O Antagonista

Abin demite diretor adjunto

avatar
Redação O Antagonista
4 minutos de leitura 30.01.2024 19:49 comentários
Brasil

Abin demite diretor adjunto

Relatório do PF, obtido por O Antagonista, aponta possibilidade de "conluio" entre integrantes atuais da Abin e os investigados

avatar
Redação O Antagonista
4 minutos de leitura 30.01.2024 19:49 comentários 0
Abin demite diretor adjunto
Foto: GDF

O governo Lula demitiu o diretor adjunto da Abin, Alessandro Moretti, em reação aos últimos desdobramentos das investigações da Polícia Federal (PF) sobre a Abin paralela da gestão Bolsonaro.

A exoneração será publicada em edição extra do Diário Oficial da União nesta terça-feira, 30 de janeiro.

Relatório do PF enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF), obtido por O Antagonista nesta terça, aponta possibilidade de “conluio” entre integrantes atuais da Abin e os investigados.

“A preocupação de ‘exposição de documentos’ para segurança das operações de ‘inteligência’, em verdade, é o temor da progressão das investigações com a exposição das verdadeiras ações praticadas na estrutura paralela, anteriormente, existente na Abin”, acrescenta a PF.

Moretti, que estava no cargo desde março de 2023, assumiu a Inteligência do Abin entre março de 2022 e o fim do governo Bolsonaro.

Ele será substituído pelo diretor da Escola de Inteligência da Abin, Marco Cepik.

Operação contra Carluxo

O vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), o Carluxo, foi alvo de uma operação da Polícia Federal (PF) no âmbito das investigações sobre a Abin paralela nesta segunda-feira, 29.

Foram executados oito mandados de busca e apreensão no Rio de Janeiro, Brasília, Formosa e Salvador.

Além de Carluxo, a PF também executou buscas contra dois assessores parlamentares e um policial federal. Os assessores e o agente da PF são apontados como intermediários entre a Abin e o vereador.

Segundo apurou O Antagonista junto a policiais federais, há a suspeita de que alguns relatórios paralelos da Abin foram produzidos a pedido de Carluxo justamente para atacar adversários políticos com uma estrutura montada no Palácio do Planalto.

Operação contra Ramagem

Agentes da Polícia Federal estão cumpriu 21 mandados de busca e apreensão no âmbito de investigações do caso da Abin paralela em 25 de janeiro. Dentre os alvos, estava o ex-diretor da agência no governo Bolsonaro, Alexandre Ramagem (PL; foto).

Como noticiou O Antagonista quando a espionagem ilegal foi revelada, em março, a Abin na gestão Bolsonaro usou de ferramentas de geolocalização em dispositivos móveis, como celulares e tablets, sem a devida autorização judicial e sem o conhecimento dos alvos.

As buscas desta quinta estão sendo conduzidas tanto no gabinete de Ramagem quanto em seu apartamento funcional na Câmara dos Deputados, segundo a Globo News.

Até o momento, os nomes dos demais envolvidos não foram divulgados.

Dos 21 mandados de busca e apreensão desta quinta, 18 são em Brasília, um na cidade do Rio de Janeiro e dois no estado de Minas Gerais (Juiz de Fora e São João del Rei).

Além das buscas, a Polícia Federal está adotando medidas alternativas à prisão, incluindo a suspensão imediata de sete policiais federais supostamente envolvidos no monitoramento ilegal.

Primeira Milha

Essa operação, denominada ”Vigilância Aproximada”, é um desdobramento da operação ”Primeira Milha”, que teve início em outubro com o objetivo de investigar o suposto uso criminoso da ferramenta de espionagem por geolocalização, chamada ”FirstMile”.

As investigações da Polícia Federal apontaram que o software adquirido pelo governo utilizava dados de GPS para monitorar ilegalmente a localização de celulares de servidores públicos, políticos, policiais, advogados, jornalistas e até mesmo juízes.

Segundo a gestão da Abin do governo Lula, o programa foi adquirido no final do governo Temer, poucos dias antes da posse de Jair Bolsonaro, e foi utilizado até parte do terceiro ano de seu mandato.

Brasil

Câmara realiza sessão em alusão ao Dia das Doenças Raras

26.02.2024 15:21 2 minutos de leitura
Visualizar

Rui Costa avalia que fala de Bolsonaro foi "confissão de crimes praticados"

Wesley Oliveira Visualizar

TSE define regras para uso da inteligência artificial nas eleições

Visualizar

Grêmio confirma jogo da estreia de Diego Costa

Visualizar

Lula resolveu calar sobre Bolsonaro

Visualizar

“Espero que não leve política ao ofício de julgador”, diz Marco Aurélio sobre Dino

Visualizar

Tags relacionadas

ABIN Abin paralela
< Notícia Anterior

Sorocaba está à beira de uma epidemia com aumento de 67% dos casos

30.01.2024 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

Corpo de idosa desaparecida é encontrado em rio de correnteza forte em Além Paraíba

30.01.2024 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Redação O Antagonista

Suas redes

Instagram

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (0)

Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

Câmara realiza sessão em alusão ao Dia das Doenças Raras

Câmara realiza sessão em alusão ao Dia das Doenças Raras

26.02.2024 15:21 2 minutos de leitura
Visualizar notícia
Rui Costa avalia que fala de Bolsonaro foi "confissão de crimes praticados"

Rui Costa avalia que fala de Bolsonaro foi "confissão de crimes praticados"

Wesley Oliveira
26.02.2024 15:06 2 minutos de leitura
Visualizar notícia
TSE define regras para uso da inteligência artificial nas eleições

TSE define regras para uso da inteligência artificial nas eleições

26.02.2024 15:02 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Lula resolveu calar sobre Bolsonaro

Lula resolveu calar sobre Bolsonaro

26.02.2024 14:57 3 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.