Motorista do Porsche vira réu, mas segue solto Motorista do Porsche vira réu, mas segue solto
O Antagonista

Motorista do Porsche vira réu, mas segue solto

avatar
Redação O Antagonista
4 minutos de leitura 30.04.2024 13:40 comentários
Brasil

Motorista do Porsche vira réu, mas segue solto

O juiz que analisou o caso, alegou que não prendeu o réu por falta de provas concretas, baseando-se apenas em suposições e temores abstratos

avatar
Redação O Antagonista
4 minutos de leitura 30.04.2024 13:40 comentários 0
Motorista do Porsche vira réu, mas segue solto
Foto: Reprodução

A Justiça indeferiu o terceiro pedido de prisão feito pela Polícia Civil e pelo Ministério Público (MP) contra o empresário Fernando Sastre de Andrade Filho que era condutor do Porsche envolvido em um acidente de trânsito que resultou em uma morte e um ferido, no mês passado, na Zona Leste de São Paulo.

No entanto, o juiz Roberto Zanichelli Cintra, da 1ª Vara do Júri, aceitou a denúncia do MP e tornou o empresário réu por homicídio doloso qualificado e lesão corporal gravíssima, ambos na modalidade por dolo eventual. Essa modalidade significa assumir o risco de matar e ferir.

De acordo com o magistrado, o pedido de prisão preventiva foi negado por falta de provas concretas, baseando-se apenas em suposições e temores abstratos.

Com essa decisão, Fernando responderá aos crimes em liberdade. Posteriormente, o juiz marcará uma audiência de instrução para ouvir as testemunhas do caso e interrogar o acusado.

Após essa etapa do processo, o réu poderá ser pronunciado e submetido a júri popular. Se condenado, ele poderá cumprir pena de mais de 20 anos de prisão.

Prisão preventiva

O 30º Distrito Policial (DP), no Tatuapé, e a Promotoria solicitaram à Justiça a prisão preventiva do empresário, com o objetivo de mantê-lo detido até o julgamento. Segundo a investigação e o MP, Fernando assumiu o risco de matar o motorista de aplicativo Ornaldo da Silva Viana e de ferir gravemente o estudante de medicina Marcus Vinicius Machado Rocha, informa reportagem do G1.

A acusação argumenta que ele estava dirigindo em alta velocidade, conforme a perícia, e embriagado, segundo relatos de testemunhas.

Ornaldo dirigia um Sandero que foi atingido na traseira pelo Porsche conduzido por Fernando. Ele foi socorrido, mas não resistiu aos ferimentos e faleceu no hospital.

Marcus é amigo do condutor do veículo de luxo e estava no banco do passageiro no momento do acidente. Ele quebrou quatro costelas, ficou internado por dez dias e precisou passar por uma cirurgia para remover o baço e drenar os pulmões. O amigo já recebeu alta.

O acidente

O acidente ocorreu em 31 de março deste ano na Avenida Salim Farah Maluf, no Tatuapé, Zona Leste, e foi registrado por câmeras de segurança. As imagens mostram o Porsche transitando a 156,4 km/h e colidindo na traseira de um Sandero a 114,8 km/h, de acordo com a Polícia Técnico-Científica. O limite de velocidade na via é de 50 km/h, e Ornaldo estava dentro do limite permitido.

Além disso, testemunhas relataram à Polícia Civil que Fernando havia consumido bebidas alcoólicas momentos antes de dirigir. No entanto, durante o interrogatório policial, ele negou ter bebido.

Os dois pedidos anteriores de prisão contra Fernando, um temporária e outro preventiva, também foram negados pela Justiça.

O que diz o MP?

A promotora Monique Ratton, responsável pela denúncia do MP, defendia que a prisão de Fernando era necessária para evitar que ele influenciasse as testemunhas, como já teria feito durante as investigações. Segundo o comunicado divulgado pelo MP em seu site oficial, por meio da assessoria de imprensa, a prisão seria uma medida preventiva.

De acordo com a denúncia, a prisão deveria ser decretada porque as imagens das câmeras corporais dos policiais militares mostram que Fernando recebeu ajuda da mãe para persuadir os agentes a liberá-lo sem realizar o teste do bafômetro. Esse teste poderia confirmar se ele estava sob efeito de álcool e resultar em sua detenção em flagrante delito, prejudicando assim a investigação.

No entanto, o Ministério Público não acusou Fernando de fugir do local do acidente, como sugerido pela Polícia Civil. Isso ocorre porque, na visão da promotora, o motorista do Porsche deixou o local com a autorização da Polícia Militar (PM), que atendeu a ocorrência.

Os policiais militares liberaram Fernando sem submetê-lo ao teste do bafômetro após sua mãe, Daniela Cristina de Medeiros Andrade, convencer os agentes de que levaria o filho por conta própria a um hospital. Ela afirmou que o rapaz estava ferido na boca. No entanto, ela não o levou para receber atendimento médico.

No relatório final, o 30º DP informou que Daniela auxiliou Fernando na fuga, mas ela não foi indiciada pelo crime. O MP também não a responsabilizou criminalmente.

Análise

Lula continua sendo humilhado por Maduro 

Carlos Graieb
21.05.2024 13:46 3 minutos de leitura
Visualizar

Opositor critica Netanyahu, mas repudia pedido de prisão e comparação com Hamas

Visualizar

Leilão: A bíblia de 1 milhão de Elvis Presley

Visualizar

Crusoé: Após crise diplomática, Milei vai sair para cantar

Visualizar

PF combate fraudes no Enem em Marabá

Visualizar

O "novo cangaço" na mira da polícia em SP

Visualizar

Tags relacionadas

Acidente júri popular Ministério Público Polícia Civil de São Paulo Porsche réu
< Notícia Anterior

Confronto em bar de Esmeralda termina com dois PMs presos

30.04.2024 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

Família encontra mais de 50 mil abelhas no quarto da filha nos EUA

30.04.2024 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Redação O Antagonista

Suas redes

Instagram

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (0)

Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

PF combate fraudes no Enem em Marabá

PF combate fraudes no Enem em Marabá

21.05.2024 13:29 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
O "novo cangaço" na mira da polícia em SP

O "novo cangaço" na mira da polícia em SP

21.05.2024 13:07 2 minutos de leitura
Visualizar notícia
Presidente da FFMS Francisco Cezário é preso por desvio milionário

Presidente da FFMS Francisco Cezário é preso por desvio milionário

21.05.2024 13:04 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Moraes defende "regulamentação internacional" da IA para eleições

Moraes defende "regulamentação internacional" da IA para eleições

21.05.2024 12:46 3 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.