Legalização da eutanásia: a nova bandeira de Emmanuel Macron Legalização da eutanásia: a nova bandeira de Emmanuel Macron
O Antagonista

Legalização da eutanásia: a nova bandeira de Emmanuel Macron

avatar
Catarina Rochamonte
3 minutos de leitura 11.03.2024 10:28 comentários
Mundo

Legalização da eutanásia: a nova bandeira de Emmanuel Macron

A lei que obrigará o Estado a ajudar o indivíduo que quer antecipar sua morte é descrita pelo presidente francês como “uma lei de fraternidade, que concilia a autonomia do indivíduo e a solidariedade da nação”

avatar
Catarina Rochamonte
3 minutos de leitura 11.03.2024 10:28 comentários 0
Legalização da eutanásia: a nova bandeira de Emmanuel Macron
Reprodução/Instagram

Em entrevista conjunta aos jornais La Croix e Libération, o presidente francês, Emmanuel Macron, anunciou que enviará ao Conselho de Estado um projeto de lei para a “morte assistida” sob “condições estritas” e que espera uma primeira leitura do texto na Assembleia Nacional em maio.

Assim como a palavra aborto foi substituída pelos franceses pela sigla IVG (Interrupção voluntária da gravidez) e a sua inclusão na Constituição como um direito se deu por meio do confuso parágrafo segundo o qual “a lei determina as condições em que se exerce a liberdade da mulher, que lhe é garantida, de recorrer à interrupção voluntária da gravidez”, o processo de legalização da eutanásia também passará por uma maquiagem retórica a fim de que o verniz eufemístico disfarce um pouco a imoralidade da nova lei.

As palavras são importantes e devemos tentar nomear bem a realidade sem criar ambiguidades”, afirma Macron, ao criar ambiguidade sobre um procedimento que ele não quer nomear bem justamente para disfarçar a realidade.

No lugar de “eutanásia” ou “suicídio assistido”, o texto encaminhado por Macron usará a expressão “morte assistida”. A lei que obrigará o Estado a ajudar o indivíduo que quer antecipar sua morte é descrita pelo presidente francês como “uma lei de fraternidade, que concilia a autonomia do indivíduo e a solidariedade da nação”.

Na referida entrevista, Macron afirma ter chegado à conclusão de que a lei Claeys-Leonetti é insuficiente.

O que diz essa lei? Adotada em 2016, a lei reafirma a interdição à obstinação irracional de insistir de maneira despropositada e desproporcional em tratamentos que não terão outro efeito senão manter artificialmente a vida. Ela dá ao paciente terminal o direito de aceitar ou recusar o tratamento. A lei permite até mesmo uma sedação profunda e contínua até o falecimento natural. A única coisa que a lei Claeys-Leonetti não permite é induzir artificialmente o paciente à morte. É esse ponto que a nova lei de Macron pretende ajustar.

Segundo o presidente, a lei não alcança, por exemplo, um paciente com câncer terminal que queira pôr fim à própria vida: “Podemos pensar nos casos de pacientes que sofrem de câncer terminal, alguns dos quais são obrigados a ir para o estrangeiro para serem apoiados”.

Serem apoiados aqui não quer dizer receberem apoio psicológico e tratamento paliativo adequado, mas receberem apoio do Estado para pôr termo à própria vida.

Macron não acha que o termo “suicídio assistido” corresponda bem ao que ele afirma ser a “escolha livre e incondicional de uma pessoa de dispor de sua vida”. Ora, essa afirmação é justamente a fundamentação (i)moral do suicídio. O termo, portanto, é apropriado.

O presidente francês referiu-se a um trecho do novo projeto de lei para explicar melhor como se dará a “morte assistida”: “A administração da substância letal é realizada pela própria pessoa ou, quando esta não tiver condições físicas, a seu critério, por voluntário designado por ela quando não existam restrições técnicas que a impeçam, ou pelo médico ou enfermeiro que os acompanha. »

Ou seja, trata-se de um suicídio assistido ou de um assassinato consentido.

Esportes

Zubeldía pode deixar o São Paulo rumo a seleção argentina

29.05.2024 14:00 3 minutos de leitura
Visualizar

Daniel Alves consegue primeiro cliente em sua nova empresa

Visualizar

Pessoa morre sugada por turbina de avião em Amsterdã

Visualizar

Flamengo negocia com Thiago Alcântara, ex-Liverpool

Visualizar

Crusoé: Toffoli, o ministro mais mal avaliado do STF

Visualizar

Carlo Ancelotti anuncia que irá se aposentar no Real Madrid

Visualizar

Tags relacionadas

Emannuel Macron eutanásia
< Notícia Anterior

Briga por suposta traição termina em tentativa de Homicídio

11.03.2024 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

Cuca fala sobre condenação na Suíça e reconhece erros: "o que a sociedade espera de mim"

11.03.2024 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Catarina Rochamonte

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (0)

Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

Pessoa morre sugada por turbina de avião em Amsterdã

Pessoa morre sugada por turbina de avião em Amsterdã

29.05.2024 13:32 2 minutos de leitura
Visualizar notícia
Crusoé: Itamaraty "saúda" países europeus por reconhecimento do Estado palestino

Crusoé: Itamaraty "saúda" países europeus por reconhecimento do Estado palestino

29.05.2024 12:31 2 minutos de leitura
Visualizar notícia
Relatório detalha turbulência severa em voo para Singapura

Relatório detalha turbulência severa em voo para Singapura

29.05.2024 12:25 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
A "Diplomacia do Panda" chinesa tem EUA como novo alvo

A "Diplomacia do Panda" chinesa tem EUA como novo alvo

29.05.2024 12:22 3 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.