A Lava Jato não destruiu a economia do Brasil A Lava Jato não destruiu a economia do Brasil
O Antagonista

A Lava Jato não destruiu a economia do Brasil

avatar
Carlos Graieb
4 minutos de leitura 04.03.2024 17:53 comentários
Análise

A Lava Jato não destruiu a economia do Brasil

Ideia de que a operação prejudicou a economia e especialmente o setor de construção não sobrevive à análise

avatar
Carlos Graieb
4 minutos de leitura 04.03.2024 17:53 comentários 5
A Lava Jato não destruiu a economia do Brasil
Foto: Nelson Jr./SCO/STF

A Lava Jato é frequentemente acusada pelos amigos da corrupção de ter prejudicado a economia brasileira – especialmente o setor de construção civil.  

O ministro da Justiça Ricardo Lewandowski (foto) era particularmente adepto desse discurso quando ainda atuava no STF. Costumava dizer em plenário, com aquela voz compungida que lhe é característica, que o combate à corrupção não pode destruir empresas.  

Isso é conversa fiada de quem está preocupado com a saúde de algumas corporações que se beneficiaram historicamente do capitalismo de cartas marcadas. Nem o setor de engenharia nem a economia brasileira se confundem com os interesses desse pequeno grupo de atores que distorceram por décadas o funcionamento do mercado.  

Mudanças no setor

O jornal O Globo publicou nesta segunda-feira uma reportagem sobre empresas da Lava Jato que jã podem ser contratadas novamente pelo setor público e sobre as mudanças no setor de engenharia na última década. Três fatos se destacam. 

Primeiro, houve de fato um encolhimento considerável no faturamento global das 100 maiores construtoras do país: ele caiu de R$ 138 bilhões em 2013 para R$ 56,5 bilhões em 2022. 

Em segundo lugar, o encolhimento das grandes construtoras pilhadas na Lava Jato propiciou o surgimento de novos concorrentes.  

Empresas estrangeiras, chinesas e europeias em particular, assumiram obras de infraestrutura no país.

Além disso, pequenas e médias construtoras nacionais formaram consórcios para ganhar obras ou conseguiram criar musculatura por conta própria, modificando de maneira significativa o ranking das dez maiores do setor, como mostrou o jornal. 

Coitadismo

Os dois primeiros movimentos – queda no faturamento e empresas estrangeiras conquistando espaço – sugerem que a Lava Jato de fato ajudou a abalar o setor. Mas nem por isso o coitadismo de empresários que basearam seu modelo de negócio nos cartéis e no pagamento de propina deve ser legitimado.  

A Lava Jato não foi responsável sozinha por nada que tenha acontecido no setor de construção civil. Fatores como a pandemia e a crise fiscal do governo, que impede o investimento em grandes obras de infraestrutura, também precisam ser levados em conta.  

Além disso, Odebrecht e Andrade Gutierrez, duas gigantes que caíram nas malhas da Lava Jato, nem sequer despencaram no ranking das maiores empreiteiras: continuam ocupando a primeira e a segunda posições (OEC é braço de engenharia da Novonor, novo nome da Odebrecht). 

Momento promissor

Na reportagem de O Globo, a ideia de que a Lava Jato “destruiu valor” aparece numa declaração do consultor Gesner Oliveira: “ Não se pode destruir o valor do capital humano de companhias, que leva anos para ser construído”, afirma ele.  

Não há sinal de que isso tenha acontecido. A engenharia brasileira não morreu, como prova o surgimento de novas empresas no lugar daquelas que imperavam num ambiente viciado.  

Mais ainda. Segundo a revista especializada O Empreiteiro (fonte do ranking do Globo), a receita das 195 maiores empresas do setor cresceu 37,45% em 2022. O desempenho das 100 maiores foi ainda melhor, com aumento de 42,15% em faturamento. O tom geral da publicação é de otimismo com a retomada dos investimentos públicos e privados nos próximos anos.  

