O Antagonista

Após esnobar, governo avalia vacina japonesa contra dengue

avatar
Redação O Antagonista
4 minutos de leitura 07.12.2023 09:37 comentários
Brasil

Após esnobar, governo avalia vacina japonesa contra dengue

O Ministério da Saúde anunciou que vai abrir uma consulta pública sobre a proposta de incorporação da vacina contra a dengue ao Sistema Único de Saúde (SUS). A vacina em questão, chamada Qdenga, esnobada pelo governo Lula, já está em avaliação pela Comissão Nacional de Incorporações de Tecnologias no SUS (Conitec)...

avatar
Redação O Antagonista
4 minutos de leitura 07.12.2023 09:37 comentários 0
Após esnobar, governo avalia vacina japonesa contra dengue
Foto: Reprodução/Takeda

O Ministério da Saúde anunciou que vai abrir uma consulta pública sobre a proposta de incorporação da vacina contra a dengue ao Sistema Único de Saúde (SUS). A vacina em questão, chamada Qdenga, esnobada pelo governo Lula, já está em avaliação pela Comissão Nacional de Incorporações de Tecnologias no SUS (Conitec).

De acordo com o ministério, após uma reunião, realizada nesta quarta-feira, 6, levando em consideração o cenário epidemiológico, a comissão recomendou a incorporação do imunizante inicialmente para localidades e públicos prioritários, que serão definidos pelo Programa Nacional de Imunizações.

A definição dos grupos e das localidades levará em conta as regiões com maior incidência e transmissão da dengue, bem como as faixas etárias mais suscetíveis a complicações da doença. Além disso, a restrição de público também considera a capacidade de fornecimento de doses por parte da fabricante.

No entanto, a recomendação de incorporação feita pela Conitec está condicionada a uma proposta de redução de preço por parte da fabricante. Apesar do desconto inicialmente oferecido, o valor por dose, que é de R$ 170, ainda é considerado alto pelo governo federal. Esse preço é duas vezes maior do que o das vacinas mais caras já incluídas no programa.

A empresa japonesa Takeda Pharma, fabricante da vacina Qdenga, submeteu a demanda para avaliação da tecnologia. Segundo os dados avaliados pela comissão, a vacina apresentou uma eficácia geral de 84% na redução da hospitalização em casos de dengue.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) passou a recomendar a vacina contra a dengue desenvolvida pela farmacêutica japonesa Takeda, conhecida como Qdenga, em outubro deste ano. A decisão foi baseada nas análises do Grupo Consultivo Estratégico de Peritos em Imunização da OMS (SAGE).

A vacina Qdenga, também conhecida como TAK-003, foi aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em março para uso no Brasil em pessoas de 4 a 60 anos, independentemente de já terem sido infectadas pela dengue ou não. Desde julho, a vacina está disponível em clínicas particulares.

No entanto, o laboratório responsável solicitou ao Ministério da Saúde a inclusão da vacina no Sistema Único de Saúde (SUS). 

Em julho, o Ministério da Saúde disse que a vacina contra a dengue produzida pelo laboratório japonês Takeda, autorizada pela Anvisa, ainda precisava de análise e que ela pode demorar até um ano para ser incorporada ao sistema público.

O governo, em meio a recordes de casos da doença, preferiu priorizar uma vacina que está sendo produzida pelo Instituto Butantan desde 2009. O imunizante sequer teve a pesquisa finalizada e pode ser liberado pela Anvisa apenas em 2025.

Para definir uma estratégia nacional, o Ministério da Saúde questionou a quantidade de doses que poderia ser fornecida ao SUS. Segundo o laboratório, poderão ser entregues 8,5 milhões de doses no primeiro ano e um total acumulado de 50 milhões em cinco anos, o que impõe restrições no público a ser atendido.

A consulta pública

Todas as recomendações de incorporação de medicamentos e insumos feitas pela Conitec são submetidas à consulta pública por um período de 20 dias. No entanto, considerando a projeção epidemiológica para o próximo verão, com a possibilidade de aumento de casos de dengue, a consulta ficará aberta por apenas 10 dias.

Após esse período, as sugestões serão organizadas e avaliadas pela comissão, que emitirá uma recomendação final. Caso seja incorporada ao SUS, a vacina Qdenga deverá ser administrada em duas doses, com um intervalo de três meses entre elas.

Mais Lidas

1

"O melhor antídoto para a ideologia 'woke' é conhecer a verdade"

Visualizar notícia
2

Lula aplaudirá banho de sangue prometido por Maduro, diz Mourão

Visualizar notícia
3

Crusoé: Os crimes da areia

Visualizar notícia
4

Israel intercepta míssil lançado pelos Houthis no Iêmen

Visualizar notícia
5

Bolsonaro teve 6 encontros com suposto informante da Receita

Visualizar notícia
6

Crescem indícios de que chefe militar do Hamas foi morto, dizem FDI

Visualizar notícia
7

Correspondentes estrangeiros condenam ameaças de Maduro

Visualizar notícia
8

Lulopetismo faz do Brasil um anão diplomático cada vez menor

Visualizar notícia
9

Campanha de Trump já se prepara para Kamala Harris

Visualizar notícia
10

Pesquisas dão vantagem a Trump sobre Biden

Visualizar notícia

Tags relacionadas

Anvisa Conitec Dengue governo Lula Ministério da Saúde OMS vacina
< Notícia Anterior

Debate republicano: muito barulho por nada

07.12.2023 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

“Ninguém falou comigo”, diz Lewandowski sobre assumir ministério

07.12.2023 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Redação O Antagonista

Suas redes

Instagram

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (0)

Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

São Paulo registra 72 pontos de cracolândia

São Paulo registra 72 pontos de cracolândia

21.07.2024 14:15 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Mulher processa Gusttavo Lima após perder carro na enchente

Mulher processa Gusttavo Lima após perder carro na enchente

21.07.2024 13:56 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Lulopetismo faz do Brasil um anão diplomático cada vez menor

Lulopetismo faz do Brasil um anão diplomático cada vez menor

Ricardo Kertzman
21.07.2024 12:45 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Eleições em BH: Quanto pesa a influência de Bolsonaro, Lula, Zema, Aécio e Kalil

Eleições em BH: Quanto pesa a influência de Bolsonaro, Lula, Zema, Aécio e Kalil

Ricardo Kertzman
21.07.2024 12:26 5 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.