A sabatina de um amigo meu A sabatina de um amigo meu
O Antagonista

A sabatina de um amigo meu

avatar
Claudio Dantas
3 minutos de leitura 25.08.2022 22:51 comentários
Opinião

A sabatina de um amigo meu

Lula não alcançou, como queria, a audiência de Jair Bolsonaro na sabatina do Jornal Nacional. Como mostramos mais cedo, para o PT "não existe comício que atinja 40 milhões de pessoas ao mesmo tempo, como o programa é capaz de fazer". Caso a entrevista não ajude a reduzir sua rejeição nas pesquisas, o petista deverá rever sua decisão de não comparecer aos debates...

avatar
Claudio Dantas
3 minutos de leitura 25.08.2022 22:51 comentários 0
A sabatina de um amigo meu
Reprodução: Tv Globo

Lula não alcançou, como queria, a audiência de Jair Bolsonaro na sabatina do Jornal Nacional. Como mostramos mais cedo, para o PT “não existe comício que atinja 40 milhões de pessoas ao mesmo tempo, como o programa é capaz de fazer”. Caso a entrevista não ajude a reduzir sua rejeição nas pesquisas, o petista deverá rever sua decisão de não comparecer aos debates.

Nesta reta final, em que a diferença em relação a Jair Bolsonaro se estreita, o ainda líder nas pesquisas não pode se dar ao luxo de permanecer dentro da bolha. 

Mas vamos ao que interessa.

Sobre a sabatina em si, Lula foi previsível. Manteve o tom apelativo de entrevistas anteriores, colocando-se como vítima de um improvável conluio judicial (“fui massacrado por 5 anos”) que envolveu 4 instâncias do Judiciário, da base à cúpula do Ministério Público e centenas de policiais e auditores.

O tema “Lava Jato” consumiu meia dúzia de perguntas de William Bonner e Renata Vasconcellos, que, apesar da insistência no assunto, se mantiveram na superfície do esquema de corrupção capitaneado pelo petista, sem explorar as contradições do candidato.

O tom mais suave dos apresentadores (“O Supremo te deu razão”) deixou o clima mais ameno, permitindo a Lula usar o JN como palanque e mentir como nunca antes na história deste país — sem ser desmentido, diga-se.

Em resumo, Lula vendeu pela enésima vez a ideia surrada de que a corrupção em seu governo foi investigada e que nunca teve nada a ver com as indicações dos corruptos que dilapidaram a Petrobras ou com a compra de apoio no Congresso e tantos outros escândalos (Satiagraha, Castelo de Areia etc.), investigados sim e enterrados também.

Fiquei com a impressão de que o governo de Lula não foi de Lula, pelo menos a parte ruim. Foi de um amigo, provavelmente, como nos casos do triplex e do sítio de Atibaia.

Seguindo essa lógica, não haveria razão para atribuir a ele o bom período econômico vivido na época do boom das commodities, o lucro recorde dos bancos, o Bolsa Família, a queda do desemprego e até a onda de consumo que deixou a ilusão de uma nova classe média.

O ex-presidente também nunca poderia ser responsabilizado pela recessão decorrente do abandono do tripé macroeconômico e da contabilidade criativa de sua pupila. Talvez isso tenha acontecido em outro Brasil, não no Brasil de Lula, onde mulher não apanha e a imprensa deve ser livre — regulação é coisa do amigo.

O Lula da sabatina do JN também nunca estimulou a polarização política.

Na verdade, o “nós contra eles” seria apenas uma coisa boba de “torcida organizada”, mas sem a violência. Afinal, na política é preciso tratar o outro como adversário, nunca como inimigo. A polarização é até uma coisa boa, existe em toda parte, menos “no Partido Comunista Chinês e no Partido Comunista Cubano”.

Ah, sim. O MST do Lula, segundo ele mesmo, nunca invadiu uma terra produtiva na vida. Deve ter sido outro.

Mundo

China intensifica exercícios militares no segundo dia em Taiwan

23.05.2024 23:23 3 minutos de leitura
Visualizar

Noruega restringe turistas russos

Visualizar

BARK Air revoluciona viagens aéreas de luxo para cães

Visualizar

Bandido atropelado por Lamborghini devolve o Rolex

Visualizar

Brasileiros perdem R$2,7 Bi em golpes de veículos online em 2023

Visualizar

Tragédia no Everest: Alpinista queniano morre próximo ao cume

Visualizar

Tags relacionadas

eleições 2022 Lula no JN
< Notícia Anterior

REACT: Sabatina de Lula ao JN - Claudio Dantas e Deltan Dallagnol comentam

25.08.2022 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

Crusoé: a desproporção

26.08.2022 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Claudio Dantas

Claudio Dantas é diretor-geral de Jornalismo de O Antagonista. Com mais de duas décadas cobrindo o poder, já atuou nas redações de EFE, Correio Braziliense, Folha de S. Paulo e IstoÉ. Ganhou os prêmios Esso, Embratel e Direitos Humanos. Está entre os jornalistas mais influentes do Twitter e venceu três vezes o iBest de melhor veículo de política.

Suas redes

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (0)

Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

Novo recorde? Três processos da Lava Jato são extintos num único dia

Novo recorde? Três processos da Lava Jato são extintos num único dia

Madeleine Lacsko
23.05.2024 20:07 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
TSE surpreende e absolve Moro: o que terá acontecido?

TSE surpreende e absolve Moro: o que terá acontecido?

Madeleine Lacsko
22.05.2024 17:34 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Moraes só quer liberdade para feticídio e linguagem neutra

Moraes só quer liberdade para feticídio e linguagem neutra

Catarina Rochamonte
21.05.2024 07:11 4 minutos de leitura
Visualizar notícia
Lula lamenta, mas iranianos comemoram a morte do “açougueiro de Teerã”

Lula lamenta, mas iranianos comemoram a morte do “açougueiro de Teerã”

Madeleine Lacsko
20.05.2024 18:59 3 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.