Lula e Bolsonaro se equivalem no discurso da “perseguição”   Lula e Bolsonaro se equivalem no discurso da “perseguição”  
O Antagonista

Lula e Bolsonaro se equivalem no discurso da “perseguição”  

avatar
Carlos Graieb
5 minutos de leitura 29.01.2024 18:43 comentários
Análise

Lula e Bolsonaro se equivalem no discurso da “perseguição”  

É patético sugerir que o Brasil está no rumo de uma ditadura — assim como não para de pé a tentativa de vitimizar Lula e o PT por tudo que a Lava Jato trouxe à luz

avatar
Carlos Graieb
5 minutos de leitura 29.01.2024 18:43 comentários 5
Lula e Bolsonaro se equivalem no discurso da “perseguição”  
Foto: Reprodução/YouTube

A deputada federal Julia Zanatta (PL-SC) reagiu à investigação sobre Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) deflagrada nesta segunda-feira, 29, dizendo que o país assiste a um “avanço ditatorial sem precedentes”.  

O bolsonarismo adotou essa cantilena desde que a Polícia Federal fez busca e apreensão no gabinete de Carlos Jordy (PL-RJ), líder oposição na Câmara dos Deputados, há cerca de dez dias. Ela também apareceu na quinta-feira, 25, quando o alvo das diligências foi o ex-diretor da Abin e também deputado federal Alexandre Ramagem (PL-RJ). 

Embora Jair Bolsonaro (foto) não tenha usado a palavra “ditadura”, ele também soou o alarme para aqueles que o seguem, sugerindo, em sua live de domingo, que a inabilitação eleitoral de Maria Corina Machado, principal opositora da Nicolás Maduro na Venezuela, é comparável à sua situação no Brasil.

Abuso de palavras

Esse é mais um dos abusos a que as palavras vêm sendo submetidas pela esquerda e pela direita no Brasil – e muitas vezes também pelo Judiciário, que entrou com gosto no jogo da discurseira política, atulhando com ela até mesmo suas sentenças e acórdãos. 

Os bolsonaristas querem fazer crer que todas as operações policiais desencadeadas nos últimos dias têm apenas o intuito de atingi-los, sem fatos graves para averiguar. Eles seriam alvos de uma ditadura em construção.  

Isso é balela, assim como o discurso de perseguição política adotado pelo PT em relação à Lava Jato. 

O financiamento do 8 de janeiro e o aparelho clandestino de espionagem aparentemente montado pelo bolsonarismo são tão graves quanto o petrolão, embora de natureza diversa. Todos foram métodos de subversão da democracia e por isso exigem apuração rigorosa.  

Se um trabalho policial bem executado leva às portas de parlamentares, paciência: mandatos políticos não podem servir de escudo para quem comete crimes. Ou, ao menos, essa deveria ser a regra. 

O trabalho da PF

A questão primordial é se as bases do trabalho da PF são sólidas. Refiro-me aos fatos inconvenientes que uma investigação competente é capaz de revelar. Coisas como a lista de propinas da Odebrecht. 

A investigação da PF sobre Jordy foi no mínimo descuidada. No mínimo. 

Uma das imagens utilizadas para fundamentar os pedidos de diligência nos endereços do deputado foi manipulada por um dos investigados. Ela o mostra em Brasília no dia 8 de janeiro, mas foi fácil demonstrar que ele não havia deixado sua casa no Rio. O sujeito quis parecer mais engajado do que era.  

Talvez ainda fique demonstrado que ele organizou caravanas de aloprados para invadir a Praça dos Três Poderes em parceria com Jordy. Neste momento, contudo, há uma sombra gigantesca sobre o trabalho da PF. 

É gravíssimo que ela tenha requerido a devassa no gabinete de um deputado federal, ainda mais líder da oposição, com base em uma foto falsa. É grave que um STF que hoje se diz tão atento aos procedimentos policiais não tenha puxado o freio assim que essa falha um tanto ridícula veio à tona.

‘Abin paralela’

A coisa é muito diferente em relação a Ramagem. A informação de que um sistema paralelo de inteligência estava sendo estruturado no governo Bolsonaro foi exposta há muito tempo pelo falecido Gustavo Bebianno, pouco depois de deixar um cargo central no Planalto, em 2020. Seria inconcebível deixá-la sem apuração.  

