O passo atrás de Tarcísio é bem-vindo O passo atrás de Tarcísio é bem-vindo
O Antagonista

O passo atrás de Tarcísio é bem-vindo

avatar
Carlos Graieb
3 minutos de leitura 01.08.2023 18:34 comentários
Opinião

O passo atrás de Tarcísio é bem-vindo

O governador de São Paulo Tarcísio de Freitas deu um passo atrás na tarde desta terça-feira, 1º de agosto, em seu discurso sobre a ação policial de combate ao tráfico de drogas no litoral de São Paulo, especialmente na cidade do Guarujá (foto)...

avatar
Carlos Graieb
3 minutos de leitura 01.08.2023 18:34 comentários 0
O passo atrás de Tarcísio é bem-vindo
Favela do Canta Galo, no Guarujá, litoral de São Paulo - Reprodução

O governador de São Paulo Tarcísio de Freitas deu um passo atrás na tarde desta terça-feira, 1º de agosto, em seu discurso sobre a ação policial de combate ao tráfico de drogas no litoral de São Paulo, especialmente na cidade do Guarujá (foto).

Na segunda-feira, um dia depois do início da operação, ele havia dito peremptoriamente que “não houve excesso” no trabalho dos policiais, que havia resultado em 10 mortes até aquele momento. No novo balanço, ele amenizou essa certeza: “Se houver desvio de conduta, ele será punido”, disse. O número oficial de agora é de 14 mortos.

Tarcísio fez bem em adotar essa cautela. O governador pode expressar confiança no profissionalismo das suas forças de segurança – como fez, aliás. Não cabe a ele saltar à frente das conclusões que só uma análise independente dos fatos, feita pela Corregedoria da PM, pode alcançar.

A guerra contra o crime sempre será injusta e desigual. A razão disso é que o trabalho policial, por definição, está limitado por regras, enquanto os bandidos não respeitam nada. Se é possível falar de heroísmo de quem se põe na linha de frente do combate ao crime, o motivo é exatamente esse: ao contrário dos bandidos, o policial não pode “meter o louco”. Ele está comprometido com o bom combate – o que inclui aceitar serenamente que haja controle das suas ações.

Isso é algo que a tribo da bala, uma das facções mais ruidosas do bolsonarismo, não consegue entender. Políticos que querem tirar as câmeras das fardas dos policiais ou aprovar um “excludente de ilicitude” para policiais, perdoando previamente erros ou abusos cometidos em uma missão, ignoram que é o respeito às regras que faz o policial; o mero ingresso na tropa não garante ao fardado a marca do “homem de bem”.

A tribo da bala também não entende que atribuir esse ônus aos policiais não significa tomar partido dos bandidos. Tarcísio acertou ao dizer que o crime organizado precisa ser combatido com dureza no litoral de São Paulo. Não dá mais para aceitar que o tráfico seja dono de regiões inteiras da Baixada Santista. Trata-se de uma guerra e, como disse, o governador, “não existe combate ao crime sem efeito colateral” – sem mortes, para deixar de lado o eufemismo neste caso específico.

Reconhecer que até nas guerras mais ferozes algumas coisas devem ser proibidas foi uma conquista da civilização. Quem quer que ocupe um cargo como o de Tarcísio de Freitas – que é militar, por sinal, e sabe bem o que significam as “regras de engajamento” – precisa estar do lado da civilização, e não do vale-tudo. É bom que ele mantenha a linha comedida que adotou nesta terça e não ceda à gritaria dos bolsonaristas.

Mundo

China intensifica exercícios militares no segundo dia em Taiwan

23.05.2024 23:23 3 minutos de leitura
Visualizar

Noruega restringe turistas russos

Visualizar

BARK Air revoluciona viagens aéreas de luxo para cães

Visualizar

Bandido atropelado por Lamborghini devolve o Rolex

Visualizar

Brasileiros perdem R$2,7 Bi em golpes de veículos online em 2023

Visualizar

Tragédia no Everest: Alpinista queniano morre próximo ao cume

Visualizar

Tags relacionadas

Baixada Santista chacina crime organizado Guarujá São Paulo Tarcísio de Freitas violência policial
< Notícia Anterior

Trump diz que enfrentará acusações criminais relativas à eleição de 2020

01.08.2023 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

Polícia do Senado recolhe celular de ex-diretor da Abin

01.08.2023 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Carlos Graieb

Carlos Graieb é jornalista formado em Direito, editor sênior do portal O Antagonista e da revista Crusoé. Atuou em veículos como Estadão e Veja. Foi secretário de comunicação do Estado de São Paulo (2017-2018). Cursa a pós-graduação em Filosofia do Direito, da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP).

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (0)

Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

Novo recorde? Três processos da Lava Jato são extintos num único dia

Novo recorde? Três processos da Lava Jato são extintos num único dia

Madeleine Lacsko
23.05.2024 20:07 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
TSE surpreende e absolve Moro: o que terá acontecido?

TSE surpreende e absolve Moro: o que terá acontecido?

Madeleine Lacsko
22.05.2024 17:34 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Moraes só quer liberdade para feticídio e linguagem neutra

Moraes só quer liberdade para feticídio e linguagem neutra

Catarina Rochamonte
21.05.2024 07:11 4 minutos de leitura
Visualizar notícia
Lula lamenta, mas iranianos comemoram a morte do “açougueiro de Teerã”

Lula lamenta, mas iranianos comemoram a morte do “açougueiro de Teerã”

Madeleine Lacsko
20.05.2024 18:59 3 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.