Por que ninguém compra a Braskem? Pergunte à Petrobras Por que ninguém compra a Braskem? Pergunte à Petrobras
O Antagonista

Por que ninguém compra a Braskem? Pergunte à Petrobras

avatar
Carlos Graieb
3 minutos de leitura 08.05.2024 20:52 comentários
Análise

Por que ninguém compra a Braskem? Pergunte à Petrobras

Segundo o presidente da estatal, Jean Paul Prates, a estatal poderia "eventualmente" comprar a participação da Novonor, ex-Odebrecht, na petroquímica

avatar
Carlos Graieb
3 minutos de leitura 08.05.2024 20:52 comentários 4
Por que ninguém compra a Braskem? Pergunte à Petrobras
Foto Lula Marques/ Agência Brasil

O presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, afirmou nesta terça-feira, 7, que “não havendo um comprador”, a estatal pode adquirir a participação da Novonor, ex-Odebrecht, na petroquímica Braskem.

A declaração veio um dia depois de a Abu Dhabi National Oil Company (Adnoc) desistir de uma negociação iniciada em novembro do ano passado. Antes disso, o grupo J&F e a Unipar já haviam feito ofertas pela fatia da Novonor na companhia, que corresponde a 50,1% das ações. Essas propostas também foram abandonadas.

Se ao menos três empresas chegaram fazer ofertas de até 10,5 bilhões de reais, a ideia de “não haver compradores” não procede. É por algum outro motivo que o negócio não se concretiza.

A Petrobras é o obstáculo

O problema estaria no passivo da Braskem em Maceió, onde seus trabalhos de mineração causaram o afundamento do solo de cinco bairros? As indenizações devidas pela empresa chegaram ao montante de 14,4 bilhões de reais.

É improvável, porque esses fatos já eram conhecidos quando as propostas de compra foram apresentadas.

Há uma outra possibilidade: o obstáculo seria a própria Petrobras, que detém 36,1% do capital da Braskem. Ela ganha força diante das outras declarações de Prates na entrevista concedida à agência epbr.

Sócio “adequado”

Segundo o petista, a estatal poderia ampliar sua participação na Braskem até pelo menos 50% do capital, para estar em “igualdade de condições” com qualquer futuro sócio:

“Essa é a nossa chance de colocar no mínimo o co-controle da empresa, que é muito importante para nós, e na nossa visão de gestão atual, liderada inclusive pelo presidente Lula.”

A outra saída aceitável para a Petrobras seria encontrar um sócio “adequado”:

“Podemos obviamente assistir todo esse processo (de venda), participar dele, e não exercer a opção ao final em função do sócio ser adequado e das proporções e dos acordos serem satisfatórios para nós.”

Os bons companheiros

Deu para entender? Procura-se um sócio alinhado aos objetivos da própria Petrobras e do governo Lula. Um parceiro disposto a fazer da Braskem não apenas uma companhia rentável, mas também uma ferramenta no projeto político do PT e um playground para a companheirada sindicalista que exerce enorme influência na petrolífera.

A Novonor foi esse sócio por muito tempo. Aliás, só tenta se desfazer de sua participação na Braskem porque isso é indispensável para revitalizar o coração do grupo, que é a construtora.

A Petrobras salva a pele da Novonor se comprar o seu pedaço na Braskem. Ao mesmo tempo, garante o controle estatal sobre o setor petroquímico. Se vender mais tarde uma parte das ações, não se contentará em assegurar “no mínimo o co-controle da empresa”, como disse Prates.

Capitalismo deformado

Essa história desperta uma desagradável sensação déjà vu. A Petrobras parece querer de volta um mundo de empresas-comparsas. Como se o petrolão jamais tivesse acontecido.

Há muito que admirar na Petrobras. Sob o controle do petismo e da elite sindical aliada do partido, no entanto, ela ganha feições perversas, usando o seu peso para deformar o capitalismo brasileiro.

Leia também:

A volta da “companheirada” aos negócios

Brasil

Ciclone Extratropical chega ao Sul do Brasil trazendo mais chuvas

26.05.2024 23:28 3 minutos de leitura
Visualizar

Johnny Wactor de 'General Hospital' é morto em assalto em LA

Visualizar

Quais as músicas sertanejas já tocadas em novelas?

Visualizar

Volkswagen Saveiro 2025 estará ainda mais cara

Visualizar

Conheça os mascotes olímpicos dos últimos anos

Visualizar

Exercício físico ajuda no combate ao Alzheimer e a depressão

Visualizar

Tags relacionadas

Braskem Jean Paul Prates Novonor Odebrecht Petrobras
< Notícia Anterior

Operação antiterrorismo detém três na Inglaterra

08.05.2024 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

Chuvas no RS: governo Lula quer controlar narrativa

08.05.2024 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Carlos Graieb

Carlos Graieb é jornalista formado em Direito, editor sênior do portal O Antagonista e da revista Crusoé. Atuou em veículos como Estadão e Veja. Foi secretário de comunicação do Estado de São Paulo (2017-2018). Cursa a pós-graduação em Filosofia do Direito, da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP).

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (4)

Paulo Pires

2024-05-09 14:44:26

Banânia governada antes por Bostanaro e agora por Luladrão: a década perdida vai se tornar o século perdido!


Um_velho_na_janela

2024-05-09 09:37:22

O articulista faz lembrar com sua exposição bastante sugestiva as práticas administrativas da "cumpanheirada" no Petrolão e como a saudade dos milionários pixulecos e a demanda de coaxa 2 começam a dar o norte à estratégia empresarial da petroleira. É a volta ao passado...agora sem Lava Jato.


Andre Luis Dos Santos

2024-05-09 05:25:48

Socio adequado = sócio disposto a fazer falcatruas, especialmente disposto a pagar "pixulecos" pra certo ParTido


Gustavo Nascimento

2024-05-08 21:35:13

Governo do PT é o dia da marmota..


Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

A humilhação dos militares na enchente

A humilhação dos militares na enchente

Rodolfo Borges
25.05.2024 17:41 4 minutos de leitura
Visualizar notícia
Os maiores adversários para Lula em 2026

Os maiores adversários para Lula em 2026

Rodolfo Borges
24.05.2024 20:04 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Pimenta nos olhos do Congresso não é refresco

Pimenta nos olhos do Congresso não é refresco

Wilson Lima
24.05.2024 17:13 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Diplomacia sem valores nem resultados

Diplomacia sem valores nem resultados

Carlos Graieb
24.05.2024 16:04 3 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.