Shein: Relatório expõe condições de trabalho apesar de promessas Shein: Relatório expõe condições de trabalho apesar de promessas
O Antagonista

Shein: Relatório expõe condições de trabalho apesar de promessas

avatar
Redação O Antagonista
3 minutos de leitura 13.05.2024 18:19 comentários
Mundo

Shein: Relatório expõe condições de trabalho apesar de promessas

Descubra a realidade por trás da Shein e suas condições de trabalho com críticas de 75h semanais e baixos salários.

avatar
Redação O Antagonista
3 minutos de leitura 13.05.2024 18:19 comentários 1
Shein: Relatório expõe condições de trabalho apesar de promessas
Fonte: divulgação / Shein

Após mais de um ano das promessas de melhoria nas condições de trabalho em sua cadeia de abastecimento, a empresa chinesa de fast fashion Shein ainda enfrenta sérias críticas. Investigadores afirmam que a realidade dos trabalhadores não mudou significativamente, com jornadas exaustivas que podem chegar a 75 horas semanais.

Qual a realidade dos trabalhadores das fábricas que fornecem para a Shein?

Segundo recente investigação realizada pelo grupo suíço de direitos humanos Public Eye, trabalhadores em fábricas fornecedoras da Shein na região sul da China, ainda são submetidos a condições laborais extremamente severas. Baseado em entrevistas com 13 operários têxteis ao longo do último verão, foi constatado que muitos alcançam a marca de 12 horas de trabalho diário, com mínimos intervalos para descanso e refeições.

Shein responde às acusações de exploração laboral

Em resposta ao relatório do Public Eye, a Shein se manifestou, argumentando que o relatório se baseia em uma amostra pequena e não reflete a totalidade de sua cadeia de abastecimento, que envolve milhares de trabalhadores e fornecedores. A empresa ainda destacou que está investindo fortemente em melhorias nas práticas de governança e compliance de seus parceiros fornecedores.

Investigações revelam salários inadequados e vigilância intensiva

O estudo também aponta que os salários pagos aos trabalhadores não correspondem ao mínimo considerado digno na China. Com valores que, após deduzidas as horas extras, podem ser inferiores a 2400 yuans mensais, os trabalhadores relatam a impossibilidade de reduzir suas jornadas devido ao custo elevado de vida. Além disso, uma vigilância crescente nas fábricas levanta preocupações sobre a privacidade e controle excessivo sobre os funcionários.

Esforços da Shein contra exploração não são suficientes?

A Shein afirma que seus esforços têm produzido melhorias contínuas, citando auditorias regulares que indicariam avanços na conformidade dos fornecedores. No entanto, a controvérsia persiste e levanta questões sobre a eficácia e abrangência dessas medidas, especialmente quando confrontadas com relatos diretos dos trabalhadores envolvidos.

  • Horas de trabalho ainda alcançam até 75 horas semanais.
  • Salários permanecem abaixo do necessário para um padrão de vida digno na região.
  • Respostas da empresa ainda não satisfazem grupos de direitos humanos.

Diante desses desafios, a Shein continua no centro de discussões sobre ética na moda e responsabilidade corporativa, ilustrando a complexidade e as dificuldades de garantir práticas justas em uma cadeia de abastecimento globalizada.

Mundo

Turista é feita “refém” em hospital turco por não pagar a conta

28.05.2024 22:43 3 minutos de leitura
Visualizar

Luciano Camargo confirma nova fase gospel e revela motivo

Visualizar

Câmara aprova 'PL das blusinhas da Shein' e taxa importados de até US$ 50 em 20%

Visualizar

Série baseada no filme Cidade de Deus estreia em agosto

Visualizar

Até Maria do Rosário e Tabata votaram contra Lula por fim das saidinhas

Visualizar

Acabou a festa das blusinhas e das "bugigangas"

Carlos Graieb Visualizar

Tags relacionadas

Shein trabalho
< Notícia Anterior

Botafogo afasta Romero e Hernandez por indisciplina

13.05.2024 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

Turquia prende contrabandista de aranhas que trabalhava nos EUA

13.05.2024 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Redação O Antagonista

Suas redes

Instagram

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (1)

Marcelo Augusto Monteiro Ferraz

2024-05-13 18:57:44

Que regime "oficialmente" comunista é esse que inclui trabalho escravo??!! Quanta hipocrisia!!


Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

Turista é feita “refém” em hospital turco por não pagar a conta

Turista é feita “refém” em hospital turco por não pagar a conta

28.05.2024 22:43 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Nvidia atinge quase U$ 3 trilhões em valor de mercado e cola na Apple

Nvidia atinge quase U$ 3 trilhões em valor de mercado e cola na Apple

28.05.2024 21:02 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Crusoé: O que Robert De Niro não sabe sobre Trump

Crusoé: O que Robert De Niro não sabe sobre Trump

28.05.2024 20:55 2 minutos de leitura
Visualizar notícia
Nubank é o banco mais valioso da América Latina

Nubank é o banco mais valioso da América Latina

28.05.2024 20:29 3 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.