O país das embaixadinhas e a diplomacia freestyle O país das embaixadinhas e a diplomacia freestyle
O Antagonista

O país das embaixadinhas e a diplomacia freestyle

avatar
Alexandre Borges
5 minutos de leitura 27.11.2023 14:14 comentários
Mundo

O país das embaixadinhas e a diplomacia freestyle

Como se não bastassem os palpites de Lula sobre o conflito Israel x Hamas, que colocaram o Brasil na vergonhosa posição de adversário da única democracia do Oriente Médio, agora é o próprio corpo técnico do...

avatar
Alexandre Borges
5 minutos de leitura 27.11.2023 14:14 comentários 0
O país das embaixadinhas e a diplomacia freestyle
Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

Como se não bastassem os palpites de Lula sobre o conflito Israel x Hamas, que colocaram o Brasil na vergonhosa posição de adversário da única democracia do Oriente Médio, agora é o próprio corpo técnico do Itamaraty que vem contribuir para o repertório de declarações injustificáveis do país em relação aos problemas na Faixa de Gaza.

O carioca Frederico Salomão Duque Estrada Meyer, 70 anos, foi aprovado no Senado como embaixador do Brasil em Israel em maio deste ano. Diplomata experiente, iniciou a carreira em 1978 e foi embaixador do Brasil no Cazaquistão e no Marrocos. Atuou como cônsul-geral do Brasil em Cantão, na China, e foi porta-voz do Itamaraty de 2015 a 2016. Além disso, serviu em Bagdá, Moscou, Genebra, Georgetown, Havana e Nova York (ONU) em diferentes períodos da carreira.

Mesmo com tanta quilometragem, Meyer disse em entrevista ao portal UOL na sexta-feira, 24, que não entende por que o grupo terrorista Hamas começou a libertar reféns. Disse o embaixador:

“Opinião puramente pessoal: eu ainda não entendi a posição do Hamas. Porque esses reféns que estão lá são uma moeda de troca. Não consigo perceber qual é o interesse do Hamas em libertar esses sequestrados. Porque depois que esses sequestrados forem entregues, qual vai ser a moeda de troca?”

“De novo, falando puramente pessoal: isso vai liberar Israel a ter uma ação ainda mais forte em Gaza. Porque uma das coisas que está contendo as ações de Israel é o medo de você atingir os reféns. Uma vez que você não tem mais reféns, Israel estaria liberado para atacar o quanto quisesse? Não sei.”

As declarações causam espanto, porque passam a impressão de legitimação moral dos sequestros – o que rendeu uma enxurrada de críticas nas redes sociais – e porque a atitude do Hamas, mesmo sendo impossível de se justificar, é muito fácil de entender:

  1. O Hamas nunca disse que soltaria todos os reféns, portanto o grupo continuará evidentemente com “moeda de troca”. Historicamente, sabe-se que Israel nunca sairia da mesa de negociação, mesmo que só houvesse um único refém.
  2. Os terroristas priorizaram a soltura de mulheres, idosos e crianças, cujo sequestro causou sérios danos de imagem ao grupo na comunidade internacional. Esse grupo também demanda cuidados muito mais complexos no cativeiro. Nenhum homem adulto foi solto.
  3. O Hamas usou civis sequestrados, o que é contra a Convenção de Genebra e totalmente proibido em conflitos militares, em troca de palestinos presos em Israel, a maioria envolvida em crimes violentos — muitos deles em terrorismo. Aos olhos do grupo, este sempre foi o objetivo das trocas.
  4. A intenção do ataque de 7 de outubro, contra um inimigo militarmente muito superior, nunca foi vencer um confronto armado direto, mas causar uma reação violenta do país atacado que levasse a mortes de palestinos civis em Gaza, inflamando a opinião pública árabe e muçulmana contra Israel.
  5. Depois dos históricos Acordos de Abraão, em 2020, o Hamas e seu principal patrocinador, o Irã, temiam que Israel estivesse costurando uma paz com seus principais vizinhos, para, no limite, ter seu território reconhecido. Para os radicais islâmicos, Israel precisa ser erradicado do mapa e um território árabe-muçulmano instituído “do rio ao mar”, como diz o bordão repetido nas passeatas mundo à fora.

