Atleta abandona torneio em defesa do esporte feminino Atleta abandona torneio em defesa do esporte feminino
O Antagonista

Atleta abandona torneio em defesa do esporte feminino

avatar
Alexandre Borges
5 minutos de leitura 07.05.2024 12:23 comentários
Cultura

Atleta abandona torneio em defesa do esporte feminino

"Não estou doente. Eu disse que não jogaria contra um homem em um evento feminino", afirmou a britânica Deta Hedman

avatar
Alexandre Borges
5 minutos de leitura 07.05.2024 12:23 comentários 7
Atleta abandona torneio em defesa do esporte feminino
Foto: Reprodução

A atleta britânica de dardos, Deta Hedman, tomou uma decisão histórica ao desistir de sua participação no Denmark Open, recusando-se a competir contra adversário transgênero Noa-Lynn van Leuven nas quartas de final.

Hedman, enfrentando a situação com convicção, esclareceu que sua retirada não estava ligada a questões de saúde, mas sim a uma posição em defesa da integridade das competições femininas. “Não estou doente. Eu disse que não jogaria contra um homem em um evento feminino”, afirmou em uma postagem que ressoou fortemente em suas redes sociais.

Este ato, que Hedman classifica como um sacrifício pessoal em prol da equidade no esporte feminino, foi complementado por sua recusa em aceitar qualquer compensação financeira que pudesse remediar a perda decorrente de sua desistência.

A Darts Regulation Authority, em conjunto com a Professional Darts Corporation (PDC), segue as diretrizes do Comitê Olímpico Internacional que permitem a participação de atletas trans, desde que atendam critérios específicos de testosterona e tempo de transição. No entanto, Hedman e seus apoiadores veem sua decisão como um ato de defesa dos direitos e do espaço competitivo das mulheres no esporte.

Atletas femininas processam associação contra transgêneros no esporte

Mais de uma dúzia de atletas estão movendo uma ação coletiva contra a Associação Nacional Atlética Colegial (NCAA) por conta da inclusão de atletas transgêneros em competições esportivas femininas e o uso dos mesmos vestiários.

Lia Thomas, uma atleta trans que se destacou nas competições de natação da NCAA em 2022 enquanto estudava na Universidade da Pensilvânia, está no centro do processo. O processo alega que tanto a NCAA quanto o Georgia Tech, anfitrião do evento, violaram o Título IX, estatuto federal que garante igualdade de oportunidades para homens e mulheres no esporte e na educação colegial.

O processo busca alterar as regras para tornar os homens biológicos inelegíveis para competir contra atletas femininas, exigindo a revogação de todos os prêmios concedidos a atletas trans em competições femininas e a devolução às verdadeiras vencedoras.

A ação solicita também “indenizações por dor e sofrimento, angústia mental e emocional, sofrimento e ansiedade, custos de despesas e outros danos devido à conduta indevida dos réus”.

Em 2022, Thomas ganhou o título dos 500 jardas livres no Campeonato de Natação e Mergulho Feminino da Divisão I da NCAA e foi nomeada All-American em todos os três eventos em que participou.

Thomas competiu anteriormente na equipe masculina de natação da Universidade da Pensilvânia de 2017 a 2020, mas não venceu campeonatos da NCAA durante esse tempo. Após dois anos de terapia hormonal, Thomas mudou para a equipe feminina, superando as competidoras femininas em corridas de sprint e resistência.

O processo critica a NCAA por “destruir espaços seguros femininos nos vestiários das mulheres”, violando a Décima Quarta Emenda. Alega-se que a associação permite que “homens nus possuindo genitália masculina completa se desvistam na frente de mulheres universitárias não-consentidas”, criando “situações em que atletas universitárias femininas involuntariamente ou relutantemente expuseram seus corpos nus a homens, submetendo mulheres à perda de seu direito constitucional à privacidade corporal”.

Entre as atletas que se juntaram ao processo estão Kylee Alons, que nadou pela Universidade Estadual da Carolina do Norte, e Riley Gaines e Kaitlynn Wheeler, ambas da Universidade de Kentucky, que expressaram desconforto e violação de privacidade devido à presença de Thomas nos vestiários femininos.

