais trechos da entrevista do Der Tagesspiegel com Hamza Howidy:

Sr. Howidy, tem havido protestos e ocupações crescentes em universidades ocidentais contra a guerra em Gaza. Como você vê os protestos?


No início dos protestos em todo o Ocidente, pensei que os manifestantes apoiavam os palestinos e pretendiam acabar com esta guerra. Infelizmente, os protestos transformaram-se numa glorificação do Hamas – a organização responsável por esta guerra e pelas atrocidades de 7 de Outubro. Isso para não falar do que o Hamas fez aos próprios palestinos. Muitos habitantes de Gaza foram torturados ou mortos nas prisões do Hamas.

Ninguém sequer pensa nos reféns mantidos em cativeiro pelo Hamas há mais de oito meses. Tenho vergonha de que slogans antissemitas possam ser ouvidos nestes protestos. A causa palestina está muito próxima do meu coração e não quero que seja vista como antissemita e que glorifica o terrorismo.

Como você explica a natureza unilateral dos protestos?


Penso que os crimes que o Hamas cometeu contra a população civil palestina receberam muito pouca atenção dos meios de comunicação social: após as eleições de 2006 em Gaza e a tomada violenta do controle pelo Hamas, houve um conflito com o Fatah que matou mais de 600 civis. Ambos os lados cometeram crimes de guerra. Alguns dos manifestantes escondem o seu ódio a Israel por trás da causa palestina.

Por que o Hamas é tão popular nos círculos de esquerda?


O Hamas criou com sucesso a narrativa de ser o defensor dos palestinos. Mas esta guerra em particular deixa mais uma vez claro que o regime do Hamas em Gaza é terrorista. Ainda hoje vi um vídeo de membros do Hamas disparando contra palestinos porque estes tentavam roubar alimentos de carregamentos de ajuda. Um menino de 13 anos morreu. O Hamas está retendo ajuda humanitária para vender no mercado negro e financiar a sua guerra.

Como os ativistas pró-Palestina reagem às suas críticas?


Recebo ameaças de morte todos os dias. Exigir que os reféns sejam libertados ou pedir pela rendição do Hamas se tornou um crime que alguns querem punir com a morte.

Como a vida em Gaza mudou desde que o Hamas assumiu o poder?


Antes das eleições, as pessoas estavam fartas da corrupção nas autoridades e no governo. E o Hamas conseguiu convencer-nos de que era o messias da sociedade palestina. Com o seu governo, o Hamas introduziu regulamentos sobre vestuário para mulheres. Minorias religiosas, como os cristãos, foram perseguidas. O Hamas instalou uma rede de membros secretos que denunciavam as críticas. A propaganda do Hamas tornou-se onipresente, desde as escolas às mesquitas e aos meios de comunicação social. Na mesquita perto da minha casa, ensinaram-me que os judeus eram filhos de porcos, que assassinaram profetas e mereciam ser punidos por isso

Quando você decidiu trabalhar pela paz entre palestinos e israelenses?


Isso foi depois dos protestos de 2019 em Gaza. Até então, fui ensinado a ver os judeus e os israelense como o maior inimigo. Eu só queria conversar com pessoas de Israel por curiosidade. Conheci um israelense através do Instagram. No começo tive medo que pudesse ser um agente. Ao conversarmos, entendi que tudo o que nos ensinaram estava errado. Embora exista uma minoria extremista entre os israelenses, eles são um povo que deseja soberania e segurança. Como todo mundo. Assim como os palestinos. Isso me desradicalizou. Até hoje sou amigo dos israelenses.

Em 2019 você se juntou ao movimento “Queremos viver” em Gaza. Quais eram os objetivos do movimento?


As pessoas ficaram particularmente perturbadas por causa da situação econômica. Queríamos melhores condições de vida, empregos e viver como a elite do Hamas vinha vivendo há muito tempo. Yahya al-Sinwar, por exemplo, é dono de mais de cinco empresas comerciais em Gaza, e Fathi Hammad, antigo ministro do Interior, é dono das maiores explorações de frangos. Eles têm o dinheiro enquanto os civis sofrem com o desemprego e os cortes de energia. Por isso saímos às ruas.

Como o Hamas respondeu aos protestos?


Ela enviou suas milícias e tentou prender o maior número possível. Eu próprio fui torturado na prisão durante mais de três semanas. Outros permaneceram detidos durante vários meses.

Por que você só fugiu em 2023?


Depois de 2019, ainda tinha uma pequena esperança de que a situação pudesse melhorar, apesar das condições catastróficas. Acho que faz parte da minha cultura palestina não perder a esperança – e fiquei porque Gaza é a minha casa, porque é onde estão a minha família e os meus amigos.

No verão de 2023 protestamos novamente por melhores condições de vida. Pouco antes, dois palestinos foram assassinados nas prisões do Hamas no espaço de um mês. O Hamas reagiu de forma ainda mais brutal do que em 2019. Fui preso pela segunda vez durante os protestos. Fiquei em uma cela que mal era grande o suficiente para me deitar. Não havia cama nem banheiro. Até hoje não consigo esquecer uma cena. Um guarda do Hamas entrou na minha cela e desenhou uma bicicleta na parede. Ele me disse para andar nesta bicicleta. Se eu não o fizesse, ele me bateria o dia todo.

Eles me bateram durante horas com punhos ou cabos e mangueiras, acusando-me de colaborar com o governo israelense. Minha família conseguiu comprar minha liberdade. Mas perdi a esperança de poder mudar alguma coisa em Gaza, por isso saí.

Como você chegou à Alemanha?


