O Antagonista

Campos Neto aponta “ruídos” ao comentar decisão sobre juros

avatar
Redação O Antagonista
3 minutos de leitura 02.07.2024 13:00 comentários
Economia

Campos Neto aponta “ruídos” ao comentar decisão sobre juros

O presidente do Banco Central explicou que incertezas fiscais e de política monetária levaram à manutenção da Selic em 10,5%

avatar
Redação O Antagonista
3 minutos de leitura 02.07.2024 13:00 comentários 0
Campos Neto aponta “ruídos” ao comentar decisão sobre juros
Foto: Raphael Ribeiro/BCB

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto (foto), declarou nesta terça-feira, 2, que a decisão de interromper o ciclo de reduções na taxa de juros foi motivada por “ruídos” relacionados às expectativas sobre a trajetória fiscal e a política monetária do Brasil.

“Isso (queda de juros) teve muito mais a ver com muitos ruídos que criamos do que com os fundamentos. E os ruídos estão relacionados a duas coisas, uma é a expectativa na trajetória da política fiscal e a outra é a expectativa sobre o futuro da política monetária. Quando tivemos esses dois ao mesmo tempo, isso criou incerteza suficiente para nós“, afirmou Campos Neto durante sua participação no Fórum sobre Bancos Centrais, promovido pelo Banco Central Europeu (ECB) em Portugal.

Na última reunião, o Copom decidiu manter a taxa básica de juros (Selic) em 10,5% ao ano, após sete cortes consecutivos iniciados em agosto do ano anterior, quando a taxa estava em 13,75%. A decisão de interromper o ciclo de quedas foi contrária ao desejo do presidente Lula, que vem criticando a decisão do banco e afirma “não ver explicação” para manter a Selic nesse patamar.

De onde surgiram os “ruídos

Campos Neto destacou que esses “ruídos” surgiram do desalinhamento entre os dados fiscais e as expectativas de melhoria dos indicadores econômicos. “Precisávamos interromper e ver como podemos consertar as expectativas e nos comunicar melhor para que possamos eliminar esses ruídos, porque existe uma grande desconexão com os dados atuais, tanto os dados fiscais quanto os de inflação e a expectativa. Então, o que aconteceu no Brasil é que a expectativa começou a se ancorar, mesmo que os dados atuais estejam vindo conforme o esperado“, completou ele.

De acordo com reportagem do O Globo, a ata da reunião, publicada dois dias após o encontro, indicou que a taxa básica de juros não deve cair tão cedo diante da deterioração do cenário observado pelo comitê para a inflação, como o cenário externo “adverso” e a atividade econômica mais forte. Além disso, reafirmou a necessidade de se manter uma “política fiscal crível”.

Contexto econômico e implicações futuras

Campos Neto enfatizou a importância de estabilizar as expectativas do mercado e alinhar a comunicação do Banco Central com os dados reais da economia. A manutenção da taxa de juros visa também a proteção contra uma possível escalada inflacionária, que poderia ser exacerbada por um cenário global incerto e uma atividade econômica doméstica aquecida.

Analistas do mercado financeiro destacam que a credibilidade da política fiscal é crucial para a confiança dos investidores e a estabilidade econômica a longo prazo. A postura do Banco Central é vista como um esforço para consolidar essa credibilidade e garantir que as expectativas de inflação permaneçam ancoradas.

Por outro lado, a pressão política para a redução dos juros deve continuar, especialmente por parte do governo federal, que busca estimular o crescimento econômico através de custos de financiamento mais baixos. A divergência entre as prioridades políticas e a política monetária do Banco Central pode gerar debates intensos nos próximos meses, testando a independência da autoridade monetária.

Mais Lidas

1

TSE vai endossar farsa eleitoral de Maduro por Lula?

Visualizar notícia
2

É tudo culpa da Casa Civil

Visualizar notícia
3

Inspirado por Biden, Datena ensaia ‘datenar’

Visualizar notícia
4

Se a ideologia woke fosse uma pessoa, seria Kamala Harris

Visualizar notícia
5

Luiz Inácio “biruta de aeroporto” da Silva

Visualizar notícia
6

"Democratas colhem o que plantaram"

Visualizar notícia
7

Atletas zombam da falta de conforto na Vila Olímpica

Visualizar notícia
8

Kamala Harris recusa convite para presidir sessão com Netanyahu

Visualizar notícia
9

Censura na EBC na mira da Câmara

Visualizar notícia
10

Celso Amorim é mais que “observador” da farsa eleitoral de Maduro

Visualizar notícia

Tags relacionadas

Banco Central juros Lula Roberto Campos Neto Selic taxa básica de juros
< Notícia Anterior

França: segurança espancado e crianças judias ameaçadas

02.07.2024 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

Alerta Vermelho: Furacão Beryl deixa primeira morte no Caribe

02.07.2024 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Redação O Antagonista

Suas redes

Instagram

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (0)

Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

Empreendedorismo e assistência social: a conexão entre MEI e CadÚnico

Empreendedorismo e assistência social: a conexão entre MEI e CadÚnico

23.07.2024 11:05 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Seis empresas abrem temporada de resultados do Ibovespa

Seis empresas abrem temporada de resultados do Ibovespa

23.07.2024 11:04 2 minutos de leitura
Visualizar notícia
Carrefour reverte prejuízo e tem lucro de R$ 151 mi no 2º tri

Carrefour reverte prejuízo e tem lucro de R$ 151 mi no 2º tri

23.07.2024 10:08 2 minutos de leitura
Visualizar notícia
Novo incremento no FGTS: saiba como funciona

Novo incremento no FGTS: saiba como funciona

23.07.2024 09:30 3 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.