O Antagonista

O junho mais quente da história

avatar
Redação O Antagonista
4 minutos de leitura 08.07.2024 10:15 comentários
Mundo

O junho mais quente da história

Cientistas preveem que os recordes de temperatura e os impactos das mudanças climáticas continuarão a aumentar globalmente

avatar
Redação O Antagonista
4 minutos de leitura 08.07.2024 10:15 comentários 0
O junho mais quente da história
Foto: Kim Sunjoo/Via Fotos Públicas

Junho de 2024 estabeleceu um novo recorde como o mês mais quente da história segundo o observatório europeu Copernicus (C3S). Esta tendência de aumento das temperaturas é uma preocupação crescente, já que cada mês desde junho de 2023 tem quebrado seu próprio recorde de calor, resultando em uma sequência de 13 meses consecutivos de temperaturas históricas.

De acordo com o Copernicus, “a temperatura média global dos últimos 12 meses (julho de 2023 a junho de 2024) é a mais alta já registrada“. Carlo Buontempo, diretor do observatório, enfatizou a importância deste fenômeno, declarando que “isso é mais do que uma raridade estatística e evidencia uma mudança importante e contínua em nosso clima“. Ele destacou que, em junho, o mundo presenciou ondas de calor severas no México, China, Grécia e Arábia Saudita, onde mais de 1.300 pessoas morreram durante a peregrinação a Meca.

De acordo com reportagem da agência de notícias AFP, além do calor extremo, chuvas incessantes, que os cientistas associam ao aquecimento global, causaram inundações devastadoras em países como Brasil, China, Quênia, Afeganistão, Rússia e França. O início de julho também foi marcado pela passagem do furacão Beryl, que devastou várias ilhas do Caribe e se tornou o furacão de categoria cinco mais precoce já registrado no Atlântico.

Ainda que esta série particular de extremos acabe em algum momento, estamos preparados para observar novos recordes sendo batidos à medida que o clima continua esquentando“, afirmou Buontempo. A presença do fenômeno El Niño, um ciclo natural de aquecimento das águas no centro e leste do Oceano Pacífico tropical, também contribuiu para os recordes de temperatura. No entanto, Julian Nicolas, cientista do C3S, ressaltou que “El Niño foi um dos fatores que explicam o recorde de temperatura, mas não o único“.

Oceano: o termômetro do planeta

Também foram registrados recordes de temperatura da superfície dos oceanos Atlântico, Pacífico Norte e Índico. Estes aumentos influenciam diretamente o calor em todo o planeta. Em junho, as temperaturas da superfície do mar atingiram um marco de 15 meses consecutivos de novos máximos. Os oceanos, que cobrem 70% da superfície terrestre, absorvem 90% do calor adicional associado ao aumento das emissões de gases do efeito estufa.

O que acontece na superfície dos oceanos tem um grande impacto na temperatura do ar acima da superfície e também na temperatura média global“, explicou Nicolas. No entanto, o mundo está prestes a entrar em uma fase de La Niña, que tem um efeito de resfriamento, o que pode levar a uma diminuição na temperatura global do ar nos próximos meses.

Apesar disso, se as temperaturas recordes da superfície do mar persistirem, 2024 pode ser ainda mais quente que 2023, mesmo com as condições de La Niña. “Mas é muito cedo para saber“, destacou Nicolas.

A sequência de meses consecutivos de calor recorde significa que a temperatura média global (do ar) dos últimos 12 meses (julho de 2023 a junho de 2024) está 1,64ºC acima da média pré-industrial de 1850-1900, uma época em que as emissões de gases do efeito estufa da humanidade ainda não haviam aquecido significativamente o planeta.

Desafios à meta do Acordo de Paris

Este aquecimento não indica necessariamente que a meta do Acordo de Paris de 2015 – limitar o aquecimento global a 1,5ºC em comparação com a era pré-industrial – foi desrespeitada, já que essa meta é medida em décadas, não em anos individuais.

No entanto, no mês passado, o observatório Copernicus afirmou que há 80% de probabilidade de que as temperaturas médias anuais da Terra superem, ao menos temporariamente, o limite de 1,5ºC nos próximos cinco anos.

Mais Lidas

1

Foi para isso que Boulos salvou Janones da rachadinha?

Visualizar notícia
2

Atentado a Trump: os ataques cretinos e as críticas legítimas à imprensa

Visualizar notícia
3

Homem morto em comício de Trump protegeu família de tiros

Visualizar notícia
4

Israel confirma morte de comandante do Hamas

Visualizar notícia
5

Atirador que tentou matar Trump tinha material explosivo em carro

Visualizar notícia
6

Bolsonaro: “Somente pessoas conservadoras sofrem atentado”

Visualizar notícia
7

Melania Trump descreve atirador como “monstro” e pede união

Visualizar notícia
8

Barroso, após atentado a Trump: “Violência é derrota de espírito”

Visualizar notícia
9

Atirador que tentou matar Trump trabalhava em casa de repouso

Visualizar notícia
10

Biden anuncia investigação independente de atentado contra Trump

Visualizar notícia

Tags relacionadas

aquecimento global Copernicus El Niño junho La Niña mudança climática
< Notícia Anterior

Deputado apresenta “PEC Biden” e quer barrar candidaturas de idosos

08.07.2024 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

Membro de facção é preso no jogo do Palmeiras

08.07.2024 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Redação O Antagonista

Suas redes

Instagram

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (0)

Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

FBI investiga falhas de identificação no atentado contra Trump

FBI investiga falhas de identificação no atentado contra Trump

14.07.2024 17:03 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Atirador que tentou matar Trump trabalhava em casa de repouso

Atirador que tentou matar Trump trabalhava em casa de repouso

14.07.2024 16:51 2 minutos de leitura
Visualizar notícia
Finlândia aprova lei que restringe acesso de imigrantes da Rússia

Finlândia aprova lei que restringe acesso de imigrantes da Rússia

14.07.2024 16:45 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Hipercarro RB17 da Red Bull marca nova era da engenharia automotiva

Hipercarro RB17 da Red Bull marca nova era da engenharia automotiva

14.07.2024 16:37 3 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.