A Europa "empoderou" 3 mulheres. E elas não são de esquerda A Europa "empoderou" 3 mulheres. E elas não são de esquerda
O Antagonista

A Europa “empoderou” 3 mulheres. E elas não são de esquerda

avatar
Redação O Antagonista
5 minutos de leitura 10.06.2024 11:33 comentários
Mundo

A Europa “empoderou” 3 mulheres. E elas não são de esquerda

Ursula von der Leyen, a presidente da Comissão Europeia, Giorgia Meloni, a primeira-ministra de Itália, e Marine Le Pen, líder populista francesa tornaram-se as figuras centrais da política europeia

avatar
Redação O Antagonista
5 minutos de leitura 10.06.2024 11:33 comentários 2
A Europa “empoderou” 3 mulheres. E elas não são de esquerda
Reprodução/Instagram

Num mundo perigoso, a confortável e velha Europa encontra-se numa posição alarmante. Na Ucrânia, a guerra mais sangrenta do continente desde 1945 continua, enquanto a Rússia representa uma ameaça desde os países bálticos até ao ciberespaço. Se Donald Trump regressar à Casa Branca, poderá minar a Otan, a base da segurança europeia. A economia do continente é vulnerável aos choques causados pela política industrial e pelo protecionismo noutros locais. Os populistas eurocéticos estão em alta nas sondagens.

Para enfrentar estes perigos, a Europa precisa, no mínimo, de uma liderança coerente na UE. Também precisa manter os extremistas fora do poder. O sucesso depende, em parte, das escolhas de três mulheres: Ursula von der Leyen, a presidente da Comissão Europeia, Giorgia Meloni, a primeira-ministra de Itália, e Marine Le Pen, a principal populista francesa.

Ursula von der Leyen

Ursula von der Leyen lidera o braço executivo da UE desde 2019 e se candidata em 2024 a um segundo mandato.

Ela orientou a forte resposta coletiva da UE à agressão de Vladimir Putin e está ajudando a aprofundar a integração europeia num momento crucial promovendo, por exemplo, um programa inovador para emitir dívida comum.

Conservadora alemã prudente, ela também colocou a Comissão Europeia no centro da tomada de decisões quando as relações franco-alemãs se revelaram delicadas.

Em teoria, ela desfruta do apoio dos grupos conservadores, liberais e socialistas que formam o establishment político. Mas porque a política se tornou tão fragmentada, a sua vitória ainda não está garantida. É concebível que não seja encontrada nenhuma maioria parlamentar para a von der Leyen ou qualquer outro candidato à presidência da comissão. Isso desencadearia uma crise constitucional no pior momento, quando a Ucrânia está em apuros e uma possível presidência de Trump se aproxima.

Após o resultado das eleições europeias, a negociação poderá arrastar-se durante meses e testará a habilidade de von der Leyen.

Giorgia Meloni

Meloni é primeira-ministra da Itália desde 2022 e líder do partido de direita, Fratelli d´Italaia, que deixou de ser uma força insurgente para governar o país. Ela teve um excelente desempenho das eleições da UE.

Com o seu apoio, von der Leyen poderá ter mais possibilidade de obter uma maioria parlamentar para um segundo mandato no cargo mais importante da UE. A ideia, porém, de acordo com o partido de Meloni provocou indignação em figuras do establishment, incluindo alguns do Partido Social Democrata, no poder, na Alemanha, e do partido de Emmanuel Macron, na França. Para eles, a Sra. Meloni está além dos limites razoáveis.

A despeito de algumas posições políticas questionáveis o histórico de Meloni não é propriamente a de um incendiário político. Ela fez causa comum com von der Leyen em questões como a imigração ilegal; as duas fizeram visitas conjuntas aos países do norte de África, estabelecendo acordos com autocratas para conter o fluxo.

Ela tem sido uma forte apoiadora da Ucrânia, ao contrário de alguns dos seus colegas da direita populista. O seu partido trava guerras culturais em casa, mas no que diz respeito à segurança e à economia ela tem governado a Itália como uma pragmática. Portanto, não parece fazer muito sentido excluí-la da corrente política dominante sob a rotulação pejorativa e reducionista de “extrema direita”.

