Mais 10 viram réus por ligação do PCC com empresa de ônibus Mais 10 viram réus por ligação do PCC com empresa de ônibus
O Antagonista

Mais 10 viram réus por ligação do PCC com empresa de ônibus

avatar
Redação O Antagonista
4 minutos de leitura 25.04.2024 10:42 comentários
Brasil

Mais 10 viram réus por ligação do PCC com empresa de ônibus

Os réus responderão pelos crimes de lavagem de dinheiro, organização criminosa, extorsão e apropriação indébita

avatar
Redação O Antagonista
4 minutos de leitura 25.04.2024 10:42 comentários 0
Mais 10 viram réus por ligação do PCC com empresa de ônibus
Foto: Divulgação/Transwolff

A Justiça de São Paulo acolheu a denúncia do Ministério Público e tornou réus dez dirigentes da empresa de ônibus Transwolff, que presta serviços à Prefeitura de São Paulo. Eles são investigados por suspeita de ligação com a facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC). Os dirigentes responderão pelos crimes de lavagem de dinheiro, organização criminosa, extorsão e apropriação indébita. Agora, eles têm 30 dias para responder às acusações.

A denúncia foi feita pelo Grupo de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e aponta que a Transwolff recebeu mais de R$ 5,3 bilhões da prefeitura desde 2015, ano em que foram assinados os primeiros contratos de concessão com a SPTrans para operar linhas de ônibus nas zonas Sul e Leste da cidade. Três dos denunciados já estão presos, incluindo o dono da Transwolff, Luiz Carlos Efigênio Pacheco.

Segundo o G1, a defesa de Pacheco negou as acusações e afirmou que os recursos utilizados na empresa foram devidamente cadastrados no Banco Central. Os advogados dos outros denunciados também afirmaram que vão provar a inocência de seus clientes durante o processo.

Lucros na forma de dividendos

A investigação revelou que empresas como a Transwolff e a UPBus, outra empresa alvo da operação, utilizavam nomes de laranjas para esconder os verdadeiros donos e contadores para maquiar as transações financeiras, a fim de participarem de licitações públicas. A Receita Federal constatou que as empresas conseguiram misturar dinheiro lícito e ilícito e retirar lucros na forma de dividendos para os sócios.

O Ministério Público determinou a segunda etapa da investigação para descobrir se houve participação de agentes políticos no esquema. Promotores do Gaeco estão reunindo indícios de autoria e materialidade dos crimes citados na denúncia.

Operação Fim da Linha

A Operação Fim da Linha resultou na prisão de sete pessoas. Uma oitava pessoa foi presa na Operação Munditia. Durante as ações, foram apreendidas 11 armas, 813 munições diversas, R$ 161 mil em espécie, além de computadores, HDs, pen drives, dólares e barras de ouro.

De acordo com a denúncia apresentada pelo Ministério Público, os envolvidos utilizaram o serviço de transporte público por ônibus na capital para ocultar a origem ilegal dos ativos e do capital provenientes do tráfico de drogas, roubos e outros crimes.

Envolvimento do PCC

A investigação revelou que, entre os anos de 2014 e 2024, um indivíduo responsável por coordenar as atividades de tráfico do PCC e outra pessoa injetaram mais de R$ 20 milhões em recursos ilícitos em uma cooperativa de transporte público da zona leste, que posteriormente se transformou na empresa Upbus. Essa ação possibilitou a participação da empresa em uma licitação promovida pela prefeitura de São Paulo em 2015. Ambas as pessoas envolvidas faziam parte do quadro societário da Upbus.

No caso da Transwolff (TW), entre os anos de 2008 e 2023, dez indivíduos foram acusados de constituir e integrar uma organização criminosa. Eles utilizaram o grupo econômico TW/Cooperpam para cometer os crimes de apropriação indébita, extorsão, lavagem de dinheiro e fraudes em licitações. Estima-se que cerca de R$ 54 milhões provenientes do tráfico de drogas tenham sido lavados através dessa empresa de transporte, que também precisava dos recursos para se qualificar nas licitações.

Ambas as empresas sofreram intervenção por parte do município. Em uma edição extraordinária publicada no Diário Oficial do município, o prefeito Ricardo Nunes decretou a intervenção, informando que a prefeitura, por meio da SPTrans, assumiria o controle das linhas.

Mundo

Dona do "Call of Duty" é acusada de homicídio culposo por tiroteio em escola dos EUA

24.05.2024 22:26 3 minutos de leitura
Visualizar

Google revisa IA para corrigir erros bizarros

Visualizar

Inmet alerta: Junho deve ser a salvação do Rio Grande do Sul

Visualizar

Ivan Sant'anna na Crusoé: Terra de fronteira – Primeira parte

Visualizar

Boeing e NASA superam desafios e preparam 1° voo tripulado da Starliner

Visualizar

Rodolfo Borges na Crusoé: Um goleiro nunca é o bastante

Visualizar

Tags relacionadas

empresas de ônibus Ministério Público Operação Fim da Linha Operação Munditia PCC prefeitura de São Paulo SPTrans Transwolff UPBus
< Notícia Anterior

Grêmio anuncia fratura de Pedro Geromel e previsão de cirurgia

25.04.2024 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

Xavi permanece como técnico do Barcelona

25.04.2024 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Redação O Antagonista

Suas redes

Instagram

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (0)

Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

Inmet alerta: Junho deve ser a salvação do Rio Grande do Sul

Inmet alerta: Junho deve ser a salvação do Rio Grande do Sul

24.05.2024 21:37 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Facções avisam que vão vingar morte de crianças em BH

Facções avisam que vão vingar morte de crianças em BH

24.05.2024 20:58 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Ministério Público vai recorrer de absolvição de Cláudio Castro

Ministério Público vai recorrer de absolvição de Cláudio Castro

24.05.2024 20:57 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Brasil ultrapassa 3 mil mortes por dengue em 2024

Brasil ultrapassa 3 mil mortes por dengue em 2024

24.05.2024 20:44 3 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.