Quem lamenta que empresas que jogam sujo tenham perdido mercado defende uma variação do “rouba, mas faz”. O Antagonista prefere o “aqui se faz, aqui se paga”, porque sabe que a corrupção traz benefício a poucos e é inimiga do desenvolvimento, como não se cansam de mostrar os estudiosos desse fenômeno. 

Medo de transparência

Em vez de preocupar-se tanto com o futuro de um punhado de empresas, aqueles que estão no STF e outros órgãos de controle deveriam estar mais alertas àquilo que ainda falta para que a concorrência no Brasil seja de fato limpa.  

Na mesma edição em que fez o ranking das construtoras, a revista O Empreiteiro relatou que procurou as contratantes públicas e privadas das maiores obras Transportes, Saneamento, Energia, Petróleo e Gás e complexos industriais realizadas em 2022, pedindo que nomeassem as empresas responsáveis pelas obras. “O resultado foi pobre”, diz a publicação. “Com raríssimas exceções, os nomes foram omitidos, ‘por normas internas dos contratantes’”. 

Mesmo depois da Lava Jato, o Brasil continua viciado em sombras.  

Brasil

Bolsa Família: calendário de pagamento e novos benefícios

13.04.2024 05:30 3 minutos de leitura
Visualizar

Bolsa Família: libera mais benefícios e renda para famílias

Visualizar

Caso Neto x Sampaoli: apresentador não comparece a audiência judicial

Visualizar

Anne Dias na Crusoé: Tudo o que Musk fez pelo Brasil

Visualizar

Leonardo Barreto na Crusoé: O adulto na sala

Visualizar

Santos faz proposta de empréstimo por Patrick, do Galo

Visualizar

Tags relacionadas

construção civil corrupção economia brasileira empreiteiras Grupo Andrade Gutierrez Grupo Odebrecht Operação Lava Jato Ricardo Lewandowski
< Notícia Anterior

Embaixador de Israel expõe terrorismo da UNRWA e acusa ONU

04.03.2024 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

PT quer emplacar ‘delegada comunista’ em Comissão de Segurança da Câmara

04.03.2024 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Carlos Graieb

Carlos Graieb é jornalista formado em Direito, editor sênior do portal O Antagonista e da revista Crusoé. Atuou em veículos como Estadão e Veja. Foi secretário de comunicação do Estado de São Paulo (2017-2018). Cursa a pós-graduação em Filosofia do Direito, da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP).

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (5)

Andre Luis Dos Santos

2024-03-04 23:00:22

A lava-jato foi a melhor coisa que já aconteceu no país. Esses argumentos de que não se pode quebrar as empresas é balela. Deveriam sim ter quebrado, dando oportunidade pra novas concorrentes. No fundo, o que esse governo e essa classe de "seres supremos" querem é que as coisas voltem a ser como eram, com pixulecos correndo solto. Bando de canalhas.


Marian

2024-03-04 20:52:16

A Lava Jato mostrou o que transitava nos porões da república . A essa operação devemos muito.


Marcelo Augusto Monteiro Ferraz

2024-03-04 19:45:09

Parabéns, Graieb!


Gabriel Amar

2024-03-04 19:28:26

Bom vamos ver o que ele irá fazer na segurança pública. Até Dino não viu nada de anormal em Mossoró.


jni

2024-03-04 18:47:50

Ah a realidade que resolve destruir as narrativas tão bem elaboradas pela turminha de sempre...


Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

Os mil tentáculos do crime organizado

Os mil tentáculos do crime organizado

Carlos Graieb
12.04.2024 19:09 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
A luta continua (contra a companheirada na Petrobras)

A luta continua (contra a companheirada na Petrobras)

Carlos Graieb
12.04.2024 17:08 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Ratinho Júnior corre por fora

Ratinho Júnior corre por fora

Rodolfo Borges
12.04.2024 15:44 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
O foro desprivilegiado do STF

O foro desprivilegiado do STF

Rodolfo Borges
12.04.2024 07:54 4 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.