O Antagonista

Novo ministro da Secom entra na mira da Câmara após megalicitação

avatar
Wilson Lima
3 minutos de leitura 10.07.2024 06:30 comentários
Brasil

Novo ministro da Secom entra na mira da Câmara após megalicitação

Em parecer preliminar, a área técnica do Tribunal de Contas da União (TCU) apontou indícios de irregularidades no certame de R$ 197 milhões

avatar
Wilson Lima
3 minutos de leitura 10.07.2024 06:30 comentários 1
Novo ministro da Secom entra na mira da Câmara após megalicitação
Foto: Paulo Sergio/Câmara dos Deputados

O deputado federal Evair de Melo (PP-ES, foto) apresentou um requerimento de convocação do novo ministro da Secom, Laércio Portela, no plenário da Câmara para que ele dê explicações sobre indícios de irregularidades na megalicitação promovida pela Secom este ano no valor de R$ 197 milhões.

Como mostramos, o resultado da licitação foi adiantado por este site. A área técnica do Tribunal de Contas da União (TCU) viu indícios de irregularidades no certame.

“Com efeito, não há dúvida de que houve direcionamento dos vencedores da megalicitação de R$ 197 milhões realizada em abril pela Secom para a gestão das redes sociais do governo Lula. O relatório produzido por técnicos do Tribunal de Contas da União aponta graves indícios de irregularidade no certame promovido pela Secretaria de Comunicação do governo Lula”, diz o deputado no pedido de convocação.

“Foi tão escancarado o escândalo que parlamentares da oposição entraram com representações no TCU. São centenas de milhões de reais gastos em um processo que, ao que tudo indica, já tinha seus vencedores definidos”, acrescentou o deputado.

Em parecer preliminar, a área técnica do Tribunal de Contas da União (TCU) apontou indícios de irregularidades na megalicitação de R$ 197 milhões feitas pela Secom do governo Lula para contratação de empresas em assessoria em comunicação e gestão de redes sociais do governo Lula.

No parecer obtido com exclusividade por O Antagonista, os auditores do TCU identificaram elementos que levantam a tese de que houve vazamento antecipado do certame, o que pode indicar, segundo os auditores, a possibilidade de direcionamento do procedimento licitatório.

A investigação chegou ao TCU por meio de representações instauradas por parlamentares do Novo e por integrantes da oposição como os senadores Flávio Bolsonaro (PL-RJ), Rogério Marinho (PL-RN) e o deputado Gustavo Gayer (PL-MG). O caso, neste momento, está nas mãos do ministro Aroldo Cedraz.

O resultado da megalicitação foi antecipado por O Antagonista em 23 de abril, um dia antes de ela ter sido realizada por meio de uma mensagem cifrada no X – antigo Twitter (post abaixo). As quatro primeiras colocadas do certame foram justamente aquelas adiantadas por este site: Moringa, BR Mais Comunicação, Área Comunicação e Usina Digital. A Moringa teve 91,34 pontos; a BR 91,17 pontos, a Area 89 pontos e Usina 88,16 pontos. 

Depois que o resultado foi divulgado, a Moringa e a Área Digital foram desqualificadas por falhas documentais.

Na época da licitação, a Secom era comandada por Paulo Pimenta (foto).

Entretanto, de acordo com o que determina a Lei 12.232/2010, que dispõe sobre “normas gerais para licitação e contratação pela administração pública de serviços de publicidade prestados por intermédio de agências de propaganda”, mesmo diante da contratação de empresas pelo critério de “melhor técnica”, a abertura dos envelopes com as propostas deveria ocorrer apenas no dia da licitação, e não antes.

Mais Lidas

1

Filmes novos vs filmes antigos 

Visualizar notícia
2

Celso Amorim toma invertidas, nos EUA, ao relativizar ditaduras

Visualizar notícia
3

Que tal taxar os memes de Haddad?

Visualizar notícia
4

Michelle Bolsonaro aciona STF contra Gleisi Hoffmann

Visualizar notícia
5

Israel bombardeia porto no Iêmen após ataque em Tel Aviv

Visualizar notícia
6

Trump promete a Zelensky “acabar com a guerra”

Visualizar notícia
7

Memes sobre Haddad e intolerância ao contraditório

Visualizar notícia
8

Zema vê Tarcísio como “nome mais forte” da direita para 2026

Visualizar notícia
9

Idosa é presa por ser stalker de policial

Visualizar notícia
10

"O que Roger Scruton pode ensinar a Keir Starmer"

Visualizar notícia

Tags relacionadas

campanha publicitária Evair de Mello Secom
< Notícia Anterior

"Não acho que ele consiga servir mais quatro anos"

10.07.2024 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

UFC abre 122 vagas em Concurso para área administrativa: Aproveite a oportunidade!

10.07.2024 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Wilson Lima

Wilson Lima é jornalista formado pela Universidade Federal do Maranhão. Trabalhou em veículos como Agência Estado, Portal iG, Congresso em Foco, Gazeta do Povo e IstoÉ. Acompanha o poder em Brasília desde 2012, tendo participado das coberturas do julgamento do mensalão, da operação Lava Jato e do impeachment de Dilma Rousseff. Em 2019, revelou a compra de lagostas por ministros do STF.

Suas redes

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (1)

Gastão Eduardo Carvalho

2024-07-10 07:09:13

Corrupção, corrupção e mais corrupção. O que esperar de um governo com um presidente corruPTo?


Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

Lei do banheiro unissex é anulada pela justiça

Lei do banheiro unissex é anulada pela justiça

20.07.2024 19:16 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Cavalo Caramelo resgatado no RS se recupera rapidamente

Cavalo Caramelo resgatado no RS se recupera rapidamente

20.07.2024 19:00 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Fiat Strada lidera vendas na primeira quinzena de julho de 2024

Fiat Strada lidera vendas na primeira quinzena de julho de 2024

20.07.2024 18:37 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Dicas valiosas de nutrição e exercícios para ganho de massa muscular

Dicas valiosas de nutrição e exercícios para ganho de massa muscular

20.07.2024 18:17 3 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.