O processo, organizado pelo Conselho Independente de Esportes Femininos, argumenta que a decisão da NCAA de permitir que Thomas competisse contra mulheres é baseada na “premissa ilegal” de que “a supressão de testosterona e a escolha pessoal sozinhas podem tornar um homem elegível para competir em uma equipe esportiva feminina”.

Afirma-se que as regras da associação permitem que “homens compitam em equipes femininas com um nível de testosterona cinco vezes maior que o nível mais alto registrado de testosterona para atletas femininas de elite”.

Riley Gaines, que empatou com Thomas na final dos 200 jardas livres no Campeonato de 2022, criticou a NCAA por comprometer tudo o que o Título IX foi criado para proteger, afirmando que “em vez disso, a NCAA tem discriminado abertamente as mulheres”.

O processo, apresentado em um tribunal federal na Geórgia onde os campeonatos de 2022 ocorreram, poderia afetar as regras de elegibilidade em todas as 1.100 faculdades e universidades representadas pela NCAA, potencialmente barrando todos os atletas nascidos como homens de competirem nos esportes femininos.

Associação de atletismo universitário dos EUA proíbe atletas trans em esportes femininos (oantagonista.com.br)

Meninas barradas em competição após protesto pacífico contra atleta trans (oantagonista.com.br)

Brasil

Porto Alegre enfrenta lixo e entulho após Guaíba baixar

20.05.2024 11:53 3 minutos de leitura
Visualizar

“Ultrajante”, diz presidente de Israel sobre pedido de prisão de Netanyahu

Visualizar

Detentos do RS criam móveis para auxiliar vítimas de enchentes

Visualizar

Onde assistir Fluminense x Palmeiras: confira detalhes do Campeonato Feminino

Visualizar

Abacaxi Rubyglow: Uma "fruta premium" por 2 mil reais

Visualizar

De mal a pior: veja como estão as perspectivas econômicas

Visualizar

< Notícia Anterior

Onde assistir aos jogos de hoje, 07/05, na TV e streaming

07.05.2024 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

Tragédia em George: Prédio desaba e deixa mortos e desaparecidos

07.05.2024 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Alexandre Borges

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (7)

FRANCISCO JUNIOR

2024-05-09 22:47:27

Exato Clayton!


GIL FERREIRA FERNANDEZ

2024-05-07 17:05:46

Por que não criam logo uma terceira categoria, como uma LGBT+?


Marcelo Augusto Monteiro Ferraz

2024-05-07 14:18:43

Parabéns, Deta Hedman! 👏👏👏👏


Marcelo Augusto Monteiro Ferraz

2024-05-07 14:17:20

Concordo, Clayton!


Pedro Boer

2024-05-07 13:15:18

Ou mistura tudo...


Pedro Boer

2024-05-07 13:13:21

Durante anos as competições fieam divididas entre feminino e masculino. Penso que os LGBT X Y deveri criar associações especificas para cad letra.. A inclusão seria.natural.


Clayton De Souza pontes

2024-05-07 12:46:01

Os atletas trans podem continuar competindo no masculino, sem causar toda essa complicação claramente injusta no feminino , mas parece que querem mesmo é ganhar mais facilmente


Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

“Ultrajante”, diz presidente de Israel sobre pedido de prisão de Netanyahu

“Ultrajante”, diz presidente de Israel sobre pedido de prisão de Netanyahu

20.05.2024 11:51 2 minutos de leitura
Visualizar notícia
Onde assistir Fluminense x Palmeiras: confira detalhes do Campeonato Feminino

Onde assistir Fluminense x Palmeiras: confira detalhes do Campeonato Feminino

20.05.2024 11:45 2 minutos de leitura
Visualizar notícia
Abacaxi Rubyglow: Uma "fruta premium" por 2 mil reais

Abacaxi Rubyglow: Uma "fruta premium" por 2 mil reais

20.05.2024 11:39 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Javier Milei não vai pedir desculpas ao governo espanhol

Javier Milei não vai pedir desculpas ao governo espanhol

20.05.2024 11:30 2 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.