Além disso, chegar a um acordo com ela poderia ter uma vantagem adicional: dividir a direita populista entre os seus elementos mais moderados e extremistas.

Marine Le Pen

O partido de Le Pen, o Rassemblement Nacional (RN), teve um bom desempenho nas eleições europeias. Le Pen tentou mostrar-se um pouco mais moderada, afastando-se, por exemplo do partido de extrema direita da Alemanha AfD, mas ela é de fato, é uma figura mais controversa e incendiária sobre a qual pesa uma longa história de xenofobia e de bajulação da Rússia.

Seu objetivo é criar um megagrupo de nacionalistas que possa puxar fortemente a Europa para a direita.

O peso de Meloni

Para fazer isso, ela quer trazer para perto de si Meloni, que, pelo que se vê, acaba pesando como o fiel da balança. Meloni mais perto de von der Leyen pode significar um parlamento europeu mais moderado; Meloni mais perto de Le Pen pode significar um parlamento europeu mais radicalizado à direita.

A questão já não é se os populistas podem ser contidos. É como responder à sua ascensão. Meloni está mantendo suas cartas fechadas. Se ela não ver nada a ganhar trabalhando com o centro, poderá sentir-se tentada a trabalhar com Le Pen. Essa é uma escolha que pode desestabilizar a UE e ajudar a criar um movimento de extrema-direita unido e pan-continental.

Enquanto caminha na corda bamba entre as forças do centro e da extrema-direita, o próximo passo de Meloni poderá ter consequências profundas para o futuro caminho político da Europa.

Mundo

Crusoé: como Ramaphosa conseguiu se manter no poder

16.06.2024 15:38 1 minuto de leitura
Visualizar

Aviação executiva tem crescimento exponencial no Brasil

Visualizar

CRICIÚMA X BAHIA: confira os horários e onde assistir ao jogo do Brasileirão

Visualizar

Pelo menos 20 mil pessoas foram resgatadas no Rio Grande do Sul

Visualizar

CUIABÁ X FORTALEZA: confira os horários e onde assistir ao jogo do Brasileirão

Visualizar

Abraços ajudam a diminuir hormônio do estresse

Visualizar

Tags relacionadas

Giorgia Meloni Marine Le Pen Parlamento Europeu Ursula von der Leyen
< Notícia Anterior

Isenção de Imposto para militares: doenças graves ajudam a economizar

10.06.2024 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

5 dicas para você se sair bem em concurso público; confira

10.06.2024 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Redação O Antagonista

O Antagonista é um dos principais sites jornalísticos de informação e análise sobre política do Brasil. Sua equipe é composta por jornalistas profissionais, empenhados na divulgação de fatos de interesse público devidamente verificados e no combate às fake news.

Suas redes

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (2)

Maglu Oliveira

2024-06-10 13:51:12

Mas quem disse a frase "Wir schaffen es" (nós vamos conseguir) sobre trazer milhões de refugiados pra Europa e principalmente para a Alemanha (hoje são 3 milhões) foi a amiga e parceira política da Ursula von der Leyen, a ex chanceler Angela Merkel. Portanto, tão sem culpa a senhora, médica e mãe de 7 filhos, a ainda presidente da UE não é. Na Alemanha e em toda a Europa a direita, aquela que ninguém gostaria de ter no poder (AfD, Marie Le Pen e outros) ganhou ontem, eleição geral na Europa, muito espaço. Agora durma-se com um barulho desses!!!!


Jurandir Santana

2024-06-10 12:13:20

Se fossem de esquerda seria onda democrática. Europa acordando da lacração progressista


Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

Crusoé: como Ramaphosa conseguiu se manter no poder

Crusoé: como Ramaphosa conseguiu se manter no poder

16.06.2024 15:38 1 minuto de leitura
Visualizar notícia
Abraços ajudam a diminuir hormônio do estresse

Abraços ajudam a diminuir hormônio do estresse

16.06.2024 15:00 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Homens comem mais carne do que mulheres

Homens comem mais carne do que mulheres

16.06.2024 14:45 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Mudanças Climáticas: estudo relaciona aumento de enxaquecas ao excesso de calor

Mudanças Climáticas: estudo relaciona aumento de enxaquecas ao excesso de calor

16.06.2024 14:24 2 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.