Pacheco promete reação contra decisão de Zanin Pacheco promete reação contra decisão de Zanin
O Antagonista

Pacheco promete reação contra decisão de Zanin que beneficiou governo

avatar
Wesley Oliveira
3 minutos de leitura 26.04.2024 10:47 comentários
Brasil

Pacheco promete reação contra decisão de Zanin que beneficiou governo

Ministro atendeu pedido do governo e concedeu liminar para suspender trechos da lei que prorroga desoneração da folha de pagamentos

avatar
Wesley Oliveira
3 minutos de leitura 26.04.2024 10:47 comentários 0
Pacheco promete reação contra decisão de Zanin que beneficiou governo
Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco | Foto: Roque de Sá/Agência Senado

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), criticou a liminar do ministro Cristiano Zanin, do Supremo Tribunal Federal (STF), para suspender a desoneração de impostos sobre a folha de pagamento de 17 setores da economia. A decisão atende a um pedido apresentado pelo governo do presidente Lula (PT) contra o projeto aprovado pelo Congresso Nacional.

“O governo federal erra ao judicializar a política e impor suas próprias razões, num aparente terceiro turno de discussão sobre o tema da desoneração da folha de pagamento. Respeito a decisão monocrática do ministro Cristiano Zanin e buscarei apontar os argumentos do Congresso Nacional ao STF pela via do devido processo legal”, disse Pacheco por meio de nota.

O presidente do Senado, no entanto, prometeu “tomar providências” para manter o projeto aprovado pela Câmara e o Senado. Além de empresas de 17 setores da economia, a proposta da desoneração foi ampliada para pequenos e médios municípios.

“Cuidarei das providências políticas que façam ser respeitada a opção do Parlamento pela manutenção de empregos e sobrevivência de pequenos e médios municípios”, completou Pacheco.

Embate sobre a desoneração

O embate do governo com o Congresso se arrasta desde o final do ano passado, quando os parlamentares prorrogaram o benefício da desoneração até 2027. Após a proposta ser aprovada, o presidente Lula vetou a medida para atender uma demanda do ministro da Fazenda, Fernando Haddad. O veto, no entanto, acabou sendo derrubado pelo Congresso.

Posteriormente, o presidente Lula editou uma Medida Provisória (MP) que reonerava os setores beneficiados de forma gradativa. A MP, contudo, acabou sendo desidratada pelo próprio governo diante dos desgates com o Legislativo.

Desonerar um setor significa que ele terá redução ou isenção de tributos. Na prática, deixa a contratação e manutenção de funcionários em empresas mais baratas.

Em janeiro, a Fazenda disse que o impacto em renúncia fiscal da desoneração da folha aos 17 setores custaria R$ 12,3 bilhões aos cofres públicos em 2024. Ao questionar o projeto junto ao STF, a Advocacia-Geral da União (AGU) argumentou que a lei não demonstrou o impacto financeiro da medida, conforme exigido pela Constituição.

“A lacuna é gravíssima, sobretudo se considerado o fato de que a perda de arrecadação anual estimada pela Receita Federal do Brasil com a extensão da política de desoneração da folha de pagamento é da ordem de R$ 10 bilhões anuais”, argumenta a AGU na petição.

Liminar de Zanin vai ser julgada

Em sua decisão, o ministro Zanin concordou com o argumento do governo de que a renúncia não pode ser dada sem que ocorra a indicação do impacto orçamentário. Segundo o Zanin, sem essa previsão há risco de um desajuste significativo nas contas públicas e até mesmo do esvaziamento do regime fiscal.

Zanin estabeleceu que a suspensão valerá até que seja indicado o impacto fiscal da medida. A decisão do ministro será julgada no plenário virtual do STF a partir da meia noite desta sexta-feira. Os ministros podem inserir seus votos no sistema eletrônico até o dia 6 de maio.

Mundo

Triton: o novo submarino que vai levar dois milionários ao Titanic

29.05.2024 21:30 3 minutos de leitura
Visualizar

Moraes libera últimos dois presos da cúpula da PMDF do 8/1

Visualizar

Robô frequenta escola no lugar de menino doente. Veja vídeo

Visualizar

Jaguatirica morre atropelada na SP-123

Visualizar

Chegou o imposto ‘do bem’

Visualizar

Enchentes em Porto Alegre: Estapar nega ressarcimento a veículos

Visualizar

Tags relacionadas

Cristiano Zanin Desoneração da folha de pagamentos Fernando Haddad presidente Lula Rodrigo Pacheco Supremo Tribunal Federal
< Notícia Anterior

Paris 2024: Olimpíadas intensificam crise em prisões francesas

26.04.2024 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

Blinken alerta para interferência chinesa nas eleições

26.04.2024 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Wesley Oliveira

Suas redes

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (0)

Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

Moraes libera últimos dois presos da cúpula da PMDF do 8/1

Moraes libera últimos dois presos da cúpula da PMDF do 8/1

29.05.2024 21:25 2 minutos de leitura
Visualizar notícia
Jaguatirica morre atropelada na SP-123

Jaguatirica morre atropelada na SP-123

29.05.2024 20:58 2 minutos de leitura
Visualizar notícia
Enchentes em Porto Alegre: Estapar nega ressarcimento a veículos

Enchentes em Porto Alegre: Estapar nega ressarcimento a veículos

29.05.2024 20:54 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Boulos, o mais rejeitado em São Paulo

Boulos, o mais rejeitado em São Paulo

29.05.2024 20:47 3 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.