O Antagonista

“Desde o Holocausto, as ideologias antissemitas nunca foram tão poderosas”

avatar
Alexandre Borges
3 minutos de leitura 10.07.2024 11:26 comentários
Cultura

“Desde o Holocausto, as ideologias antissemitas nunca foram tão poderosas”

Uma reflexão sobre a dissonância entre a educação sobre o Holocausto e a persistência do antissemitismo no mundo atual

avatar
Alexandre Borges
3 minutos de leitura 10.07.2024 11:26 comentários 1
“Desde o Holocausto, as ideologias antissemitas nunca foram tão poderosas”
Foto: Arquivo Federal Alemão

O jornalista e escritor canadense Matti Friedman publicou artigo intitulado “Nós entendemos mal os nazistas” no site The Free Press nesta terça, 9. Friedman explora a dissonância entre a educação sobre o Holocausto e a persistência do antissemitismo no mundo atual.

Friedman observa a profusão de livros sobre Auschwitz nas prateleiras das livrarias e questiona: “como a mesma cultura que produz documentários de seis horas sobre os nazistas também está gerando tudo o que estamos vendo?” Ele destaca que, apesar dos esforços de educação, “desde o Holocausto, as ideologias antissemitas nunca foram tão poderosas, tão próximas da superfície ou tão perigosas”.

O jornalista relata sua experiência assistindo à série documental da Netflix Hitler and the Nazis: Evil on Trial, que, apesar de detalhar tecnicamente os horrores nazistas, não consegue explicar “o mecanismo mental que levou pessoas inteligentes a se envolverem em tal barbárie”. Segundo ele, o foco excessivo na logística do genocídio nazista nos distancia da compreensão do “porquê” de sua ocorrência.

Friedman enfatiza a falha da educação sobre o Holocausto em prevenir o antissemitismo contemporâneo. Ele cita a autora Dara Horn, que argumenta que transformar o Holocausto em uma narrativa genérica sobre preconceito “deixou os receptores sem compreensão do problema específico enfrentado pelos judeus”. Esta visão, segundo ele, foi confirmada pelos eventos após o massacre de 7 de outubro, que revelaram a inadequação dessa educação em gerar empatia pelos judeus de hoje.

Ao longo do artigo, o autor critica a romantização inadvertida dos nazistas em produtos culturais, que os retratam como “vilões fortes, homens de ação”, enquanto os judeus aparecem apenas como vítimas passivas. Ele sugere que entender a persistente hostilidade contra os judeus requer uma perspectiva histórica mais profunda e um reconhecimento de padrões repetitivos de perseguição.

Ele argumenta que a contínua repetição de narrativas do Holocausto sem uma verdadeira compreensão dos motivos subjacentes permite que as mesmas ideologias antissemitas ressurjam sob novas formas. Ele alerta que a memória do judaísmo, presente em seus textos antigos, oferece insights valiosos que podem ajudar a compreender e combater o antissemitismo moderno.

Quem é Matti Friedman

Matti Friedman é um jornalista e autor canadense-israelense, conhecido por suas contribuições como colunista para o The New York Times e Tablet Magazine. Nascido em uma família judaica canadense, Friedman cresceu em Toronto e imigrou para Israel aos 17 anos. Ele serviu nas Forças de Defesa de Israel durante o conflito no sul do Líbano, experiência que inspirou seu livro Pumpkinflowers: A Soldier’s Story of a Forgotten War.

Friedman trabalhou como repórter e editor para a Associated Press em Jerusalém, cobrindo também países como Egito, Marrocos, Líbano, Rússia e Estados Unidos. Ele ganhou destaque com ensaios criticando o viés anti-Israel na mídia internacional.

Entre suas obras mais conhecidas estão The Aleppo Codex: A True Story of Obsession, Faith and the Pursuit of an Ancient Bible, vencedor do Prêmio Sami Rohr de Literatura Judaica, e Spies of No Country: Secret Lives at the Birth of Israel, vencedor do Natan Book Award. Seu livro mais recente é Who by Fire: Leonard Cohen in the Sinai, sobre o famoso músico canadense.

Friedman reside em Jerusalém com sua esposa e três filhos.

Mais Lidas

1

Filmes novos vs filmes antigos 

Visualizar notícia
2

Celso Amorim toma invertidas, nos EUA, ao relativizar ditaduras

Visualizar notícia
3

Que tal taxar os memes de Haddad?

Visualizar notícia
4

Michelle Bolsonaro aciona STF contra Gleisi Hoffmann

Visualizar notícia
5

Israel bombardeia porto no Iêmen após ataque em Tel Aviv

Visualizar notícia
6

Trump promete a Zelensky “acabar com a guerra”

Visualizar notícia
7

Atirador usou drone sobre local horas antes de atentado a Trump

Visualizar notícia
8

Zema vê Tarcísio como “nome mais forte” da direita para 2026

Visualizar notícia
9

Memes sobre Haddad e intolerância ao contraditório

Visualizar notícia
10

Idosa é presa por ser stalker de policial

Visualizar notícia

< Notícia Anterior

Abono Salarial: saiba tudo sobre o calendário do PIS/Pasep e garanta seu dinheiro

10.07.2024 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

Moove, da Cosan, entra com pedido para IPO nos EUA

10.07.2024 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Alexandre Borges

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (1)

Marcia Elizabeth Brunetti

2024-07-11 11:43:33

Os extremistas de esquerda banalizaram a palavra Nazismo. Para eles hoje, bastou ser contra seus ideais já são considerados nazistas. Perguntemos a esses indivíduos - pelo menos aos brasileiros - se eles conhecem e história da 2ª Guerra. Não sabem nem mesmo sobre nossa história.


Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

Nova lei californiana impede escolas de informar os pais sobre a orientação sexual dos filhos

Nova lei californiana impede escolas de informar os pais sobre a orientação sexual dos filhos

Alexandre Borges
19.07.2024 09:23 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Filha do emir de Dubai anuncia divórcio no Instagram

Filha do emir de Dubai anuncia divórcio no Instagram

19.07.2024 09:07 2 minutos de leitura
Visualizar notícia
De jogador medíocre a rei do tráfico, a história de Sebastián Marset

De jogador medíocre a rei do tráfico, a história de Sebastián Marset

Alexandre Borges
18.07.2024 10:35 2 minutos de leitura
Visualizar notícia
Bruninho Samudio, filho de Bruno e Eliza, assina com o Botafogo

Bruninho Samudio, filho de Bruno e Eliza, assina com o Botafogo

Alexandre Borges
18.07.2024 07:33 2 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.