Federalização das estatais mineiras, a ideia esquerdista sem pé nem cabeça da semana Federalização das estatais mineiras, a ideia esquerdista sem pé nem cabeça da semana
O Antagonista

Federalização das estatais mineiras, a ideia esquerdista sem pé nem cabeça da semana

avatar
Carlos Graieb
3 minutos de leitura 23.08.2023 13:54 comentários
Opinião

Federalização das estatais mineiras, a ideia esquerdista sem pé nem cabeça da semana

Vem da esquerda de Minas Gerais a ideia mais estapafúrdia da semana (ainda é quarta-feira, mas vai ser difícil superá-la): federalizar, em vez de privatizar, as estatais...

avatar
Carlos Graieb
3 minutos de leitura 23.08.2023 13:54 comentários 0
Federalização das estatais mineiras, a ideia esquerdista sem pé nem cabeça da semana
Foto: Tony Oliveira/Agência Brasília

Vem da esquerda de Minas Gerais a ideia mais estapafúrdia da semana (ainda é quarta-feira, mas vai ser difícil superá-la): federalizar, em vez de privatizar, as estatais Cemig, de energia elétrica, e Codemig, de mineração.

A proposta partiu da esquerda, mas é preciso registrar que o recém-nomeado líder do governo Romeu Zema (NOVO; foto) na Assembleia Legislativa, o deputado João Magalhães (MDB), escorregou na casca de banana e encampou a sugestão, sob a justificativa de que ela resultaria no abatimento da monstruosa dívida do estado com a União.

O deputado foi desmentido. “O Governo de Minas reforça o interesse em desestatizar as empresas públicas. Mais do que arrecadar recursos que poderão ser utilizados para infraestrutura do estado, as desestatizações têm papel fundamental na melhoria da administração das companhias, que hoje se encontram engessadas pelas amarras burocráticas do Estado. A federalização não resolve esse problema”, diz um trecho da nota oficial divulgada pelo governo Zema.

Privatização não é panaceia. Tem de ser bem feita para dar resultados. Isso significa que o governo precisa resguardar os interesses públicos no contrato que entrega uma empresa ou serviço à iniciativa privada. Depois disso, deve fiscalizar com rigor o cumprimento do acordo.

A malha viária estadual de São Paulo é um exemplo de implementação bem sucedida das privatizações. Há discussão sobre o valor dos pedágios em algumas concessões, mas é inegável que a qualidade das estradas paulistas melhorou muito nos últimos 20 anos, período em que o modelo foi adotado e aperfeiçoado.

Também há privatizações mal feitas, embasadas em estudos capengas de viabilidade, que acabam em desfazimento do negócio e prejuízo para todos. O caso emblemático é o do aeroporto do Galeão, privatizado em 2013 e devolvido ao governo federal no ano passado.

Quando isso acontece, não é porque privatizar seja uma medida intrinsecamente ruim – pelo contrário, a praxe é que ela melhore a qualidade dos serviços públicos. O problema decorre da malandragem ou da incompetência tanto do governo que formatou o negócio quanto da empresa que o assumiu. É coisa que se resolve, vamos repetir, com modelagem inteligente e fiscalização adequada.

A esquerda, no entanto, teima em afirmar que o principal interesse dos cidadãos é serem “donos” (entre aspas, claro) de empresas públicas – mesmo quando elas são ineficazes e funcionam como cabide de emprego –, em vez de simplesmente verem suas necessidades atendidas por bons serviços públicos ou atividades que geram riquezas e pagam impostos.

No caso mineiro, há um outro objetivo em mira. Ao sugerir a federalização da Cemig, especialmente, a oposição quer aumentar a participação do governo Lula na gigante de energia Eletrobras, privatizada em 2022, e da qual a companhia mineira é um pedaço.

Pode-se dizer, na verdade, que a história toda se resume a isso: o PT está doente por ter perdido controle sobre um pedaço do até outro dia era máquina estatal – e só pensa em reverter esse resultado, seja ao custo que for.

Mundo

Tempestade catastrófica em Moscou: Uma tragédia com mortes

20.06.2024 22:51 2 minutos de leitura
Visualizar

Suspeitos de roubo de Rolexa do "Dentista dos Famosos" são presos

Visualizar

Com gol nos acréscimos, Flamengo vence o Bahia e é líder do Brasileirão

Visualizar

São João em São Paulo: Guia completo para 2024

Visualizar

12 migrantes mortos são resgatados do mar pelo governo italiano

Visualizar

Cracolândia: Grades e operações policiais causam polêmicas

Visualizar

Tags relacionadas

Cemig Codemig estatais federalização Minas Gerais
< Notícia Anterior

Marina Silva critica parecer da AGU que libera exploração na foz do Amazonas

23.08.2023 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

Crusoé: “A complicada meta de Dilma Rousseff para o Banco do Brics”

23.08.2023 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Carlos Graieb

Carlos Graieb é jornalista formado em Direito, editor sênior do portal O Antagonista e da revista Crusoé. Atuou em veículos como Estadão e Veja. Foi secretário de comunicação do Estado de São Paulo (2017-2018). Cursa a pós-graduação em Filosofia do Direito, da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP).

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (0)

Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

Cancelamento do Nubank: público já percebe que ataques são orquestrados

Cancelamento do Nubank: público já percebe que ataques são orquestrados

Madeleine Lacsko
20.06.2024 19:30 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
PL do aborto e a arte política de brincar com questões sensíveis

PL do aborto e a arte política de brincar com questões sensíveis

Madeleine Lacsko
19.06.2024 20:33 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Lula tem dificuldades para se acostumar à perda de poder

Lula tem dificuldades para se acostumar à perda de poder

Madeleine Lacsko
18.06.2024 20:59 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Adoradores de Lula cancelam até o Sérgio Sacani

Adoradores de Lula cancelam até o Sérgio Sacani

17.06.2024 19:29 3 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.