Nos últimos meses, a Polícia Federal levantou indícios sólidos de que um software de espionagem foi realmente utilizado de maneira ilegal por um time comandado por Alexandre Ramagem e coletou informações sobre uma lista extensa de desafetos da família Bolsonaro. 

Carluxo

Há menos sobre Carluxo. Tanto a manifestação da PGR quanto a decisão de Alexandre de Moraes justificando as diligências são breves. Dizem que a PF identificou indícios de que o filho do presidente chefiava o “núcleo político” do esquema de arapongagem, mas revelam apenas uma mensagem enviada por uma assessora de Carluxo a uma assessora de Ramagem, pedindo “ajuda” em relação a um inquérito. Os sistemas internos da PF, no entanto, demonstrariam que os dados sigilosos foram obtidos, conforme a encomenda.  

O balanço indica um inquérito mal feito, e possivelmente abusivo, e outro que parece estar no rastro de um desvio gravíssimo no uso do poder.  

Isso é motivo para indagar se a PF cumpre sua missão a contento e se está sendo manipulada politicamente.

Mas, com base apenas nessas evidências, é patético sugerir que o Brasil está no rumo de uma ditadura — assim como não para de pé a tentativa de vitimizar Lula e o PT por tudo que a Lava Jato trouxe à luz do dia.  

Brasil

Geadas previstas para os próximos dias no Sul do Brasil

16.04.2024 20:36 3 minutos de leitura
Visualizar

Estádio do Flamengo: sede da Gávea pode ajudar no financiamento

Visualizar

CNJ forma maioria e derruba afastamento de ex-juíza da Lava Jato

Visualizar

Uso de bicicletas em Paris ultrapassa uso de carros

Visualizar

EUA diz que China financia crise de fentanil americana

Visualizar

Gilmar Rinaldi x Neto: ex-goleiro expõe mágoa com apresentador

Visualizar

Tags relacionadas

Alexandre Ramagem Carlos Jordy Jair Bolsonaro Lula María Corina Machado Nicolás Maduro Polícia Federal
< Notícia Anterior

Itália investe 5,5 Bilhões de Euros para fortalecer laços com a África

29.01.2024 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

Gol vai ficar fora dos Estados Unidos

29.01.2024 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Carlos Graieb

Carlos Graieb é jornalista formado em Direito, editor sênior do portal O Antagonista e da revista Crusoé. Atuou em veículos como Estadão e Veja. Foi secretário de comunicação do Estado de São Paulo (2017-2018). Cursa a pós-graduação em Filosofia do Direito, da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP).

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (5)

EUD

2024-01-31 11:14:03

lula, Não Precisa Mais Falar Em Perseguição. Você Já Foi "DESPERSEGUIDO"Totalmente. Vê Se Arranja Um Tempinho Para Governar !!!!!


José

2024-01-30 15:46:05

Como esse vagabundo jornazista consegue escrever tanta bosta.


ROBERTO

2024-01-30 12:19:11

Se equivalem em tudo. É triste ver que esse país polariza com os dois.


Paulo Pires

2024-01-30 06:24:42

Desgraça de País! O noticiário quando não fala das pilantragens e bandidagens atuais do Janjo, é só pilantragem antiga da familícia bozolino!


Rogério Schwinden

2024-01-29 19:03:02

GRAIEB, O IMPARCIAL, SE CARLOS BOLSONARO É CARLUCHO, ALEXANDRE DE MORAES NÃO É XANDÃO? SÓ UM POUCO DA "IMPARCIALIDADE".... QUERER COMPARAR O LADRÃO E SUA QUADRILHA COM A FAMÍLIA BOLSONARO. ...VTNC!!


Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

O truque barato de Ricardo Lewandowski

O truque barato de Ricardo Lewandowski

Carlos Graieb
16.04.2024 17:40 4 minutos de leitura
Visualizar notícia
“Estão se vingando dessa moça”, disse Barroso sobre juíza da Lava Jato em fevereiro

“Estão se vingando dessa moça”, disse Barroso sobre juíza da Lava Jato em fevereiro

Felipe Moura Brasil
16.04.2024 15:10 25 minutos de leitura
Visualizar notícia
Se Janja faz articulação política, eu quero ver sua agenda

Se Janja faz articulação política, eu quero ver sua agenda

Carlos Graieb
16.04.2024 12:29 4 minutos de leitura
Visualizar notícia
Mais política feita de toga 

Mais política feita de toga 

Carlos Graieb
15.04.2024 18:40 6 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.