Reitora pressionada a renunciar após relativizar antissemitismo Reitora pressionada a renunciar após relativizar antissemitismo
O Antagonista

Reitora pressionada a renunciar após escândalo sobre antissemitismo

avatar
Alexandre Borges
3 minutos de leitura 08.12.2023 06:47 comentários
Mundo

Reitora pressionada a renunciar após escândalo sobre antissemitismo

A presidente da Universidade da Pensilvânia (UPenn), Liz Magill, está enfrentando intensas críticas e pedidos de demissão devido ao seu controverso depoimento sobre o antissemitismo em uma audiência do Congresso. O Conselho de Consultores da Wharton School, que inclui líderes empresariais proeminentes, exigiu uma mudança imediata na liderança da universidade...

avatar
Alexandre Borges
3 minutos de leitura 08.12.2023 06:47 comentários 0
Reitora pressionada a renunciar após escândalo sobre antissemitismo
Foto: Reprodução/X

A presidente da Universidade da Pensilvânia (Penn), Elizabeth “Liz” Magill, está sob fogo cruzado após seu depoimento desastroso sobre antissemitismo no campus numa audiência do Congresso americano na terça-feira, 5. O episódio desencadeou uma torrente de pedidos de renúncia e intensas críticas da comunidade acadêmica, conselheiros e doadores.

Durante a audiência, Magill foi questionada sobre a posição da universidade em relação a manifestações com palavras de ordem pedindo genocídio dos judeus. Sua resposta, ambígua, evasiva e insatisfatória, provocou reações imediatas. Ela tentou esclarecer suas declarações no dia seguinte, mas mesmo no vídeo divulgado posteriormente nas redes sociais foi incapaz de se desculpar explicitamente.

O Conselho de Consultores da Wharton School, composto por líderes empresariais renomados e ex-alunos da Penn, expressou profunda preocupação com a “cultura perigosa e tóxica” no campus, atribuída à permissividade da liderança da universidade. O conselho solicitou a renúncia imediata de Magill.

Ross Stevens, um importante doador da Penn, ameaçou cancelar uma doação de 100 milhões de dólares para a universidade caso Liz Magill não seja destituída do cargo. Ela foi mantida na presidência após uma reunião de emergência da diretoria nesta quinta, 7, o que gerou uma rebelião que está apenas começando.

Além da Penn, Harvard e MIT também estão sob investigação de um comitê da Câmara dos Deputados dos EUA. A presidente do comitê, Virginia Foxx, classificou o depoimento como “absolutamente inaceitável” e expressou preocupações sérias com a falha das instituições em assegurar um ambiente seguro para estudantes judeus.

As três responsáveis por algumas das mais importantes universidades americanas chocaram o mundo na audiência ao se recusarem a classificar, de forma clara e categórica, que pedidos de “genocídio de judeus” ou de uma nova “intifada” (“revolta”, em árabe) fossem classificados como “assédio” e passíveis de investigação e punição.

Elas presidem instituições obcecadas com conceitos subjetivos e imprecisos como “microagressões”“preconceito inconsciente” e “gatilhos emocionais”, regularmente usados para instrumentalizar patrulhas ideológicas e o cerceamento da liberdade de expressão, mas quando as vítimas são judeus, o discurso de ódio é relativizado, “precisa de contexto” e só deve ser cerceado se “virar ação”.

As reitoras protagonizaram um desastre de relações públicas que atinge diretamente a imagem das suas universidades, causando críticas generalizadas de todos os lados. Até o governador democrata da Pensilvânia, Josh Shapiro, disse que a resposta de Elizabeth Magill, reitora da Penn, foi “inaceitável”. Magill foi às redes sociais ontem se retratar, mas o estrago estava feito.

“É inacreditável que isso precise ser dito: gritos pedindo genocídio são monstruosos e contra tudo o que representamos como país”, disse o porta-voz da Casa Branca, Andrew Bates.

Leia mais:

O antissemitismo e a ideologia de Greta Thunberg

Esportes

VITÓRIA X ATLÉTICO-MG: confira horário e onde assistir ao Brasileirão 

20.06.2024 13:40 2 minutos de leitura
Visualizar

Estreia o Café Antagonista: A fantástica locadora de vídeos

Visualizar

Drones com explosivos artesanais na Colômbia

Visualizar

Mega apreensão: 1,6 toneladas de drogas escondidas em petróleo

Visualizar

Maria do Rosário lidera em Porto Alegre sem sujar os sapatos?

Visualizar

PT fez 15 anos de "desreformas", diz ex-presidente do BNDES

Visualizar

Tags relacionadas

antissemitismo Hamas Harvard Israel MIT Penn
< Notícia Anterior

Esquerda golpista tem salvo-conduto?

07.12.2023 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

Cinco Minutos: A semana não acabou em Brasília

08.12.2023 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Alexandre Borges

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (0)

Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

Guarda Costeira da China ataca barco das Filipinas

Guarda Costeira da China ataca barco das Filipinas

20.06.2024 13:14 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Tragédia: Bebida tóxica mata dezenas na Índia

Tragédia: Bebida tóxica mata dezenas na Índia

20.06.2024 12:39 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Rússia e Vietnã: Parceria estratégica para dominar a Ásia-Pacífico

Rússia e Vietnã: Parceria estratégica para dominar a Ásia-Pacífico

20.06.2024 12:25 2 minutos de leitura
Visualizar notícia
Calor extremo mata mais de 1000 peregrinos em Meca

Calor extremo mata mais de 1000 peregrinos em Meca

20.06.2024 12:24 2 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.