O Antagonista

Ministro do TCU deixa caso sobre megalicitação da Secom em ‘banho-maria’

avatar
Wilson Lima
5 minutos de leitura 28.06.2024 06:45 comentários
Brasil

Ministro do TCU deixa caso sobre megalicitação da Secom em ‘banho-maria’

Mesmo com parecer técnico em representação do partido Novo, ministro não pauta processo desde maio

avatar
Wilson Lima
5 minutos de leitura 28.06.2024 06:45 comentários 0
Ministro do TCU deixa caso sobre megalicitação da Secom em ‘banho-maria’
Foto: Jane de Araújo/Agência Senado

Apesar dos indícios de fraude apontados pela área técnica do TCU, o ministro Aroldo Cedraz ainda não autorizou o aprofundamento da investigação relacionada à megalicitação de R$ 197 milhões da Secom do governo Lula para gestão de redes sociais.

Após O Antagonista revelar o nome dos vencedores da licitação com exclusividade e um dia antes de ela ter sido realizada, o partido Novo foi ao TCU solicitar uma investigação sobre o caso; deputados e senadores de oposição também apresentaram representações por suspeitas de que houve direcionamento no procedimento licitatório.

Como mostramos nesta quinta-feira, 27, a área técnica do TCU apontou “falhas graves” no certame e “possibilidade de direcionamento do procedimento licitatório”.

O procedimento prévio foi instaurado em 26 de abril deste ano e desde 9 de maio aguarda uma manifestação do ministro sobre o acolhimento ou não das representações. Caso ele acolha, haverá a intensificação das investigações e a realização de diligências – inclusive ouvindo membros da Secom sobre o caso – e a possibilidade até de suspensão do certame, caso os achados complementares da área técnica sejam considerados gravíssimos.

Caso o ministro não acolha a representação, o caso será definitivamente arquivado.

O resultado da megalicitação foi antecipado por O Antagonista em 23 de abril, um dia antes de ela ter sido realizada por meio de uma mensagem cifrada no X – antigo Twitter (post abaixo). As quatro primeiras colocadas do certame foram justamente aquelas adiantadas por este site: Moringa, BR Mais Comunicação, Área Comunicação e Usina Digital. A Moringa teve 91,34 pontos; a BR 91,17 pontos, a Area 89 pontos e Usina 88,16 pontos. 

Depois que o resultado foi divulgado, a Moringa e a Área Digital depois foram desqualificadas por falhas documentais.

Na época da licitação, a Secom era comandada por Paulo Pimenta.

Entretanto, de acordo com o que determina a Lei 12.232/2010, que dispõe sobre “normas gerais para licitação e contratação pela administração pública de serviços de publicidade prestados por intermédio de agências de propaganda”, mesmo diante da contratação de empresas pelo critério de “melhor técnica”, a abertura dos envelopes com as propostas deveria ocorrer apenas no dia da licitação, e não antes.

Quais as evidências de fraude na megalicitação da Secom?

Ainda por essa lei, a “comissão permanente ou especial não lançará nenhum código, sinal ou marca nos invólucros padronizados nem nos documentos que compõem a via não identificada do plano de comunicação publicitária”. A medida é necessária para assegurar a lisura do processo.

No entanto, com o vazamento das informações sobre os vencedores um dia antes, os técnicos do TCU argumentam que “há indícios de que o sigilo quanto à autoria das propostas acabou sendo violado”, o que pode ser visto como uma falha ou mesmo fraude ao procedimento licitatório, com indícios de direcionamento dos vencedores.

“Diante das evidências trazidas aos autos, há indícios de que o sigilo quanto à autoria das propostas acabou sendo violado no curso da Concorrência 1/2024 da Secom. Se os invólucros nº 2, correspondentes às vias identificadas dos planos de comunicação, somente foram abertos, de fato, em 24/4/2024, conforme consignado na ata da 2ª sessão pública da licitação (peça 10), houve alguma falha e/ou fraude nos procedimentos que permitiram antecipar o resultado da licitação”, informou a área técnica do TCU.

