Não é implicância, Barroso Não é implicância, Barroso
O Antagonista

Não é implicância, Barroso

avatar
Rodolfo Borges
4 minutos de leitura 11.06.2024 11:09 comentários
Análise

Não é implicância, Barroso

Presidente do STF diz que "há uma certa incompreensão" sobre os encontros de ministros do tribunal com empresários, mas o difícil é compreender por que algumas dessas reuniões ocorrem em segredo

avatar
Rodolfo Borges
4 minutos de leitura 11.06.2024 11:09 comentários 9
Não é implicância, Barroso
Foto: Reprodução/ Roda Viva

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso (foto), saiu em defesa dos colegas que estão sendo questionados por frequentar encontros fechados com empresários. Perguntado sobre o assunto no programa Roda Viva, da TV Cultura, transmitido na noite de segunda-feira, 10, Barroso disse que “há uma certa implicância” com as agendas dos ministros do STF.

“Eu acho que há uma certa incompreensão, que tem sido muito explorada recentemente (…) Nós conversamos com comunidades indígenas, empresários do agronegócio, estudantes, jornalistas, sindicalistas e empresários. Portanto, o ministro não pode viver encastelado em um mundo próprio, a gente conversa com a sociedade”, disse o presidente do STF.

O que os ministros do STF fazem fora do tribunal chama atenção com mais intensidade desde que três deles participaram, em abril, de um evento fechado em Londres. O evento foi organizado por empresários brasileiros e tudo o que se sabe sobre o “fórum jurídico” foi divulgado pelos próprios promotores do fórum, que não foi aberto para a imprensa, como costumam ser esses encontros.

“Preconceito contra os empresários”

“Quando a gente conversa com os outros segmentos, não há nenhuma repercussão negativa. Quando se conversa com empresários, há sempre uma repercussão negativa como se tivesse alguma coisa de impróprio”, seguiu Barroso em sua explicação no programa da TV Cultura, acrescentando que isso revelaria “um pouco do preconceito que há no Brasil contra os empresários em geral e contra a livre iniciativa”.

Barroso, seguiu na resposta, dando exemplos que demonstrariam que o tribunal tem decidido processos contra os interesses do empresariado brasileiro, como se isso de alguma forma abonasse a conduta misteriosa de alguns de seus colegas. O presidente do STF lembrou que está entre os ministros que divulgam a própria agenda, mas destacou que “não há uma exigência legal, nem regimental” para fazê-lo, “de modo que é um critério de cada ministro”.

Questionado diretamente sobre a presença do ministro Dias Toffoli no camarote de um empresário para assistir à final da Champions League entre Real Madrid e Borussia Dortmund, em Londres, Barroso disse que esse se tratou de um “evento privado”.

Vida privada?

“Ele [Toffoli] escolheu para a vida privada dele assistir a um jogo de futebol. É preciso saber se ele atendeu a algum interesse desse empresário. Acho que evidentemente não. Portanto, acho que há uma certa implicância”, respondeu o presidente do STF. Infelizmente, a questão não é tão simples assim.

O STF pagou 39 mil reais pela segurança de Toffoli durante a viagem a Londres. Barroso justificou o gasto assim em nota divulgada na semana passada: “Até pouco tempo atrás, os ministros do Supremo Tribunal Federal circulavam em agendas pessoais e até institucionais inteiramente sós. Infelizmente, nos últimos anos, fomentou-se um tipo de agressividade e de hostilidade que passaram a exigir o reforço da segurança em todas as situações”.

À altura

O presidente do STF não mencionou na nota que os próprios ministros do tribunal colaboraram para esse cenário, com uma disposição suprema para o protagonismo nem sempre necessário ou aconselhável.

Mas, mais o que isso, se os ministros do Supremo pretendem ocupar esse lugar de destaque na República brasileira, topando participar de toda e qualquer pendenga política para a qual são convidados — e, desde a abertura do inquérito das fake news, em 2019, mesmo para as quais não foram convidados —, eles precisam reconhecer a altura a que se elevaram e responder aos ônus desse protagonismo.

Apenas quatro dos 11 ministros do STF divulgam com assiduidade suas agendas, mas todos eles definem os rumos da nação quase que semanalmente — alguns com mais disposição que os outros, é preciso reconhecer. O mínimo que o país pode fazer diante disso é cobrá-los à altura.

