O Antagonista

As diferenças de atuação das Forças Armadas no Haiti e no Rio

avatar
Redação O Antagonista
2 minutos de leitura 17.02.2018 19:00 comentários
Brasil

As diferenças de atuação das Forças Armadas no Haiti e no Rio

Merval Pereira escreve no Globo sobre as diferenças de atuação das Forças Armadas no comando da Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah), que se encerrou em 2017 ao completar 13 anos, e a que está por vir na intervenção federal no Rio. "A primeira é o aspecto político, porque...

avatar
Redação O Antagonista
2 minutos de leitura 17.02.2018 19:00 comentários

Merval Pereira escreve no Globo sobre as diferenças de atuação das Forças Armadas no comando da Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah), que se encerrou em 2017 ao completar 13 anos, e a que está por vir na intervenção federal no Rio.

“A primeira é o aspecto político, porque no Haiti os soldados brasileiros trabalhavam sob a égide da ONU, com regras de engajamento bem definidas e bem compreendidas pelas tropas.

Depois desses anos todos, com troca de contingentes a cada seis meses, o treinamento foi feito de maneira bastante sofisticada. O contingente que viajaria era treinado nos seis meses anteriores exaustivamente, de modo que já chegavam lá conhecendo bem todas as normas. Cada um sabia o que podia fazer.

Ao contrário, no Brasil, o poder de polícia do Exército é muito limitado. O temor de que os soldados possam ser expostos a uma condenação por causa de uma operação foi em boa parte superado pela lei sancionada em outubro passado pelo presidente Michel Temer, que transfere para a Justiça Militar o julgamento de militares que cometerem crimes contra civis nas chamadas missões de ‘garantia da lei e da ordem’.

(…) Os militares, sempre que questionados sobre essas missões, afirmam que não pensam em tomar o lugar da polícia, que é mais adestrada para esse tipo de operação, conhece a bandidagem. O que querem é assumir o comando da operação e coordená-la, de maneira a que todos trabalhem com a sua habilidade. Esse foi um dos maiores problemas das recentes operações das Forças Armadas no Rio, pois a coordenação entre elas, as Polícias Civil, Militar, e Rodoviária sempre foi problemática.

Há também uma diferença fundamental entre o tipo de criminosos nas favelas de Porto Príncipe e as do Rio. Lá o tráfico de drogas é mínimo, a defesa de posições dos traficantes do Rio é muito mais forte e os armamentos, mais pesados. Eles estão defendendo um comércio que rende muito dinheiro e a reação é muito mais violenta.”

 

Esportes

Previsão do retorno de James Rodríguez ao São Paulo

22.02.2024 14:00 2 minutos de leitura
Visualizar

Chuvas em SP causam desabamentos

Visualizar

Atacante do Atlético de Madrid sofre lesão! Saiba a situação de Antoine Griezmann

Visualizar

Zambelli recebe intimação do STF durante sessão da Câmara

Visualizar

Veja detalhes das lesões nos ataques ao ônibus do Fortaleza

Visualizar

Relator do código eleitoral apresenta PECs para fim da reeleição

Visualizar

Tags relacionadas

Forças Armadas Intervenção no Rio Merval Pereira tráfico de drogas
< Notícia Anterior

Relatora diz que decreto de intervenção é "muito genérico" e quer discutir mudança

17.02.2018 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

Secretário de Doria é condenado por fraude em licitação do metrô

17.02.2018 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Redação O Antagonista

Suas redes

Instagram

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (0)

Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

Chuvas em SP causam desabamentos

Chuvas em SP causam desabamentos

22.02.2024 13:35 2 minutos de leitura
Visualizar notícia
Zambelli recebe intimação do STF durante sessão da Câmara

Zambelli recebe intimação do STF durante sessão da Câmara

22.02.2024 13:20 2 minutos de leitura
Visualizar notícia
Veja detalhes das lesões nos ataques ao ônibus do Fortaleza

Veja detalhes das lesões nos ataques ao ônibus do Fortaleza

22.02.2024 13:15 2 minutos de leitura
Visualizar notícia
Relator do código eleitoral apresenta PECs para fim da reeleição

Relator do código eleitoral apresenta PECs para fim da reeleição

22.02.2024 13:14 2 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.