Meyer poderia, ao menos, ter lido as declarações do próprio líderes do Hamas, Yahya Sinwar, em outubro:

“Estamos prontos para concluir imediatamente uma troca para libertar todos os prisioneiros nas prisões do inimigo sionista em troca de todos os reféns nas mãos da resistência.”

Numa entrevista dada à Deutsche Welle, empresa pública de comunicação alemã equivalente à BBC para os britânicos, nesta segunda, 27, Meyer respondeu sobre a posição brasileira oficial a respeito do conflito com platitudes de candidata à Miss Universo:

“Nós somos contra. Somos a favor da paz, é nossa posição. Somos a favor da negociação. Somos a favor do cessar-fogo. A favor dos dois Estados. Essa é a nossa posição. Nunca mudamos de posição.”

Como Israel é evidentemente contra o conflito e está reagindo contra um ataque terrorista que matou mais de 1.200 inocentes — e historicamente ofereceu diversas vezes o reconhecimento de um estado palestino em troca do reconhecimento de Israel pela comunidade árabe —, em tese a posição do Brasil seria exatamente a mesma do país de Benjamin Netanyahu, mas as semelhanças terminam nesse ponto.

Os governos petistas sempre tiveram uma posição hostil a Israel, alinhada com a extrema-esquerda internacional, e desta vez não foi diferente. Em 2014, em outro conflito envolvendo Israel e Hamas, o governo petista de Dilma Rousseff chamou o diplomata brasileiro em Tel Aviv para esclarecimentos — uma atitude de desagravo de um país em relação a outro. Como reação, o porta-voz do ministério das Relações Exteriores de Israel da época, Yigal Palmor, chamou o Brasil de “anão diplomático” numa entrevista ao The Jerusalem Post.

Até o fim de novembro, foram confirmadas as mortes de três brasileiros pelos terroristas do Hamas nos ataques de 7 de outubro: Ranani Glazer, 23 anos, Karla Stelzer, 42, e Bruna Veleanu, 24. O Brasil foi diretamente afetado pelo terrorismo do Hamas, brasileiros inocentes foram brutalmente assassinados num festival de música, mas a falta de empatia com as vítimas e suas famílias é evidente.

O Brasil tem centenas de embaixadores, mas, em situações críticas como essa do Oriente Médio, provamos que não conseguimos fazer nada mais do que embaixadinhas retóricas na tentativa de, a partir de uma diplomacia freestyle, marcar mais um gol contra a inserção do país na comunidade internacional.

Brasil

A guerra entre facções criminosas no Ceará

23.06.2024 14:30 3 minutos de leitura
Visualizar

Brasil em estado de emergência habitacional

Visualizar

Rodrygo assume peso da camisa 10 pela Seleção Brasileira

Visualizar

São Paulo passa por onda extrema de seca

Visualizar

PF desmantela quadrilha de tráfico de animais silvestres online

Visualizar

MDB é o principal adversário do governo, diz ministro de Lula

Visualizar

Tags relacionadas

diplomacia Faixa de Gaza Frederico Meyer Hamas Israel
< Notícia Anterior

Lula oficializa indicações de Dino para o STF e Gonet para PGR

27.11.2023 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

Janones tenta se explicar sobre rachadinha (e não consegue)

27.11.2023 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Alexandre Borges

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (0)

Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

Crusoé: as regras do debate entre Biden e Trump

Crusoé: as regras do debate entre Biden e Trump

23.06.2024 12:56 1 minuto de leitura
Visualizar notícia
Quais os impactos da cafeína no dia a dia?

Quais os impactos da cafeína no dia a dia?

23.06.2024 12:35 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Entenda o caos climático de calor na Índia

Entenda o caos climático de calor na Índia

23.06.2024 12:00 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Homem é inocentado após passar 20 anos no corredor da morte

Homem é inocentado após passar 20 anos no corredor da morte

23.06.2024 11:39 3 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.