Igreja Católica de Curitiba recua e sai em defesa de vereador do PT que 'invadiu' templo Igreja Católica de Curitiba recua e sai em defesa de vereador do PT que 'invadiu' templo
O Antagonista

Igreja Católica de Curitiba recua e sai em defesa de vereador do PT que ‘invadiu’ templo

avatar
Diego Amorim
2 minutos de leitura 29.03.2022 14:07 comentários
Sociedade

Igreja Católica de Curitiba recua e sai em defesa de vereador do PT que ‘invadiu’ templo

A Mitra da Arquidiocese de Curitiba recuou e decidiu fazer uma manifestação em defesa do vereador do PT Renato de Almeida Freitas (foto), que, em fevereiro, conduziu um protesto na Igreja do Rosário, na capital paranaense, pela morte de Moïse Kabagambe -- dias antes, o congolês havia sido espancado até a morte no Rio de Janeiro...

avatar
Diego Amorim
2 minutos de leitura 29.03.2022 14:07 comentários 0
Igreja Católica de Curitiba recua e sai em defesa de vereador do PT que ‘invadiu’ templo
O vereador por Curitiba, Renato Freitas. Foto: Eduardo Marcelino/Malik Fotografia

A Mitra da Arquidiocese de Curitiba recuou e decidiu fazer uma manifestação em defesa do vereador do PT Renato de Almeida Freitas (foto), que, em fevereiro, conduziu um protesto na Igreja do Rosário, na capital paranaense, pela morte de Moïse Kabagambe — dias antes, o congolês havia sido espancado até a morte no Rio de Janeiro.

Na semana passada, o Conselho de Ética da Câmara Municipal rejeitou pedido de arquivamento e deu prosseguimento ao processo que poderá resultar na cassação do mandato do vereador petista por quebra do decoro parlamentar.

Em documento enviado ao relator do caso, vereador Sidnei Toaldo (Patriota), a procuradora da Arquidiocese de Curitiba, Cynthia Glowacki Ferreira, disse que o vereador petista e demais manifestantes só entraram na igreja após o término da missa. Cynthia, que representa juridicamente a Igreja Católica local, também afirmou que o protesto foi legítimo.

“A movimentação contra o racismo é legítima, fundamenta-se no Evangelho e sempre encontrará respaldo da Igreja. Percebe-se na militância do vereador o anseio por justiça em favor daqueles que historicamente sofrem discriminação em nosso país. A causa é nobre e merece respeito”, diz trecho do ofício, datado da última sexta-feira (25) e ao qual O Antagonista teve acesso (leia abaixo).

A procuradora ainda afirmou que “os fatos ocorridos apresentaram certos excessos, como o desrespeito pelo lugar sagrado”, mas ponderou que o vereador “procurou as autoridades religiosas, reconheceu seu erro e pediu desculpas”.

Por fim, a representante da Igreja pediu que a Câmara Municipal aplique “medida disciplinadora proporcional ao incidente” e “não se adote a punição máxima”, ou seja, não casse o mandato de Renato.

A mesma procuradora, dias após o protesto, chegou a registrar um boletim de ocorrência, que tinha o vereador como alvo, por atentado à liberdade de culto. À época, dom José Antonio Peruzzo, arcebispo de Curitiba, divulgou uma nota dizendo, entre outras coisas, que “o que houve foram agressividades e ofensas”. O bispo acrescentou que era fácil ver quem estimulou o ato.

Mundo

Triton: o novo submarino que vai levar dois milionários ao Titanic

29.05.2024 21:30 3 minutos de leitura
Visualizar

Moraes libera últimos dois presos da cúpula da PMDF do 8/1

Visualizar

Robô frequenta escola no lugar de menino doente. Veja vídeo

Visualizar

Jaguatirica morre atropelada na SP-123

Visualizar

Chegou o imposto ‘do bem’

Visualizar

Enchentes em Porto Alegre: Estapar nega ressarcimento a veículos

Visualizar

Tags relacionadas

Arquidiocese de Curitiba Cynthia Glowacki Ferreira Igreja Católica Renato de Almeida Freitas
< Notícia Anterior

ACM Neto elogia Leite por permanência no PSDB: "Homem público coerente"

29.03.2022 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

Lula compara Petrobras a Jesus Cristo

29.03.2022 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Diego Amorim

Se formou em jornalismo pela UnB. Trabalhou no Blog do Noblat e no Correio Braziliense. Gosta da notícia e dos bastidores dela em qualquer área. Entre outros prêmios, ganhou duas vezes o Esso de Informação Econômica e duas vezes o Embratel. Está em O Antagonista desde abril de 2016, quando se juntou à equipe para a cobertura do impeachment de Dilma Rousseff. Desde então, não tem dado sossego a políticos de todos os partidos em Brasília. É chefe de redação de O Antagonista em Brasília.

Suas redes

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (0)

Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

Urgente: Ponte na BR-116 em Caxias cai após tremores

Urgente: Ponte na BR-116 em Caxias cai após tremores

13.05.2024 07:14 2 minutos de leitura
Visualizar notícia
Flórida vai proibir menores de 14 anos nas redes sociais

Flórida vai proibir menores de 14 anos nas redes sociais

Alexandre Borges
26.03.2024 06:00 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Saiba quais situações seria possível a extinção dos seus direitos

Saiba quais situações seria possível a extinção dos seus direitos

26.01.2024 23:00 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Alexandre Borges na Crusoé: “Em defesa dos ‘paulistes safades’”

Alexandre Borges na Crusoé: “Em defesa dos ‘paulistes safades’”

Alexandre Borges
26.01.2024 12:03 2 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.