Líderes mundiais se manifestam sobre o 1º ano da guerra na Ucrânia Líderes mundiais se manifestam sobre o 1º ano da guerra na Ucrânia
O Antagonista

Líderes mundiais se manifestam sobre o primeiro ano da guerra na Ucrânia

avatar
Redação O Antagonista
4 minutos de leitura 24.02.2023 10:17 comentários
Mundo

Líderes mundiais se manifestam sobre o primeiro ano da guerra na Ucrânia

Líderes mundiais se manifestaram nesta sexta-feira (24) sobre o primeiro ano da guerra na Ucrânia. Monumentos ao redor do mundo, como a Torre Eiffel (foto), foram iluminados com as cores azul e amarelo em apoio ao povo ucraniano...

avatar
Redação O Antagonista
4 minutos de leitura 24.02.2023 10:17 comentários 0
Líderes mundiais se manifestam sobre o primeiro ano da guerra na Ucrânia
Foto: reprodução/redes sociais

Líderes mundiais se manifestaram nesta sexta-feira (24) sobre o primeiro ano da guerra na Ucrânia. Monumentos ao redor do mundo, como a Torre Eiffel (foto), foram iluminados com as cores azul e amarelo em apoio ao povo ucraniano.

Em discurso na praça de Santa Sofia, em Kiev, o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, ressaltou a força do povo ucraniano e relembrou o discurso que fez há um ano.

“Há um ano nesta data, neste mesmo lugar, por volta das sete da manhã, eu fiz um breve discurso a vocês, com duração de apenas 67 segundos. […] Nós somos fortes. Estamos prontos para tudo. Vamos derrotar a todos. Foi assim que tudo começou em 24 de fevereiro de 2022. O dia mais longo de nossas vidas. O dia mais difícil de nossa história recente. Acordamos cedo e não dormimos desde então”, disse Zelensky.

Dmitry Medvedev, ex-presidente da Rússia e vice-presidente do Conselho de Segurança russo, afirmou que o exército de Moscou está disposto a seguir “até as fronteiras da Polônia” para assegurar a vitória contra a Ucrânia.

“Faz um ano que a operação especial está em andamento. Um ano desde que nossos soldados restauram a ordem, a paz e a justiça em nossas terras, protegem nosso povo e destroem as raízes do neonazismo. Eles são heróis […] A vitória será alcançada. Todos nós queremos que isso aconteça o mais rápido possível […] Por isso é tão importante atingir todos os objetivos da operação militar especial. Alargar as fronteiras de modo a afastar as ameaças ao nosso país para o mais longe possível, mesmo que estas sejam as fronteiras da Polônia”, disse Medvedev, em mensagem no Telegram.

No Twitter, líderes europeus e o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, reforçaram apoio à resistência ucraniana.

“Um ano de brutal agressão russa. Um ano de heroica resistência ucraniana. Um ano de solidariedade europeia. À nossa frente está um futuro de unidade. Você luta pela liberdade, pela democracia e pelo seu lugar na União Europeia. Estamos com você, pelo tempo que for preciso”, escreveu a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

“Para todos os ucranianos, estamos juntos com vocês em memória, em solidariedade, em unidade. Slava Ucrânia”, escreveu o primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak.

“Povo da Ucrânia, a França está ao seu lado. Para a solidariedade. Para vitória. Para a paz”, afirmou o presidente francês, Emmanuel Macron.

Em uma mensagem de vídeo, o chanceler alemão, Olaf Scholz, elogiou “a determinação e coragem dos ucranianos, como eles defendem sua liberdade. A Alemanha os apoia nisso, com toda a força e pelo tempo que for necessário”.

“Vou repetir hoje o que disse há um ano, quando a Rússia invadiu a Ucrânia. Um ditador empenhado em reconstruir um império nunca apagará o amor do povo pela liberdade. A brutalidade nunca oprimirá a vontade dos livres. E a Ucrânia nunca será uma vitória para a Rússia. Nunca”, escreveu o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden.

O presidente Lula disse, no Twitter, que é preciso que um grupo de países “não envolvidos no conflito” assuma as negociações de paz entre Rússia e Ucrânia.

“No momento em que a humanidade, com tantos desafios, precisa de paz, completa-se um ano da guerra entre a Rússia e a Ucrânia. É urgente que um grupo de países, não envolvidos no conflito, assuma a responsabilidade de encaminhar uma negociação para restabelecer a paz”, afirmou.

O assunto foi abordado na Crusoé desta semana. Leia aqui a reportagem de Caio Mattos, a coluna de Christopher Mendonça e o relato de Roberta Abdanur, profissional humanitária da VVolunteer, que atua em campo para acolher as vítimas do conflito.

Mundo

Arqueólogos descobrem desenhos feitos por crianças em Pompeia

29.05.2024 16:13 3 minutos de leitura
Visualizar

Congresso remaneja emendas e abre R$ 2,8 bi em créditos para o governo

Visualizar

Mãe de Beyoncé conta que cantora sofria bullying na infância

Visualizar

Governo de São Paulo autoriza concessão do Trem Intercidades

Visualizar

Crusoé: O que está em disputa nas eleições na África do Sul

Visualizar

Projeto para designar UNRWA como organização terrorista avança em Israel

Visualizar

Tags relacionadas

Dmitry Medvedev Emmanuel Macron guerra na Ucrânia Joe Biden Lula Olaf Scholz Rishi Sunak Torre Eiffel Ursula von der Leyen Volodymyr Zelensky
< Notícia Anterior

Navios de guerra iranianos voltarão à costa brasileira

24.02.2023 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

Alertas de desmatamento na Amazônia batem recorde em fevereiro

24.02.2023 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Redação O Antagonista

Suas redes

Instagram

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (0)

Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

Arqueólogos descobrem desenhos feitos por crianças em Pompeia

Arqueólogos descobrem desenhos feitos por crianças em Pompeia

29.05.2024 16:13 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Mãe de Beyoncé conta que cantora sofria bullying na infância

Mãe de Beyoncé conta que cantora sofria bullying na infância

29.05.2024 16:11 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Crusoé: O que está em disputa nas eleições na África do Sul

Crusoé: O que está em disputa nas eleições na África do Sul

29.05.2024 16:08 2 minutos de leitura
Visualizar notícia
Projeto para designar UNRWA como organização terrorista avança em Israel

Projeto para designar UNRWA como organização terrorista avança em Israel

29.05.2024 16:00 2 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.