PF investiga elo entre ‘gabinete do ódio’ e ‘Abin paralela’ PF investiga elo entre ‘gabinete do ódio’ e ‘Abin paralela’
O Antagonista

PF investiga elo entre ‘gabinete do ódio’ e ‘Abin paralela’

avatar
Wilson Lima
3 minutos de leitura 29.01.2024 09:25 comentários
Brasil

PF investiga elo entre ‘gabinete do ódio’ e ‘Abin paralela’

Suspeita da Polícia Federal é que Carlos Bolsonaro tenha solicitado informações da Abin para atacar adversários do governo federal

avatar
Wilson Lima
3 minutos de leitura 29.01.2024 09:25 comentários 0
PF investiga elo entre ‘gabinete do ódio’ e ‘Abin paralela’
Foto: Reprodução/ YouTube

A Polícia Federal investiga, neste desdobramento da operação Vigilância Aproximada, um possível elo entre o chamado “Gabinete do Ódio” e a estrutura da “Abin Paralela”, comandada pelo ex-diretor-geral da Agência Brasileira de Inteligência e deputado federal Alexandre Ramagem (PL-RJ).

Como mostramos mais cedo, o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos) é o principal alvo da PF na operação desencadeada nesta segunda-feira, 29. Foram executados oito mandados de busca e apreensão no Rio de Janeiro, Brasília, Formosa e Salvador.

Além de Carluxo, a PF também executou buscas contra dois assessores parlamentares e um policial federal. Os assessores e o agente da PF são apontados como intermediários entre a Abin e o vereador.

Segundo apurou O Antagonista junto a policiais federais, há a suspeita de que alguns relatórios paralelos da Abin foram produzidos a pedido do vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos) justamente para atacar adversários políticos com uma estrutura montada no Palácio do Planalto.

Tudo sem autorização judicial.

Chamou a atenção da PF o fato de que alguns relatórios miraram dois personagens que foram alvo de linchamento público nas redes sociais, por ações supostamente coordenadas pelo “Gabinete do Ódio”: o ex-presidente da Câmara Rodrigo Maia e a ex-deputada Joice Hasselmann.

Os dois foram espionados pela Abin e, em seguida, alvo tanto de Carlos Bolsonaro quanto de seus principais aliados.

Durante a operação Vigilância Aproximada, a Polícia Federal também detectou que alguns ministros do STF como Alexandre de Moraes e Gilmar Mendes foram alvo de notícias falsas. Segundo a PF, o grupo de Ramagem tentou vincular os magistrados ao PCC.

A suspeita da PF é que houve o mesmo modus operandi nos dois casos: a Abin produzia os relatórios, repassava o material para Carlos Bolsonaro e, em seguida, ele determinava as ações de linchamento virtual nas redes sociais.

Segundo a PF, a operação desta segunda-feira “busca avançar no núcleo político, identificando os principais destinatários e beneficiários das informações produzidas ilegalmente no âmbito da Abin, por meio de ações clandestinas.”

“Nessas ações eram utilizadas técnicas de investigação próprias das polícias judiciárias, sem, contudo, qualquer controle judicial ou do Ministério Público”, destaca a Polícia Federal.

A PF cumpriu mandados de busca e apreensão no gabinete de Carlos Bolsonaro na Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro, na residência dele, na capital fluminense, e em Angra dos Reis, onde ele passou o final de semana.

Mundo

Musk em guerra judicial por super pacote de remuneração

Alexandre Borges
25.04.2024 04:33 2 minutos de leitura
Visualizar

Athletico-PR vence o Danubio pela Sul-Americana e segue 100%

Visualizar

Botafogo vence o Universitario pela Libertadores com golaço de Luiz Henrique

Visualizar

Flamengo na Libertadores: Tite faz mudanças de última hora na escalação

Visualizar

O cinismo de André Janones sobre rachadinha

Visualizar

PC-RJ indicia suspeitos por assassinato de advogado a queima roupa

Visualizar

Tags relacionadas

Abin paralela Carlos Bolsonaro Jair Bolsonaro
< Notícia Anterior

Homem assassina ex-esposa e comete suicídio diante dos filhos no Rio Grande do Norte

29.01.2024 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

BC: paralisação de servidores atrasa divulgação do Boletim Focus

29.01.2024 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Wilson Lima

Wilson Lima é jornalista formado pela Universidade Federal do Maranhão. Trabalhou em veículos como Agência Estado, Portal iG, Congresso em Foco, Gazeta do Povo e IstoÉ. Acompanha o poder em Brasília desde 2012, tendo participado das coberturas do julgamento do mensalão, da operação Lava Jato e do impeachment de Dilma Rousseff. Em 2019, revelou a compra de lagostas por ministros do STF.

Suas redes

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (0)

Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

PC-RJ indicia suspeitos por assassinato de advogado a queima roupa

PC-RJ indicia suspeitos por assassinato de advogado a queima roupa

24.04.2024 20:56 2 minutos de leitura
Visualizar notícia
20 toneladas de queijo sao apreendidas em Minas Gerais

20 toneladas de queijo sao apreendidas em Minas Gerais

24.04.2024 20:51 2 minutos de leitura
Visualizar notícia
Ludmilla ganha relógio de luxo de Brunna no aniversário de 29 Anos

Ludmilla ganha relógio de luxo de Brunna no aniversário de 29 Anos

24.04.2024 20:47 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Suposto sobrinho de Marcola, do PCC, teria sido preso em operação no SC

Suposto sobrinho de Marcola, do PCC, teria sido preso em operação no SC

24.04.2024 20:24 3 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.