Ideologia que vê judeus como os grandes opressores brancos dominou universidades Ideologia que vê judeus como os grandes opressores brancos dominou universidades
O Antagonista

Ideologia que vê judeus como os grandes opressores brancos dominou universidades

avatar
Madeleine Lacsko
3 minutos de leitura 06.12.2023 17:36 comentários
Opinião

Ideologia que vê judeus como os grandes opressores brancos dominou universidades

Um vídeo com três reitorias de grandes universidades dos EUA viralizou na internet. Ouvidas no Congresso, foram perguntadas se é bullying ou assédio defender o genocídio...

avatar
Madeleine Lacsko
3 minutos de leitura 06.12.2023 17:36 comentários 0
Ideologia que vê judeus como os grandes opressores brancos dominou universidades
Arte: O Antagonista

Um vídeo com três reitorias de grandes universidades dos EUA viralizou na internet. Ouvidas no Congresso, foram perguntadas se é bullying ou assédio defender o genocídio de judeus. Foi impossível obter uma resposta direta.

Hoje, o psicólogo Jonathan Haidt usou as redes sociais para colocar o dedo na ferida. Em vários livros ele há previu que a ideologia woke, que divide o mundo entre oprimidos e opressores, iria descambar para antissemitismo. Também indica formas de reverter esse processo.

Ele aponta que há uma discrepância entre as políticas de bullying e assédio aplicadas nos últimos anos e a reação de agora, quando os alvos de discursos odiosos são os judeus.

Se alguém errar um pronome ou falar algo com boa intenção mas alguém de um grupo oprimido disser que é agressão, a universidade passa a considerar que é discurso de ódio e bullying. Mesmo que evidentemente não seja, o critério independe da realidade. Se alguém de um grupo oprimido disser que foi ofendido, passa a ser ofensa. 

E isso independe da pessoa ser ou não oprimida. Temos uma mentalidade em que seres humanos não são mais indivíduos nem donos da própria história, estão eternamente atados à condição de nascimento. Nada que façam muda isso, nem para o bem nem para o mal.

De acordo com esse raciocínio, o judeu é o super branco rico colonialista. Ele deve, portanto, pedir desculpa pelo próprio privilégio e aceitar todas as acusações de grupos oprimidos. Tudo o que esses grupos fizerem contra judeus é justificável nessa óptica.

No meu livro, Cancelando o Cancelamento, há um capítulo inteiro falando disso. Trago aqui para vocês uma citação de C. S. Lewis sobre o tema. 

“Dentre todas as tiranias, uma tirania exercida pelo bem de suas vítimas pode ser a mais opressiva. Talvez seja melhor viver sob um ditador desonesto do que sob onipotentes cruzadores da moralidade. A crueldade do ditador desonesto às vezes pode se acomodar, em algum ponto sua cobiça pode ser saciada; mas aqueles que nos atormentam para o nosso próprio bem irão nos atormentar indefinidamente, pois eles assim o fazem com a aprovação de suas próprias consciências”, disse. E ele nem sonhava que um dia existiria algo como a internet.

Vivemos nessa era da ditadura do bem, do autoritarismo com boas intenções. É uma ideia infecciosa que não tem como gerar bons frutos.

Tem gente que tenta combater isso com o autoritarismo de sinal trocado. São os que usam os mesmos métodos e violência para desqualificar qualquer apontamento sobre racismo, machismo ou homofobia.

Em guerra de narrativa e fanático, vencem os mais organizados e com mais acesso ao mainstream. O exemplo norte-americano nos mostra a que ponto as coisas chegam. 

Resta saber se vamos colocar os adultos na sala e tomar as rédeas da situação ou se o Brasil vai simplesmente escolher um fanatismo ao qual se render.

Mundo

Dona do "Call of Duty" é acusada de homicídio culposo por tiroteio em escola dos EUA

24.05.2024 22:26 3 minutos de leitura
Visualizar

Google revisa IA para corrigir erros bizarros

Visualizar

Inmet alerta: Junho deve ser a salvação do Rio Grande do Sul

Visualizar

Ivan Sant'anna na Crusoé: Terra de fronteira – Primeira parte

Visualizar

Boeing e NASA superam desafios e preparam 1° voo tripulado da Starliner

Visualizar

Rodolfo Borges na Crusoé: Um goleiro nunca é o bastante

Visualizar

Tags relacionadas

Madeleine Lacsko narrativas Narrativas Antagonista
< Notícia Anterior

Crusoé: Trump vai abusar do poder caso reeleito? Nem ele diz que não

06.12.2023 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

Lula adota ‘estratégia Chicó' para explicar BNDES

06.12.2023 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Madeleine Lacsko

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (0)

Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

Lula dá tratamento desigual a brasileiros vítimas do Hamas e moradores de Gaza

Lula dá tratamento desigual a brasileiros vítimas do Hamas e moradores de Gaza

Madeleine Lacsko
24.05.2024 17:21 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Novo recorde? Três processos da Lava Jato são extintos num único dia

Novo recorde? Três processos da Lava Jato são extintos num único dia

Madeleine Lacsko
23.05.2024 20:07 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
TSE surpreende e absolve Moro: o que terá acontecido?

TSE surpreende e absolve Moro: o que terá acontecido?

Madeleine Lacsko
22.05.2024 17:34 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Moraes só quer liberdade para feticídio e linguagem neutra

Moraes só quer liberdade para feticídio e linguagem neutra

Catarina Rochamonte
21.05.2024 07:11 4 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.