O Antagonista

Retorno do matemágico: o novo truque de Haddad

avatar
Rodrigo Oliveira
2 minutos de leitura 06.03.2024 10:29 comentários
Análise

Retorno do matemágico: o novo truque de Haddad

Ministro da Fazenda sabe que o contingenciamento vai ter que aumentar, mas fará aparecer dinheiro que sabe que não existe

avatar
Rodrigo Oliveira
2 minutos de leitura 06.03.2024 10:29 comentários 0
Retorno do matemágico: o novo truque de Haddad
Foto: Edilson Rodrigues/Senado Federal

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, saiu de mais uma reunião com parlamentares para tentar “explicar” — palavra que costuma usar como sinônimo de convencer — a deputados a necessidade das medidas de reoneração com um compromisso: não fazer nada ainda, mas parecer que está fazendo.

O encontro, realizado na terça-feira, 5, na casa do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), era a enésima tentativa do ministro de acabar com o Perse (Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos) e com o desconto na contribuição previdenciária de servidores de municípios de até 142 mil habitantes, como está na MP (Medida Provisória) em tramitação no Congresso Nacional.

Após a conversa, Haddad admitiu que não será possível aprovar o texto como está, mas combinou que deve deixar tudo com aparência de realidade para garantir um contingenciamento menor – interesse comum entre governo e parlamentares.

Complicado?

Parece complicado, mas não é. O truque consiste em manter a reoneração dessas matérias para que elas sejam contabilizadas no relatório bimestral de avaliação do Orçamento. Assim, o ganho de receita com a reoneração (que, já se sabe, não acontecerá na magnitude que está na MP sobre o assunto) conta para reduzir o contingenciamento.

O relatório de avaliação das contas do governo está marcado para ser divulgado até 22 de março. Antes disso, portanto, é improvável que a Fazenda encaminhe os Projetos de Lei que vão alterar o Perse e a contribuição previdenciária das pequenas prefeituras.

Em que pese, a promessa de o relatório sobre as contas públicas ser tão crível quanto um dos livros da saga de Harry Potter, a “beleza” do truque é consistente com as melhores práticas do ilusionismo: todos sabem que aquilo (neste caso, a receita) não existe, mas deixam se levar pela mágica.

Perse

Pelas contas da equipe econômica, o Perse custaria cerca de 13 bilhões reais no ano em renúncia fiscal. Portanto, na primeira avaliação, o governo pode contar esse volume como receita a receber para garantir um contingenciamento menor.

E assim o ex-violeiro Haddad, retorna, em ato magistral, ao ofício de matemágico oficial da República.

Mais Lidas

1

"Lula segue caminho de declínio", diz Economist

Visualizar notícia
2

De tanto patrulhar humorista, esquerda não consegue mais se defender dos memes

Visualizar notícia
3

Argentina e outros 4 países mostram a Brasil como lidar com Maduro

Visualizar notícia
4

Biden: “De que diabos Trump estava falando?”

Visualizar notícia
5

O apagão mundial explicado

Visualizar notícia
6

Como assessor de Lula traduz ameaças de Maduro

Visualizar notícia
7

Crusoé: Lula e a autodeterminação dos ditadores amigos

Visualizar notícia
8

O circo da eleição americana

Visualizar notícia
9

Brasileira em Israel fala de ataque a Tel Aviv

Visualizar notícia
10

Crusoé: os números atualizados da repressão a 10 dias das eleições na Venezuela

Visualizar notícia

Tags relacionadas

contingenciamento Meta fiscal Perse reoneração
< Notícia Anterior

Fugitivos de Mossoró são indiciados por rebelião no Acre

06.03.2024 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

Saque-Aniversário FGTS 2024: confira o cronograma oficial e como funciona

06.03.2024 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Rodrigo Oliveira

Jornalista pela UnB (Universidade de Brasília), pós-graduado em Marketing &amp; Mídias Digitais pela FGV (Fundação Getúlio Vargas) e especializado em finanças e negócios. É Analista de Valores Mobiliários (CNPI) certificado pela Apimec (Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais) com quatro anos de experiência profissional no mercado financeiro.

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (0)

Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

PT é bom em cobrar, mas ruim em pagar

PT é bom em cobrar, mas ruim em pagar

Ricardo Kertzman
19.07.2024 11:52 4 minutos de leitura
Visualizar notícia
Os inimigos dos memes

Os inimigos dos memes

19.07.2024 07:22 6 minutos de leitura
Visualizar notícia
Sobre os Bolsonaro, laranjas e laranjais

Sobre os Bolsonaro, laranjas e laranjais

Ricardo Kertzman
18.07.2024 15:59 4 minutos de leitura
Visualizar notícia
Lula é o rei do “machismo patriarcal” combatido pela esquerda

Lula é o rei do “machismo patriarcal” combatido pela esquerda

Ricardo Kertzman
18.07.2024 10:54 7 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.