O Antagonista

Cristo de Sevilha: homoerotismo na representação do filho de Deus

avatar
Catarina Rochamonte
5 minutos de leitura 01.02.2024 09:38 comentários
Análise

Cristo de Sevilha: homoerotismo na representação do filho de Deus

"No caso do ´Cristo de Sevilha 2024´, o homoerotismo chegou à representação do Filho de Deus. Sequer suas chagas foram respeitadas", afirma o professor Ricardo da Costa

avatar
Catarina Rochamonte
5 minutos de leitura 01.02.2024 09:38 comentários 6
Cristo de Sevilha: homoerotismo na representação do filho de Deus
Foto: reprodução/X

O Consejo General de Hermandades y Confradías de Sevilla, órgão encarregado da regulamentação das procissões da Semana Santa de Sevilha, apresentou, em 27 de janeiro, uma polêmica obra do artista Salustiano Garcia como cartaz de propaganda da Semana Santa desse ano.

A representação de um Cristo andrógino, com traços afeminados foi motivo de protestos. Em pouco mais de 2 dias, pessoas para quem a obra “não representa de forma alguma a Fé, os Valores Cristãos, a tradição e o fervor religioso desta Cidade” conseguiram mais de 10 mil assinaturas solicitando a retirada imediata do cartaz, considerado blasfemo.

A previsão é que a imagem controversa seja distribuída, em breve, por toda a cidade, em locais como igrejas, lojas, cafés, onde costumam ser expostos cartazes da Semana Santa. Prevê-se também que o cartaz seja utilizado nas redes sociais e outros meios de comunicação para promover uma das festas religiosas mais importantes e concorridas da cidade de Sevilha.

O prefeito de Sevilha e o pintor defendem o cartaz

Entre os defensores do cartaz estão o próprio autor – que usou o filho como modelo – e o prefeito de Sevilha, José Luis Sanz. O prefeito declarou que o cartaz lhe apraz porque é “diferente, corajoso e arriscado” e que “os cartazes da Semana Santa não podem ser os mesmos ou iguais todos os anos.”

O pintor Salustiano García, por sua vez, defendeu a sua obra em entrevista ao ABC Sevilla:
O que me surpreendeu em toda esta polêmica é a politização de uma obra de arte, dizendo que pertence a este ou aquele partido, ou a esta ou aquela tendência sexual. Como se minha pintura fosse de esquerda. É algo absurdo, bobo”, diz o pintor.

Zombaria do sagrado

Em artigo intitulado Jesucristo no era afeminado, publicado no periódico espanhol La Gaceta de la iberosfera, o jornalista e escritor espanhol, Jaume Vives, comentou sobre o cartaz e sobre o artista que o criou:

Não creio que esteja sendo muito duro se disser que, objetivamente, o trabalho é uma porcaria. Poderia funcionar na Semana do Orgulho, mas não na Páscoa. E não por causa do pano, para o qual não vejo problema. A imagem representa um Cristo afeminado (principalmente pela posição da mão) e com um rosto que choca pela sua natureza sinistra.

Vendo esse esterco, pode-se pensar que Cristo expulsou os mercadores do templo com sua bolsa, mas não, ele o fez com chicotes. E Cristo era um homem muito viril, perdoe a redundância. Viril, masculino e com muito caráter, como atesta toda a documentação à nossa disposição. Pintá-lo como fez o autor do cartaz é falta de rigor, bom gosto e talento. […]

Este Salustiano tem uma fixação por coisas estranhas. Gosta de pintar crianças fumando, meninos com facas, vestidos de meninas, com olhares sinistros, chegando até a ler Os Onze Mil Paus de Guillaume Apollinaire, obra em que são descritas detalhadamente as múltiplas e grotescas aventuras sexuais do protagonista.

Em outra pintura intitulada Pentecostes, uma criança segura uma xícara e um biscoito na mão. Não é difícil ver nele novamente a zombaria do sagrado.

Possui também uma linha de desenhos de adultos que aparecem com pistolas d’água infantis. E a dúvida que sempre tenho diante deste tipo de autores é: se são normais, por que se esforçam tanto para parecerem pedófilos que praticam todo tipo de orgias com crianças? […]

Voltando ao nosso ponto, seria uma atitude sábia enviar o cartaz para a lata de lixo da história e encomendar um novo que permitiria aos fiéis orar e seria igualmente atraente para o pagão ver o salvador do mundo representado nele.

“Sequer suas chagas foram respeitadas”

Convidei o professor Dr. Ricardo da Costa, do Departamento de Teoria e Arte da UFES e acadêmico no exterior da Reial Acadèmia de Bones Lletres de Barcelona a opinar sobre o assunto. Eis sua reflexão:

Embora a Igreja Católica, desde seus primórdios, sempre tenha sido em alguma medida influenciada pelo mundo, conseguiu manter sua teologia intacta. Até o século XX. Até a década de 60, período em que o Ocidente sofreu profundas rupturas e transformações que deram origem às sociedades frágeis, sensíveis, femininas, da chamada “pós-modernidade”.

Quando viramos o ponteiro do relógio e chegamos ao século XXI, um passo adiante foi dado. Nunca a Igreja recuou tanto em suas convicções. Quanto mais se adequa ao mundo, mais adere a essas fragilidades, delicadezas. Mais se afasta de seus fiéis.

