Contra a "estratégia da desordem" de Putin Contra a "estratégia da desordem" de Putin
O Antagonista

Contra a “estratégia da desordem” de Putin

avatar
Mario Sabino
4 minutos de leitura 07.03.2022 16:19 comentários
Opinião

Contra a “estratégia da desordem” de Putin

No mesmo dia em que Vladimir Putin reafirmou, por meio dos seus capachos que negociam o inegociável, que suas tropas só saem de território ucraniano, onde cometem toda sorte de barbaridades, se Kiev inventar uma cláusula constitucional teratológica que impeça o país de aderir à Otan e à União Europeia (foto), a presidência francesa do bloco anunciou que foi aberto o procedimento para analisar as candidaturas de Ucrânia, Geórgia e Moldávia a membros plenos da União Europeia. Todos os três países fizeram o pedido formal depois da invasão ora em curso...

avatar
Mario Sabino
4 minutos de leitura 07.03.2022 16:19 comentários 0
Contra a “estratégia da desordem” de Putin
Foto: Capri23auto/Pixabay

No mesmo dia em que Vladimir Putin reafirmou, por meio dos seus capachos que negociam o inegociável, que suas tropas só saem de território ucraniano, onde cometem toda sorte de barbaridades, se Kiev inventar uma cláusula constitucional teratológica que impeça o país de aderir à Otan e à União Europeia (foto), a presidência francesa do bloco anunciou que foi aberto o procedimento para analisar as candidaturas de Ucrânia, Geórgia e Moldávia a membros plenos da União Europeia. Todos os três países fizeram o pedido formal depois da invasão ora em curso.

O procedimento é longo. Para serem oficializadas, as candidaturas precisam passar pelo crivo da Comissão Europeia. Se ela aprovar a candidatura, a etapa de análise é demorada e, ao final, se todos os requisitos forem cumpridos, os 27 países do bloco têm de aprovar a entrada do novo integrante por unanimidade. De qualquer forma, a decisão de hoje mostra que a Europa está unida em torno da Ucrânia e dos demais países ameaçados por Moscou — e que a estratégia da desordem terá como resposta o restabelecimento da lei internacional no leste do continente.

O termo “estratégia da desordem” foi cunhado por Isabelle Mandraud e Julien Théron, autores de Poutine: la Stratégie du Désordre, lançado no ano passado. O livro é outra amostra, entre tantas, que a invasão da Ucrânia, sob o falso pretexto de dar um basta ao que seria o expansionismo da Otan e defender a minoria de língua russa dos “nazistas” de Kiev, estava mais do que prevista. Os autores resumem a estratégia da desordem da seguinte forma:

“Ele (Putin) se autoriza a enunciar inverdades com desenvoltura, mesmo que se contradiga, a fim de semear a confusão. A dissociação entre a verdade, considerada como acessória, e uma representação edulcorada, profundamente política, permite também de nivelar aparentemente realidades demasiado amargas. Ele acentua a desconfiança em relação aos jornalistas e veículos de informação, desacreditados em benefício de canais de propaganda que jogam com as tendências subversivas presentes no seio das sociedades. Ele reescreve a história em favor de um desenho nacionalista, em detrimento da pesquisa. Em todos esses campos, a fronteira entre verdadeiro e falso é apagada para reforçar a sua mensagem política, num contexto internacional já sensível às sirenes complotistas. Atrás dessa cortina de fumaça, a estratégia da desordem opera: ingerência política geral, refortalecimento da influência de populistas nas democracias, ataques aos direitos humanos e ao direito internacional humanitário, corrosão da influência ocidental, anexação e desestabilização de estados soberanos, acirramento de tensões internacionais, desregulação da guerra, instrumentalização do terrorismo e a paralisia das Nações Unidas. O novo expansionismo russo, apresentado como um avanço glorioso, exprime-se à sombra de relações internacionais conflituosas que desafiam os serviços de segurança. Nada parece poder detê-lo.”

É possível, contudo, impedir Vladimir Putin de continuar com a sua estratégia da desordem. Os limites do seu sistema já estão dados, de acordo com Mandraud e Théron, e ele só pode superá-los sendo extremista. A inação dos outros é que permite que Vladimir Putin ultrapasse fronteiras, e isso deixou de ser apenas em sentido figurado faz tempo, desde a invasão da Geórgia, em 2008. “A comunidade internacional peca frequentemente por falta de vontade política, de determinação estratégica, de utilização das mesmas ferramentas e de integração da segurança coletiva (…) Mas o limite mais complicado para Vladimir Putin ainda é a sua própria população. Mesmo depois de vinte anos sob o seu chicote, a sociedade russa não renunciou à democracia”, dizem os autores.

A união destemida das democracias em torno do restabelecimento da ordem internacional é a única saída. Com isso, dois recados serão mandados. O primeiro, a Vladimir Putin, de que não, ele não está livre para cometer atrocidades, seja na Ucrânia ou dentro do próprio país que julga ser o seu império pessoal. O segundo, aos russos que ainda têm medo do ditador, de que as nações do mundo livre estão ao lado deles. De que a servidão voluntária a mais esse tirano produzido pela Rússia pode ter fim. A abertura do procedimento de entrada de Ucrânia, Geórgia e Moldávia na União Europeia deve ser saudada como ato de força nesse sentido.

Brasil

Operação prende suspeitos de assalto ao Aeroporto de Caxias do Sul

22.06.2024 22:23 2 minutos de leitura
Visualizar

Vídeos: Explosão de Caminhão-Tanque na Vila Isabel

Visualizar

Previsão do Tempo no Rio Grande do Sul para domingo e segunda

Visualizar

Bebê quase morre após ficar trancado dentro de um Tesla

Visualizar

Incrível descoberta de fóssil de 'crocodilo do apocalipse' em SP

Visualizar

Missão Svom: China e França lançam satélite para estudar a formação do universo

Visualizar

Tags relacionadas

estratégia da desordem Geórgia invasão da Ucrâni Isabelle Mandraud Julien Théron moldávia Ucrânia União Europeia Vladimir Putin
< Notícia Anterior

Polônia planeja fundo bilionário para auxiliar refugiados da Ucrânia

07.03.2022 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

Veto ao Refis das micro e pequenas empresas será analisado na quinta

07.03.2022 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Mario Sabino

Mario Sabino é jornalista, escritor e sócio-fundador de O Antagonista. Escreve sobre política e cultura. Foi redator-chefe da revista Veja.

Suas redes

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (0)

Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

Será que Pablo Marçal realmente tem chances na política?

Será que Pablo Marçal realmente tem chances na política?

Madeleine Lacsko
21.06.2024 17:15 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Josias Teófilo na Crusoé: O culto da artificialidade

Josias Teófilo na Crusoé: O culto da artificialidade

21.06.2024 12:53 2 minutos de leitura
Visualizar notícia
Cancelamento do Nubank: público já percebe que ataques são orquestrados

Cancelamento do Nubank: público já percebe que ataques são orquestrados

Madeleine Lacsko
20.06.2024 19:30 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
PL do aborto e a arte política de brincar com questões sensíveis

PL do aborto e a arte política de brincar com questões sensíveis

Madeleine Lacsko
19.06.2024 20:33 3 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.