Guerra civil pode levar Sudão ao colapso. Veja consequências Guerra civil pode levar Sudão ao colapso. Veja consequências
O Antagonista

Guerra civil pode levar Sudão ao colapso. Veja consequências

avatar
Redação O Antagonista
4 minutos de leitura 06.06.2024 10:30 comentários
Mundo

Guerra civil pode levar Sudão ao colapso. Veja consequências

“Estamos falando de algo 10 vezes maior que a crise da Líbia”, disse Cameron Hudson, especialista em política dos EUA para África. “Podemos dar adeus às perspectivas de controlar o fluxo ilegal de drogas, armas, migrantes e combatentes em regiões instáveis de África se o Sudão entrar em colapso”

avatar
Redação O Antagonista
4 minutos de leitura 06.06.2024 10:30 comentários 0
Guerra civil pode levar Sudão ao colapso. Veja consequências
Reprodução/X

Um alto funcionário dos EUA na África alerta que a guerra civil do Sudão pode evoluir para um conflito regional total ou para um Estado falido, na ausência de um acordo de paz duradouro e de um caminho para uma transição política para um governo liderado por civis.

Tom Perriello, enviado especial dos EUA para o Sudão, alertou sobre “a velocidade com que este conflito poderia passar de uma guerra de dois lados para uma guerra de sete ou oito lados, onde os países vizinhos seriam envolvidos.”

Perriello pintou um quadro terrível do estado atual da guerra civil no Sudão entre as Forças Armadas Sudanesas (SAF) e um grupo de milícias conhecido como Forças de Apoio Rápido (RSF), que empurrou o país à beira do colapso humanitário e da fome depois de um ano de guerra.

Analistas sudaneses e especialistas externos há muito alertam que a guerra está sendo largamente ignorada pelo mundo, na medida em que os conflitos em Gaza e na Ucrânia a ofuscam. Mas os comentários de Perriello oferecem alguns dos avisos mais severos já feitos por autoridades ocidentais sobre as consequências geopolíticas a longo prazo que poderão resultar se a guerra civil no Sudão se prolongar.

Quais as consequências do colapso do Sudão?

As consequências do colapso do Sudão num Estado falido seriam de grande alcance. O conflito na vizinha Líbia, com uma população de mais de 6 milhões de habitantes, teve efeitos de grande alcance no fluxo de combatentes extremistas e de armas para outras partes do continente, incluindo a região do Sahel, e grandes impactos no fluxo de refugiados que tentavam atravessar para a Europa.

O Sudão tem uma população de cerca de 50 milhões de habitantes, em comparação, e a sua instabilidade poderá facilmente repercutir nos países vizinhos que já enfrentam instabilidade crônica, como o Sudão do Sul, o Chade e a República Centro-Africana.

Estamos falando de algo 10 vezes maior que a crise da Líbia”, disse Cameron Hudson, especialista em política dos EUA para África no Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais. “Podemos dar adeus às perspectivas de controlar o fluxo ilegal de drogas, armas, migrantes e combatentes em regiões instáveis de África se o Sudão entrar em colapso”, acrescentou. “Há enormes consequências para nós ignorarmos o Sudão ou errarmos, algo de que muitas pessoas não estão totalmente conscientes.

No início da década de 1990, sob o então ditador Omar al-Bashir, o Sudão serviu de refúgio para Osama bin Laden, que usou a sua base ali para transformar a Al Qaeda numa rede terrorista global antes dos ataques de 11 de Setembro.

O Hamas, o Hezbollah e outros grupos militantes também estiveram ativos no país durante este período, desfrutando de refúgio seguro de Bashir, que se tinha aliado aos influentes islamitas do país para reforçar o poder após o seu golpe militar de 1989. Um Estado falido no Sudão poderia dar aos grupos terroristas uma nova posição na região.

“Acho que o povo sudanês está muito unido em não querer ver um Estado falido e em não querer ver extremistas islâmicos estabelecerem-se lá”, disse Perriello. “Mas há uma história disso, tendo sido um terreno fértil para esse tipo de terrorismo.”

O Sudão iniciou o que parecia ser um caminho promissor, embora tênue, em direção à democracia depois que Bashir foi deposto em 2019, após protestos em massa. Mas no final de 2021, o chefe das SAF, general Abdel Fattah al-Burhan, e o chefe das RSF, Mohamed Hamdan “Hemeti” Dagalo, tomaram conjuntamente o controle de um governo civil de transição num golpe de estado.

As relações entre os dois lados deterioraram-se constantemente à medida que ambas as facções rivais disputavam o poder até eclodirem em guerra em Abril de 2023

Brasil

Governo e bancada evangélica travam o PL dos cassinos na CCJ do Senado

Wesley Oliveira
12.06.2024 16:06 2 minutos de leitura
Visualizar

Atlético-MG pode ter 8 desfalques em jogo contra Palmeiras

Visualizar

Mercadante quer salvar Haddad com dividendos do BNDES

Rodrigo Oliveira Visualizar

CCJ da Câmara aprova PEC das Drogas

Wesley Oliveira Visualizar

Crusoé: Por que Putin mandou navios de guerra para Cuba

Visualizar

Ex-reféns e vizinhos confirmam “jornalista” como captor afiliado ao Hamas

Visualizar

Tags relacionadas

Sudão
< Notícia Anterior

FGTS: Saque-Aniversário 2024 e suas novidades

06.06.2024 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

Arroz estatal: Conab compra 263 mil toneladas em leilão

06.06.2024 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Redação O Antagonista

O Antagonista é um dos principais sites jornalísticos de informação e análise sobre política do Brasil. Sua equipe é composta por jornalistas profissionais, empenhados na divulgação de fatos de interesse público devidamente verificados e no combate às fake news.

Suas redes

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (0)

Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

Crusoé: Por que Putin mandou navios de guerra para Cuba

Crusoé: Por que Putin mandou navios de guerra para Cuba

12.06.2024 15:39 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Ex-reféns e vizinhos confirmam “jornalista” como captor afiliado ao Hamas

Ex-reféns e vizinhos confirmam “jornalista” como captor afiliado ao Hamas

12.06.2024 15:32 4 minutos de leitura
Visualizar notícia
Hamas rejeitou libertação de reféns, diz gabinete de Netanyahu

Hamas rejeitou libertação de reféns, diz gabinete de Netanyahu

12.06.2024 15:04 2 minutos de leitura
Visualizar notícia
Acidente de barco deixa mais de 80 mortos no Congo

Acidente de barco deixa mais de 80 mortos no Congo

12.06.2024 14:08 3 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.