No caso do “Cristo de Sevilha 2024”, o homoerotismo chegou à representação do Filho de Deus. Sobrancelhas feitas, batom nos lábios, quadris à mostra, a imagem nada deve aos efebos gregos da Antiguidade. Sequer suas chagas foram respeitadas: o artista fez uma alusão às mãos do “Davi” de Michelangelo apenas para fazer uma suave alusão que Ele sofreu para salvar o mundo, que preferiu Barrabás.

Embora já no Barroco o Cristo tenha sido estilizado, representado com formas mais delicadas, a Igreja manteve em boa medida Seu sofrimento no primeiro plano. Hoje, o “Consejo General de Hermandades y Cofradías de Sevilla” definitivamente se prostrou para o mundo. Em detrimento da fé dos fiéis católicos. É o último passo do solapamento da instituição.”

O professor Ricardo da Costa me enviou seu texto acima por WhatsApp. Ao se despedir, comentou: “Cá entre nós: enquanto isso, o Islã conquista a Europa. E o mundo.

Brasil

Revisão da Vida Toda: STF avança em análise para aposentadorias

26.02.2024 05:00 3 minutos de leitura
Visualizar

Jogando bem, Corinthians perde para Ponte Preta e se complica

Visualizar

Cromossomo Y Está desaparecendo

Visualizar

Conheça a última área a ser mapeada nos EUA por ser inacessível

Visualizar

Estudo revela que povos tradicionais possuem a mesma felicidade de países ricos

Visualizar

Tite comenta caso de Daniel Alves

Visualizar

< Notícia Anterior

Islândia monta defesas do tamanho de prédios para se proteger contra vulcões

01.02.2024 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

Fevereiro começa com aumento em gasolina e diesel

01.02.2024 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Catarina Rochamonte

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (6)

Juan Jose Verdesio Bentancurt

2024-02-06 09:16:12

Porque ele não é representado como eram os judios de esa época. Tem que ser branquinho? Os andaluzes que protestam são mais parecidos com os moreninhos indianos de onde vieram os ciganos. Não tem muito de brancos albinos como ese. Ele deveria ser baixinho de cabelo enrolado, barba idem de nariz quase negroide e pele morena. A turma de "alteridade" como se diz em espanhol está de festa.


Marcia Elizabeth Brunetti

2024-02-05 10:47:39

No caso aí o artista está pré-definindo a orientação sexual do Cristo. Se ele pertenceu à minoria LGBTQIA+ não cabe ao pintor definir. Afinal um homem gay precisa parecer afeminado? Vejam o excelente governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite - é assumido mas não vê motivos de se identificar fisicamente.


Carlos Alberto Bolsoni

2024-02-02 15:39:36

Engraçado é que não se tem notícia de que jogaram sopa nessa "obra de arte". Só nos resta perguntar porquê essas pessoas que professam a identidade de genêro precisam se apegar justamente a assuntos que mais representatividade tem para as demais pessoas (gente normal). Não se trata apenas de religião, mas de pessoas que se acham tão pequenas que precisam chocar as demais para serem vistos, serem aprovados, serem aceitos. De minha parte, acho a "obra" de mau gosto, feia mesmo e sem qualquer sentido. Parodiando Bardi, uma "merda".


WAGNER LUNGOV

2024-02-01 23:40:23

Certamente ela agrada mais os não religiosos, por ser uma provocação aos religiosos. Mas então, qual sentido faz querer que aqueles a quem a imagem realmente se destina, para seu uso devocional, aceitem uma imagem que não corresponde ao que esperavam e gostariam.


Francisco Claudio Rodrigues Holanda Junior

2024-02-01 13:34:44

Só por curiosidade, qual a representação correta do "filho de deus"? Desconfio que ninguém possa dizer com certeza. Assim como Maomé, Buda ou qualquer outro, outra ou "outre" (rs). Da minha parte, podiam até representar como o Kang ou o Kodos e daria na mesma. Mas isso sou eu, que trato igualmente todas as religiões, sem exceções.


Alexandre Ataliba Do Couto Resende

2024-02-01 11:48:16

Ser cristão é algo muito difícil mesmo. E não envolve qualquer discussão sobre "virilidade ". É bem fácil: amar a Deus sobre todas as cousas e ao próximo como a si mesmo, dar a outra face, perdoar ao seu irmão e inimigo sempre que ele lhe pedir, reconciliar se com seu inimigo enquanto ainda é tempo, entender que o Reino não é desse mundo. Tão simples, mas tão complicado....


Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

O Novo parasita o bolsonarismo

O Novo parasita o bolsonarismo

Felipe Moura Brasil
25.02.2024 19:21 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Bolsonaro conseguiu a foto que queria. E agora?

Bolsonaro conseguiu a foto que queria. E agora?

Wilson Lima
25.02.2024 19:18 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
As crianças do Itamaraty paralelo

As crianças do Itamaraty paralelo

24.02.2024 07:30 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
O bolsonarismo e o dilema do prisioneiro  

O bolsonarismo e o dilema do prisioneiro  

Carlos Graieb
23.02.2024 17:42 5 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.