video destaque
13.06.2024

Qual é o verdadeiro Gabinete do Ódio: de Lula ou o de Bolsonaro?

Essas tropas digitais operam em múltiplas plataformas, não apenas nas redes sociais públicas, mas também em grupos privados de WhatsApp

Caiu a máscara: nem o governo nem o PT estão interessados em combater fake news. Se estivessem, a presidente do partido, Gleisi Hoffmann, não teria saído em defesa de uma usina de fake news, o militante petista Thiago Reis, dono do canal Plantão Brasil, bem no meio do escândalo sobre o tal “gabinete da ousadia”.

Segundo o Estadão, ele fatura US$ 110 mil por mês com visualizações.  Produz conteúdos bastante criativos. Por exemplo, anunciou a morte de Bolsonaro, o flagra de Michelle beijando outro homem e noticiou que Pablo Marçal encomendou a morte de Lula. Mesmo assim, foi defendido por Gleisi Hoffmann no Twitter.

A maioria das pessoas vai focar no conteúdo dito e em como desmentir. É mais fácil, mais gostoso,  mais apaixonante. Também é possível se iludir e achar que só os adversários fazem coisas do tipo. Seria mais inteligente focar no contexto: hoje, todas as forças políticas organizam suas tropas digitais. A questão crucial é: quais são os limites éticos, morais e legais que nós, cidadãos, exigiremos dessas tropas digitais?

Essas tropas digitais operam em múltiplas plataformas, não apenas nas redes sociais públicas, mas também em grupos privados de WhatsApp, Telegram e Facebook. São campanhas organizadas, não reflexões espontâneas. Todos os partidos fazem isso, e não apenas no Brasil. 

No entanto, comparar o gabinete do ódio bolsonarista com o gabinete do amor petista, ou como é chamado, gabinete da ousadia, é um erro. Eles são diferentes em natureza, interferem na sociedade de maneiras distintas e têm consequências diferentes.

Um gabinete formado pelo PT tem uma configuração que parte do institucional para tentar ganhar o popular. Jornalistas e militantes alinhados ao PT são recrutados e treinados para agir em ambientes virtuais. Já no caso do bolsonarismo, o movimento é oposto: começa no popular e espontâneo, em gente que acredita na causa e depois essas pessoas são absorvidas pelos gabinetes.

As consequências para os alvos desses dois sistemas são distintas. Quem é alvo do sistema petista pode enfrentar problemas com emprego, ser vetado em mídias ou perder patrocínios. Já os alvos do sistema bolsonarista enfrentam ameaças mais diretas e pessoais, como perseguições, ameaças à família e tentativas de intimidação na vida cotidiana.

Como vivemos uma era de busca pela pureza e apoteose da superficialidade, existe a tentação de moralizar e apontar que só um lado faz uso dessas táticas. A realidade é que exércitos e batalhas digitais são uma realidade suprapartidária da política. A pergunta que fica é: quando o eleitorado brasileiro vai se dar conta disso e focar no que realmente importa, que é estabelecer critérios e limites éticos e morais para esse tipo de atuação?

video destaque

Qual é o verdadeiro Gabinete do Ódio: de Lula ou o de Bolsonaro?

Essas tropas digitais operam em múltiplas plataformas, não apenas nas redes sociais públicas, mas também em grupos privados de WhatsApp

Caiu a máscara: nem o governo nem o PT estão interessados em combater fake news. Se estivessem, a presidente do partido, Gleisi Hoffmann, não teria saído em defesa de uma usina de fake news, o militante petista Thiago Reis, dono do canal Plantão Brasil, bem no meio do escândalo sobre o tal “gabinete da ousadia”.

Segundo o Estadão, ele fatura US$ 110 mil por mês com visualizações.  Produz conteúdos bastante criativos. Por exemplo, anunciou a morte de Bolsonaro, o flagra de Michelle beijando outro homem e noticiou que Pablo Marçal encomendou a morte de Lula. Mesmo assim, foi defendido por Gleisi Hoffmann no Twitter.

A maioria das pessoas vai focar no conteúdo dito e em como desmentir. É mais fácil, mais gostoso,  mais apaixonante. Também é possível se iludir e achar que só os adversários fazem coisas do tipo. Seria mais inteligente focar no contexto: hoje, todas as forças políticas organizam suas tropas digitais. A questão crucial é: quais são os limites éticos, morais e legais que nós, cidadãos, exigiremos dessas tropas digitais?

Essas tropas digitais operam em múltiplas plataformas, não apenas nas redes sociais públicas, mas também em grupos privados de WhatsApp, Telegram e Facebook. São campanhas organizadas, não reflexões espontâneas. Todos os partidos fazem isso, e não apenas no Brasil. 

No entanto, comparar o gabinete do ódio bolsonarista com o gabinete do amor petista, ou como é chamado, gabinete da ousadia, é um erro. Eles são diferentes em natureza, interferem na sociedade de maneiras distintas e têm consequências diferentes.

Um gabinete formado pelo PT tem uma configuração que parte do institucional para tentar ganhar o popular. Jornalistas e militantes alinhados ao PT são recrutados e treinados para agir em ambientes virtuais. Já no caso do bolsonarismo, o movimento é oposto: começa no popular e espontâneo, em gente que acredita na causa e depois essas pessoas são absorvidas pelos gabinetes.

As consequências para os alvos desses dois sistemas são distintas. Quem é alvo do sistema petista pode enfrentar problemas com emprego, ser vetado em mídias ou perder patrocínios. Já os alvos do sistema bolsonarista enfrentam ameaças mais diretas e pessoais, como perseguições, ameaças à família e tentativas de intimidação na vida cotidiana.

Como vivemos uma era de busca pela pureza e apoteose da superficialidade, existe a tentação de moralizar e apontar que só um lado faz uso dessas táticas. A realidade é que exércitos e batalhas digitais são uma realidade suprapartidária da política. A pergunta que fica é: quando o eleitorado brasileiro vai se dar conta disso e focar no que realmente importa, que é estabelecer critérios e limites éticos e morais para esse tipo de atuação?

Vídeos mais vistos

1

Por que Pablo Marçal resolveu fuçar a vida pessoal de Tabata Amaral?

Imagem
0 vídeos
11.07.2024 21:40 3 minutos de leitura
2

Diante da ABIN paralela, fica a pergunta: quem realmente defende liberdades no Brasil?

Imagem
0 vídeos
12.07.2024 17:17 3 minutos de leitura
3

Tudo joia, Bolsonaro?

Imagem
0 vídeos
09.07.2024 20:05 3 minutos de leitura
4

Qual é, afinal, o lado de Lula na invasão da Ucrânia?

Imagem
0 vídeos
10.07.2024 21:36 2 minutos de leitura
5

Vitória de O Antagonista: TCU suspende megalicitação de Lula

Imagem
0 vídeos
10.07.2024 20:05 1 minuto de leitura

Playlists

Antagonista Docs

Antagonista Meeting

Entrevistas

Ilha de Cultura

Latitude

Meio-Dia em Brasília

Narrativas Antagonista com Madeleine Lackso

Papo Antagonista com Felipe Moura Brasil

Ver mais playlists

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.