O Antagonista

Moraes vota pela condenação de mais 12 réus do 8 de janeiro

avatar
Redação O Antagonista
3 minutos de leitura 02.02.2024 08:45 comentários
Brasil

Moraes vota pela condenação de mais 12 réus do 8 de janeiro

Relator do caso, o ministro do Supremo Tribunal Federal propôs penas de 12 a 17 anos de prisão para os réus

avatar
Redação O Antagonista
3 minutos de leitura 02.02.2024 08:45 comentários 3
Moraes vota pela condenação de mais 12 réus do 8 de janeiro
Foto: Joedson Alves/Agência Brasil

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), votou nesta sexta-feira, 2, para condenar mais 12 réus pelos atos de 8 de janeiro de 2023.

Relator do caso, o magistrado propôs penas de 12 a 17 anos de prisão para os réus, que foram denunciados pela Procuradoria-Geral da República (PGR) por crimes de abolição violenta do Estado Democrático de Direito, dano qualificado, golpe de Estado, deterioração do patrimônio tombado e associação criminosa.

Quem são os réus em julgamento no STF?

Os 12 réus em julgamento a partir desta sexta são: Layton Costa Cândido Nunes, Tiago Mendes Romualdo, Watlila Socrates Soares do Nascimento, Leonardo Silva Alves Grangeiro, Marcelo Cano, Jorge Luiz dos Santos, Juvenal Alves Albuquerque, Gabriel Lucas Lott Pereira, Robinson Luiz Filemon Pinto Junior, Lucivaldo Pereira de Castro, Marcos dos Santos Rabelo e Manoel Messias Pereira Machado.

Além deles, o Supremo Tribunal Federal deve terminar de julgar até segunda-feira, 5, mais 29 acusados de participar da invasão às sedes dos Três Poderes, em Brasília.

As denúncias são julgadas no plenário virtual do Supremo.

Moraes deveria julgar os réus do 8 de janeiro?

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou que os manifestantes mais exaltados do 8 de janeiro defendiam que ele fosse “preso e enforcado na Praça dos Três Poderes”.

“Eram três planos. O primeiro previa que as Forças Especiais (do Exército) me prenderiam em um domingo e me levariam para Goiânia. No segundo, se livrariam do corpo no meio do caminho para Goiânia. Aí, não seria propriamente uma prisão, mas um homicídio. E o terceiro, de uns mais exaltados, defendia que, após o golpe, eu deveria ser preso e enforcado na Praça dos Três Poderes. Para sentir o nível de agressividade e ódio dessas pessoas, que não sabem diferenciar a pessoa física da instituição”, disse Moraes em entrevista ao jornal O Globo.

O Antagonista questionou o ChatGPT, ferramenta de inteligência artificial da OpenAI, se um ministro do Superior Tribunal de Justiça poderia julgar alguém que atentasse contra a vida dele, como ocorreu com o ministro Alexandre de Moraes, do STF.

Eis o que o ChatGPT respondeu:

No Brasil, se alguém comete um crime contra um ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), o caso normalmente seria julgado pelo próprio STF. No entanto, o ministro vítima do crime seria impedido de julgar o caso, por ser parte diretamente envolvida. Nesse cenário, o caso seria julgado pelos outros ministros do STF, assegurando a imparcialidade do julgamento. A Constituição e as leis brasileiras estabelecem procedimentos claros para garantir que todos os julgamentos sejam justos e imparciais, mesmo em situações onde um membro do próprio tribunal é parte interessada. Se um ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) do Brasil agir de maneira contrária à Constituição, como julgar um caso no qual é parte interessada, ele pode estar sujeito a um processo de impeachment. O processo de impeachment de um ministro do STF é regulamentado pela Lei 1.079/1950 e pela Constituição Brasileira.”

Até o ChatGPT sabe que Moraes é suspeito.

Esportes

Corinthians é eliminado do Paulistão após vitória da Inter de Limeira

02.03.2024 23:06 2 minutos de leitura
Visualizar

Navalny: o sopro de liberdade que desafia Putin

Catarina Rochamonte Visualizar

Confira os adversários de Grêmio e Inter nas quartas de final do Gauchão

Visualizar

Augusto Melo confirma que dívida do Corinthians com Rojas é de R$ 8 milhões

Visualizar

Casal preso por vaquinha online falsa para criança com câncer no RJ

Visualizar

Turista brasileira sofre estupro coletivo na Índia

Visualizar

Tags relacionadas

8 de janeiro Alexandre de Moraes atos de 8 de janeiro
< Notícia Anterior

Erundina não vai para a festa da Marta

02.02.2024 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

Dupla é presa no DF após onda de crimes violentos em Vicente Pires

02.02.2024 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Redação O Antagonista

Suas redes

Instagram

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (3)

Nelson Pereira Cacheta

2024-02-02 09:14:55

Algo está muito errado com a nossa justiça. Alguma coisa tem que acontecer urgentemente de mudança. Até leigo enxerga que algo está de muito errado em nosso país.


Nicolau Archilla Messas

2024-02-02 08:51:53

Por onde anda o nosso congresso nacional diante desses absurdos judiciários a começar do Roda Presa e o Taturana?


Nicolau Archilla Messas

2024-02-02 08:49:04

Enquanto isso Sérgio Cabral condenado a mais de 400 anos de prisão livre, leve e solto. Toffoli perdoa esse bando de ladrões devedores de multas em bilhões. Não acontece nada!.


Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

Casal preso por vaquinha online falsa para criança com câncer no RJ

Casal preso por vaquinha online falsa para criança com câncer no RJ

02.03.2024 21:41 2 minutos de leitura
Visualizar notícia
Influencer é preso por aplicar golpe de criptomoedas

Influencer é preso por aplicar golpe de criptomoedas

02.03.2024 21:30 2 minutos de leitura
Visualizar notícia
Projeto de lei quer Uber com no máximo 12 horas de trabalho

Projeto de lei quer Uber com no máximo 12 horas de trabalho

02.03.2024 21:09 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
“No escuro”, defesa de Bolsonaro reclama de constrangimento

“No escuro”, defesa de Bolsonaro reclama de constrangimento

02.03.2024 19:56 2 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.