“Irregularidade grave”, dizem auditores do TCU, sobre ação da Secom

“Diante do que foi relatado, entende-se configurado o pressuposto da plausibilidade jurídica, dadas as evidências de que houve quebra do sigilo das propostas técnicas das licitantes, com a divulgação do resultado provisório do certame antes da data prevista para abertura dos invólucros contendo as vias não identificadas dos planos de comunicação digital”, acrescentaram os técnicos.

“Se a subcomissão técnica conhecia antecipadamente a autoria de cada proposta técnica, como sugerem as evidências, o fato se constitui em irregularidade grave, conforme sustenta o representante, resultando em possível direcionamento do certame e maculando todo o procedimento da licitação”, pontuam os auditores.

Na peça, os auditores do TCU recomendam o recebimento da representação e oitivas com integrantes da Secom para entender por quais motivos houve o vazamento desse tipo de informação. A área técnica também recomendou a realização de diligências junto à Secom para a obtenção de documentos e o alerta ao órgão para a possibilidade de concessão de uma medida cautelar para suspender a concorrência. Concorrência essa que ainda não foi homologada.

Como mostramos essa semana, ao invés de explicar, a Secom minimizou os indícios de irregularidades.

Em reposta encaminhada a integrantes da Câmara, o órgão negou qualquer tipo de influência política e disse aos deputados responsáveis por esse tipo de questionamento que a divulgação antecipada não passou de um ‘palpite’.

Mais Lidas

1

Atentado a Trump, o que dizem autoridades do mundo inteiro

Visualizar notícia
2

Crusoé: Como o atentado a Trump impacta a campanha nos EUA

Visualizar notícia
3

"Senti a bala rasgando a pele", diz Trump sobre atentado

Visualizar notícia
4

Atentado a Trump é investigado como tentativa de assassinato

Visualizar notícia
5

“O que vimos hoje é inaceitável”, diz Lula, sobre atentado a Trump

Visualizar notícia
6

Biden sobre atentado a Trump: "Esse tipo de violência é doentia"

Visualizar notícia
7

"Grato de ouvir que ele está seguro", diz Biden sobre Trump

Visualizar notícia

Tags relacionadas

aroldo cedraz Secom
< Notícia Anterior

São Paulo se recupera no Brasileirão com vitória sobre o Criciúma. Veja os gols

28.06.2024 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

Biden x Trump: a checagem de fatos do primeiro debate

28.06.2024 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Wilson Lima

Wilson Lima é jornalista formado pela Universidade Federal do Maranhão. Trabalhou em veículos como Agência Estado, Portal iG, Congresso em Foco, Gazeta do Povo e IstoÉ. Acompanha o poder em Brasília desde 2012, tendo participado das coberturas do julgamento do mensalão, da operação Lava Jato e do impeachment de Dilma Rousseff. Em 2019, revelou a compra de lagostas por ministros do STF.

Suas redes

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (0)

Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

Quem lacra não lucra? Maju Coutinho pode ser retirada do comando do Fantástico

Quem lacra não lucra? Maju Coutinho pode ser retirada do comando do Fantástico

13.07.2024 21:18 2 minutos de leitura
Visualizar notícia
“O que vimos hoje é inaceitável”, diz Lula, sobre atentado a Trump

“O que vimos hoje é inaceitável”, diz Lula, sobre atentado a Trump

13.07.2024 21:06 2 minutos de leitura
Visualizar notícia
BYD e GWM dominam top 10 de carros elétricos mais vendidos em 2024

BYD e GWM dominam top 10 de carros elétricos mais vendidos em 2024

13.07.2024 20:37 2 minutos de leitura
Visualizar notícia
Audi, BMW e outros carros usados com muito estilo por menos de R$ 50 Mil

Audi, BMW e outros carros usados com muito estilo por menos de R$ 50 Mil

13.07.2024 19:37 3 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.