Entretenimento

Rouge: Confusões internas e troca de farpas

23.06.2024 17:27 3 minutos de leitura
Visualizar

Nike relança camisa da seleção de 1998 e preço surpreende

Visualizar

Portabilidade de dívida do cartão de crédito é aprovada

Visualizar

México assolado por onda de calor mortal

Visualizar

Bruno faz show na Bahia com totem de Marrone de papelão

Visualizar

Anatel toma medida drástica contra smartphones falsos

Visualizar

Tags relacionadas

Dias Toffoli Luís Roberto Barroso Roda Viva STF TV Cultura
< Notícia Anterior

Crusoé: Contra os ingleses, até gregos e turcos estão juntos

11.06.2024 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

Crusoé: Claudia Sheinbaum é López Obrador com rabo de cavalo

11.06.2024 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Rodolfo Borges

Rodolfo Borges é jornalista formado pela Universidade de Brasília (UnB). Trabalhou em veículos como Correio Braziliense, Istoé Dinheiro, portal R7 e El País Brasil.

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (9)

Luiz Filho

2024-06-12 14:26:29

Se ministro não perdoasse as dívidas e multas de empresas defendidas por suas mulheres, filhos ou sobrinhos; se ministro não pedisse a cabeça de jornalista que publicou matéria esquisita sobre seu comportamento; se ministro não recebesse “incentivos” ou “patrocínios” de empresas ou escritório de advocacia seria implicância, sim. A fala do aveludado foi absolutamente corporativista e passadora de pano


Alexsandro Brito

2024-06-11 16:01:28

Desculpe esfarrapada. Lobistas, travestidos de grupos que fazem reunião no exterior com altas autoridades, e o sujeito acha que é implicância.


Luis Eduardo Rezende Caracik

2024-06-11 13:59:27

A péssima imagem do STF tem nome e sobrenome: Mendes Toffoli.


Marcelo Augusto Monteiro Ferraz

2024-06-11 13:12:34

Sem tergiversações, ministros, por favor!


JOSIAS FERNANDES DE AVILA

2024-06-11 12:45:46

O ministro Barroso poderia se reunir com os indígenas em suas aldeias, comer com eles sua comida e dormir nas redes de suas malocas...e levar consigo todos os demais 10 supremos ministros. Ir ao encontro de empresários em Londres, Paris ou Nova Iorque é muito fácil, especialmente com mordomias em hotéis de luxo. Por que não faz isso, supremo presidente?


Jorge Alberto da Cunha Rodrigues

2024-06-11 11:54:08

Usar dinheiro do contribuinte para pagar segurança de ministro que foi assistir a jogo de futebol é um delito menor em comparação a outros muito mais graves praticados pelo STF. Entre tais delitos estão: a extrema proteção dada aos corruptos poderosos, a prática de arbitrariedades, tomada de decisões com viés político e a incomensurável vontade de implantar oficialmente a censura (na prática ela já está em vigor há algum tempo). O STF é altamente nocivo para o país.


Joao

2024-06-11 11:53:43

advogado(a)


Joao

2024-06-11 11:52:58

Empresários gostam de patrocinar eventos para membros do STF e STJ. Pagam muito bem advogados (s) cônjuge de membros de tribunal, pagam muito bem ex-membros de tribunais superiores, oferecem .mimos para estes como reformas em suas residências, etc, etc. Realmente o povo implica demais com empresários e juízes.


Emerson H de Vasconcelos

2024-06-11 11:31:52

Não é implicância. Acho especial a palavra ganância.


Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

Quem acredita no Lula evangélico?

Quem acredita no Lula evangélico?

Rodolfo Borges
23.06.2024 12:17 5 minutos de leitura
Visualizar notícia
Lula enjoa

Lula enjoa

Carlos Graieb
21.06.2024 18:14 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
A visão aquém do alcance de Gleisi

A visão aquém do alcance de Gleisi

Rodrigo Oliveira
21.06.2024 16:40 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Ato 2 do ilusionismo matemágico terá pente-fino nos gastos

Ato 2 do ilusionismo matemágico terá pente-fino nos gastos

Rodrigo Oliveira
21.06.2024 08:58 2 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.