Fugi para o Egito através da passagem fronteiriça em Rafah e de lá para a Turquia. Lá conheci contrabandistas com quem cheguei à Grécia num barco, onde continuei o meu trabalho ativista num campo de refugiados em Samos. No entanto, estive lá com milhares de outros habitantes de Gaza, poucos dos quais partilhavam as minhas opiniões. Fui ameaçado, mas a administração do campo pouco fez até me deixar ir e emitir documentos de viagem que me permitiram ir para a Alemanha. Foi uma jornada terrível que felizmente terminou aqui.

Depois da sua fuga veio o massacre do Hamas em 7 de outubro. Você esperava essa magnitude?


Odeio o Hamas e estou ciente de que é uma organização terrorista, mas o horror estava além da minha imaginação. O momento do massacre deve-se, penso eu, a duas razões. Por um lado, o Hamas foi encurralado dentro de Gaza porque estava perdendo apoio. Por outro lado, ela queria interromper uma maior aproximação entre Israel e o mundo árabe. Israel já concluiu um tratado de paz com os Emirados Árabes Unidos no âmbito dos Acordos de Abraham e a Arábia Saudita também tomou medidas semelhantes.

O procurador-chefe do Tribunal Penal Internacional está investigando Israel por possíveis crimes de guerra. O seu compromisso com a paz também não deveria levar mais em conta este aspecto?


Tenho criticado muitas vezes o governo e os militares israelenses. Mas todos os países do mundo apontam o dedo a Israel e, na sociedade israelense, existem organizações que criticam constantemente as políticas israelenses. Isto dificilmente existe no lado palestino. A minha crítica visa melhorar a vida dos palestinos. Para o Hamas, os palestinos nada mais são do que uma ferramenta para isolar ainda mais Israel.

Será realista a destruição do Hamas, o objetivo declarado do governo israelense?


O Hamas não é apenas um movimento ou organização. Tornou-se uma ideologia em Gaza. Não se pode derrotar militarmente uma ideologia. A única maneira seria desradicalizar a população de Gaza.

A desradicalização do povo de Gaza exige reformas no sistema educativo e uma perspectiva que veja os israelenses como seres humanos. Isto teria de ser realizado por um novo governo, por exemplo, uma Autoridade Palestina reformada.

Poderemos pedir aos palestinos que se rebelem contra o Hamas – arriscando assim as suas vidas?


Eles já estão fazendo isso. Houve mais de um protesto contra o Hamas durante a guerra. O Hamas atirou nos manifestantes. Mas, infelizmente, quase não houve reportagens sobre isso.

Por que?


A mídia árabe, em particular, é controlada pelo regime do Catar. Eles estão cegos a qualquer resistência ao Hamas.

Como esse conflito poderia ser resolvido?


Do ponto de vista palestino, temos o dever de iniciar o processo de desradicalização. Sem o Hamas, podemos construir o nosso país a partir de dentro, somos capazes disso. Mas os nossos deveres também incluem os nossos direitos. Israel deve acabar com a política de colonatos na Cisjordânia e os palestinos precisam de um Estado independente. Infelizmente, Netanyahu não é um homem de paz. Ele rejeita a solução de dois Estados. Mas acredito que existem forças na sociedade israelense que podem abrir o caminho para a paz.

Leia mais: Jornalista árabe critica proibição de humanizar judeus e israelenses

Parem de confundir terroristas do Hamas com palestinos inocentes

Assista também: Yasmine Mohammed: “A esquerda ocidental empodera os radicais islâmicos”

Mais Lidas

1

Moro critica Janones por desinformar sobre atentado a Trump: “imbecil”

Visualizar notícia
2

Foi para isso que Boulos salvou Janones da rachadinha?

Visualizar notícia
3

Atentado a Trump: os ataques cretinos e as críticas legítimas à imprensa

Visualizar notícia
4

Israel confirma morte de comandante do Hamas

Visualizar notícia
5

Homem morto em comício de Trump protegeu família de tiros

Visualizar notícia
6

Atirador que tentou matar Trump tinha material explosivo em carro

Visualizar notícia
7

Bolsonaro: “Somente pessoas conservadoras sofrem atentado”

Visualizar notícia
8

Melania Trump descreve atirador como “monstro” e pede união

Visualizar notícia
9

Barroso, após atentado a Trump: “Violência é derrota de espírito”

Visualizar notícia
10

Biden anuncia investigação independente de atentado contra Trump

Visualizar notícia

Tags relacionadas

Hamas Israel Palestina
< Notícia Anterior

Motorista de aplicativo some e revela crime brutal em RO

24.06.2024 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

Grandes promoções da Citroën: descontos que podem chegar a R$ 30 mil

24.06.2024 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Redação O Antagonista

O Antagonista é um dos principais sites jornalísticos de informação e análise sobre política do Brasil. Sua equipe é composta por jornalistas profissionais, empenhados na divulgação de fatos de interesse público devidamente verificados e no combate às fake news.

Suas redes

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (0)

Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

Cientistas estudam como diminuir as temperaturas das cidades

Cientistas estudam como diminuir as temperaturas das cidades

14.07.2024 16:25 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Biden anuncia investigação independente de atentado contra Trump

Biden anuncia investigação independente de atentado contra Trump

14.07.2024 15:57 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Homem investe em LEGO e rganha mais de 2 milhões

Homem investe em LEGO e rganha mais de 2 milhões

14.07.2024 15:30 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Seul impõe restrições para turistas em bairros importantes

Seul impõe restrições para turistas em bairros importantes

14.07.2024 15:20 3 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.