O Antagonista

Deputado vai apresentar PL para barrar interferência política na PF

avatar
Wilson Lima
3 minutos de leitura 02.02.2024 14:44 comentários
Brasil

Deputado vai apresentar PL para barrar interferência política na PF

Para tentar barrar as indicações políticas na PF, parlamentar sugere que diretor-geral saia de lista tríplice

avatar
Wilson Lima
3 minutos de leitura 02.02.2024 14:44 comentários 0
Deputado vai apresentar PL para barrar interferência política na PF
Foto: Divulgação/ Polícia Federal

O deputado federal Ubiratan Sanderson (PL-RS) pretende apresentar, ainda em fevereiro, um projeto de lei para barrar interferências políticas na Polícia Federal.

Segundo o que revelou a Crusoé nesta sexta-feira, a PF, o governo Lula tem atuado para minar os delegados ligados à Operação Lava Jato e os identificados ao bolsonarismo. Para Sanderson, a PF deve ser um órgão livre de qualquer tipo de interferência política.

Para tentar barrar as indicações políticas, o parlamentar vai sugerir uma proposta para que o diretor-geral da PF precise atender a alguns critérios, como não ter atuado como assessor parlamentar ou auxiliar direto de presidente da República ou agente político, ter sido superintendente regional ou ser escolhido por meio de lista tríplice ou quíntupla a partir de eleição interna da própria PF.

O atual diretor-geral da PF trabalhou na segurança da ex-presidente Dilma Rousseff e nunca atuou como superintendente regional do órgão.

Como se reduzir a interferência política na PF?

Para o parlamentar, esses critérios podem reduzir bastante qualquer tipo de interferência no órgão. Sanderson aponta como um exemplo a ser seguido o ex-diretor-geral Leandro Daiello Coimbra, que foi o mais longevo ocupante do cargo desde a redemocratização. Ele foi empossado em 14 de janeiro de 2011, e ficou no cargo até 8 de novembro de 2017. Daiello esteve à frente da PF durante a operação Lava Jato.

A reportagem de capa de Crusoé, na sua 300ª edição, fala justamente de um duelo na PF que coloca em risco a credibilidade da corporação.

O duelo na PF

“Logo ficou claro que a nova gestão estava disposta a realizar pequenos atos de represália e vingança. Identificado como bolsonarista, o ex-superintendente da PF em São Paulo, Rodrigo Bartolamei, teve de voltar a fazer inquéritos, como se estivesse no começo da carreira. Uma reportagem publicada por Crusoé em agosto do ano passado mostrou que delegados que participaram da Lava Jato haviam sido transferidos para posições apagadas”, informa a revista.

“Ao mesmo tempo, delegados tidos como alinhados à esquerda ganharam cargos estratégicos. Um exemplo citado com alguma frequência é Rodrigo Morais Fernandes, nomeado em fevereiro do ano passado como diretor de Inteligência Policial da PF. Conhecido como Rodrigo Mineiro, ele presidiu o inquérito do caso Adélio Bispo e concluiu que o homem que quase matou Jair Bolsonaro com facadas no abdome em 2018 agiu absolutamente sozinho”, acrescenta a reporatgem.

Brasil

Câmara realiza sessão em alusão ao Dia das Doenças Raras

26.02.2024 15:21 2 minutos de leitura
Visualizar

Rui Costa avalia que fala de Bolsonaro foi "confissão de crimes praticados"

Wesley Oliveira Visualizar

TSE define regras para uso da inteligência artificial nas eleições

Visualizar

Grêmio confirma jogo da estreia de Diego Costa

Visualizar

Lula resolveu calar sobre Bolsonaro

Visualizar

“Espero que não leve política ao ofício de julgador”, diz Marco Aurélio sobre Dino

Visualizar

Tags relacionadas

PF Polícia Federal ubiratan sanderson
< Notícia Anterior

Crusoé: o que a Ucrânia ganhou e o que não ganhou no julgamento em Haia

02.02.2024 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

Projeto propõe premiar "bom contribuinte" e fecha cerco a devedor contumaz

02.02.2024 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Wilson Lima

Wilson Lima é jornalista formado pela Universidade Federal do Maranhão. Trabalhou em veículos como Agência Estado, Portal iG, Congresso em Foco, Gazeta do Povo e IstoÉ. Acompanha o poder em Brasília desde 2012, tendo participado das coberturas do julgamento do mensalão, da operação Lava Jato e do impeachment de Dilma Rousseff. Em 2019, revelou a compra de lagostas por ministros do STF.

Suas redes

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (0)

Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

Câmara realiza sessão em alusão ao Dia das Doenças Raras

Câmara realiza sessão em alusão ao Dia das Doenças Raras

26.02.2024 15:21 2 minutos de leitura
Visualizar notícia
Rui Costa avalia que fala de Bolsonaro foi "confissão de crimes praticados"

Rui Costa avalia que fala de Bolsonaro foi "confissão de crimes praticados"

Wesley Oliveira
26.02.2024 15:06 2 minutos de leitura
Visualizar notícia
TSE define regras para uso da inteligência artificial nas eleições

TSE define regras para uso da inteligência artificial nas eleições

26.02.2024 15:02 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Lula resolveu calar sobre Bolsonaro

Lula resolveu calar sobre Bolsonaro

26.02.2024 14:57 3 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.