Protestos podem "elevar preço" dos reféns Protestos podem "elevar preço" dos reféns
O Antagonista

Protestos podem “elevar preço” dos reféns

avatar
Redação O Antagonista
3 minutos de leitura 02.04.2024 12:49 comentários
Mundo

Protestos podem “elevar preço” dos reféns

Mordechai Kedar, especialista em Oriente Médio, explica o impacto das manifestações israelenses na percepção árabe e as consequências para os reféns

avatar
Redação O Antagonista
3 minutos de leitura 02.04.2024 12:49 comentários 0
Protestos podem “elevar preço” dos reféns
Dr. Mordechai Kedar

Em entrevista à Israel National News. o especialista em Oriente Médio, Dr. Mordechai Kedar, analisou as recentes manifestações em Israel e seu impacto nas negociações de reféns.

Kedar argumentou que, embora muitos acreditem que os protestos sejam em apoio às famílias dos reféns, na verdade, podem estar inadvertidamente “elevando o preço” exigido pelos sequestradores.

Ele observou que os protestos atraem imediata atenção do mundo árabe, com emissoras regionais retransmitindo as manifestações ao vivo. Essa visibilidade, segundo ele, é usada estrategicamente para demonstrar instabilidade interna em Israel, reforçando a narrativa de que a sociedade está se dividindo. “Eles estão mais do que seguros de que os israelenses acabarão por se destruir através destas demonstrações”, destacou Kedar.

Sobre o impacto direto nos reféns, Kedar destacou que apenas uma fração das famílias dos reféns realmente participou dos protestos. A grande maioria entende que aumentar a visibilidade e o caos nas ruas apenas serve para elevar as demandas dos sequestradores, tornando as negociações ainda mais desafiadoras para Israel.

Além disso, Kedar refletiu sobre as dificuldades de lidar com terroristas: “com o Hamas, você não pode jogar jogos. Aqui você tem que ser decisivo ao máximo”, afirmou.

A “Lei da Al Jazeera”

O parlamento de Israel, conhecido como Knesset, aprovou uma legislação nesta segunda-feira, 1, apelidada de “Lei da Al Jazeera”, autorizando o governo a suspender temporariamente as atividades de emissoras estrangeiras no país se forem consideradas uma ameaça à segurança nacional.

A decisão, que passou com 71 votos a favor e 10 contra nas leituras finais, foca especialmente na Al Jazeera, a emissora estatal do Qatar, uma monarquia absolutista islâmica.

A aprovação desta lei ocorre em um contexto de críticas prolongadas à cobertura da Al Jazeera por parte de Israel, que acusa a emissora de favorecer o Hamas e comprometer a segurança das Forças de Defesa de Israel em Gaza. Anteriormente, o governo israelense havia evitado medidas diretas contra a Al Jazeera, optando por fechar as transmissões de um canal libanês pró-Irã em uma ação separada sob regulamentações emergenciais de mídia.

Shlomo Karhi, ministro das comunicações e membro do partido Likud do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, anunciou logo após a votação que a subsidiária da Al Jazeera em Israel seria fechada em breve, declarando: “não haverá liberdade de expressão para os porta-vozes do Hamas em Israel”. Ele destacou a importância da lei como um mecanismo contra o abuso da liberdade de imprensa para prejudicar a segurança de Israel e incitar ao terrorismo.

A legislação gerou controvérsias internacionais, inclusive com críticas vindas dos Estados Unidos. A secretária de imprensa da Casa Branca, Karine Jean-Pierre, expressou preocupações sobre a medida, ressaltando o compromisso dos EUA com a liberdade de imprensa e o papel vital dos jornalistas na cobertura de conflitos globais, incluindo o de Gaza.

A “Lei da Al Jazeera” outorga ao primeiro-ministro e ao ministro das Comunicações o poder de ordenar o encerramento de emissoras estrangeiras que atuem no território israelense e de apreender seus equipamentos, caso sejam vistos como prejudiciais à segurança do Estado.

Esportes

Botafogo vence o Universitario pela Libertadores com golaço de Luiz Henrique

24.04.2024 22:15 3 minutos de leitura
Visualizar

Flamengo na Libertadores: Tite faz mudanças de última hora na escalação

Visualizar

O cinismo de André Janones sobre rachadinha

Visualizar

PC-RJ indicia suspeitos por assassinato de advogado a queima roupa

Visualizar

20 toneladas de queijo sao apreendidas em Minas Gerais

Visualizar

Ludmilla ganha relógio de luxo de Brunna no aniversário de 29 Anos

Visualizar

< Notícia Anterior

Crusoé: Troca de ministros agrava crise no Peru

02.04.2024 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

Logo o dono do Botafogo para cobrar lógica no futebol?

02.04.2024 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Redação O Antagonista

Suas redes

Instagram

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (0)

Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

Reino Unido e Alemanha assinam acordo de defesa

Reino Unido e Alemanha assinam acordo de defesa

24.04.2024 20:46 4 minutos de leitura
Visualizar notícia
Coreia do Norte amplia força militar desafiando EUA

Coreia do Norte amplia força militar desafiando EUA

24.04.2024 20:14 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
CEO do TikTok espera derrubar proibição dos EUA

CEO do TikTok espera derrubar proibição dos EUA

24.04.2024 19:52 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Meta enfrenta queda de ações após apostar pesado em IA

Meta enfrenta queda de ações após apostar pesado em IA

24.04.2024 19:42 3 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.