O Antagonista

“Essa odiosa obsessão tem nome”

avatar
Alexandre Borges
3 minutos de leitura 07.02.2024 16:03 comentários
Brasil

“Essa odiosa obsessão tem nome”

StandWithUs Brasil classifica de "perseguição" o pedido de afastamento dos magistrados que visitaram Israel

avatar
Alexandre Borges
3 minutos de leitura 07.02.2024 16:03 comentários 1
“Essa odiosa obsessão tem nome”
André Lajst Presidente Executivo StandWithUs Brasil

Um grupo de juristas ligado ao Coletivo Advogadas e Advogados pela Democracia protocolou junto ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) uma representação pedindo o afastamento de magistrados brasileiros que realizaram uma viagem a Israel.

A acusação do lobby palestino é de que a viagem teria sido financiada por entidades ligadas a Israel e poderia comprometer a imparcialidade dos magistrados em decisões relacionadas ao país.

A StandWithUs Brasil, por meio de uma carta aberta assinada pelo seu presidente executivo, André Lajst, respondeu que a representação “é um ato de perseguição política e difamação que não deveria ter cabimento no sistema democrático”.

Lajst defende que a viagem foi uma missão educacional e de intercâmbio jurídico, sem qualquer despesa pública, e que os magistrados não possuem envolvimento em processos judiciais relacionados a Israel, desqualificando a alegação de conflito de interesse.

A carta enfatiza ainda que a representação contra os magistrados se insere em um padrão mais amplo de assédio contra indivíduos que estabelecem qualquer forma de relação com Israel, denotando uma tendência preocupante de intolerância e obsessão discriminatória: “essa odiosa obsessão tem nome e todo o mundo sabe qual é”.

A StandWithUs Brasil reafirma a legitimidade da viagem dos magistrados, apontando para a necessidade de discernimento na avaliação de tais acusações, que, segundo a organização, carecem de fundamento e se alinham mais à perseguição política do que à preocupação legítima com a ética e a imparcialidade judicial.

Diz a nota da StandWithUs Brasil:

“A representação contra os magistrados é um ato de perseguição política e difamação que não deveria ter cabimento no sistema democrático. Esses magistrados viajaram a Israel a convite de duas reconhecidas instituições brasileiras, sem nenhuma despesa paga com dinheiro público, para participar de reuniões com magistrados, juristas, autoridades e representantes da sociedade civil de um país democrático que tem relações diplomáticas e de amizade com o Brasil desde a sua independência, em 1948. 

Por outro lado, destacamos que nenhum dos magistrados que viajaram a Israel participa em julgamento (como relator ou integrante de colegiado) de qualquer processo judicial que envolva qualquer matéria direta ou indiretamente relacionada a esse país; e que ainda que isso ocorresse, caberia ao próprio magistrado avaliar seu impedimento/suspeição para julgar.

Não há, portanto, qualquer ato ilícito, irregular ou reprovável; a viagem não foi em nada diferente de outras que magistrados, parlamentares ou membros do executivo fazem, com total normalidade e sem sofrerem críticas (muito menos pedidos de afastamento), a diferentes países do mundo. 

Contudo, infelizmente, o assédio, as ameaças, a difamação pública e a disseminação de boatos e suspeitas contra toda pessoa pública (políticos, músicos, artistas, professores, jornalistas ou qualquer outra pessoa influente na sociedade brasileira) que visite o único Estado judeu do mundo, em qualquer contexto e com qualquer finalidade, têm sido cada vez mais habituais nos últimos anos, desde muito antes do começo da guerra contra o Hamas. 

Essa odiosa obsessão tem nome e todo o mundo sabe qual é, independentemente das desculpas usadas em cada caso particular.

André Lajst
Presidente Executivo
StandWithUs Brasil”

Esportes

Craque Neto detona responsável pela eliminação do Corinthians: "maior culpado"

04.03.2024 23:00 2 minutos de leitura
Visualizar

Vasco acerta contratação do atacante Clayton Silva, de Portugal

Visualizar

Cuca concede primeira entrevista oficial como técnico do Athletico

Visualizar

Rafael Cardoso pede desculpas em caso de agressão contra idoso

Visualizar

Os brasileiros sabem da roubalheira

Visualizar

Amigo de Robinho é multado por tumultuar andamento do processo

Visualizar

Tags relacionadas

antissemitismo Hamas Israel
< Notícia Anterior

China revoluciona com primeiro satélite 6G

07.02.2024 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

Sérgio Cabral não sai da cabeça de Lula

07.02.2024 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Alexandre Borges

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (1)

Angelo Sanchez

2024-02-07 17:40:10

Um governo corrupto por natureza que chega ao poder, tem como lema sempre perseguir os seus inimigos políticos e acaba extrapolando para toda a sociedade, mais um combustível para alimentar uma revolta popular.


Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

Rafael Cardoso pede desculpas em caso de agressão contra idoso

Rafael Cardoso pede desculpas em caso de agressão contra idoso

04.03.2024 21:41 2 minutos de leitura
Visualizar notícia
iFood contesta fala de ministro de Lula: “Não é verdadeira”

iFood contesta fala de ministro de Lula: “Não é verdadeira”

04.03.2024 21:00 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Cabo da PM de Goiás é preso após atirar contra carro de policial no DF

Cabo da PM de Goiás é preso após atirar contra carro de policial no DF

04.03.2024 20:57 2 minutos de leitura
Visualizar notícia
Diplomata brasileiro morre em missão na Ruanda

Diplomata brasileiro morre em missão na Ruanda

04.03.2024 20:46 3 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.