Deltan sobre afastamento de ex-juíza da Lava Jato: "Revisionismo histórico" Deltan sobre afastamento de ex-juíza da Lava Jato: "Revisionismo histórico"
O Antagonista

Deltan sobre afastamento de ex-juíza da Lava Jato: “Revisionismo histórico”

avatar
Redação O Antagonista
5 minutos de leitura 16.04.2024 17:21 comentários
Brasil

Deltan sobre afastamento de ex-juíza da Lava Jato: “Revisionismo histórico”

Corregedor nacional de Justiça decidiu nesta segunda-feira, 15, afastar a juíza Gabriela Hardt, que atuou como substituta de Sergio Moro

avatar
Redação O Antagonista
5 minutos de leitura 16.04.2024 17:21 comentários 0
Deltan sobre afastamento de ex-juíza da Lava Jato: “Revisionismo histórico”
Foto Lula Marques/ Agência Brasil

O ex-deputado e ex-chefe da força tarefa do Ministério Público na Lava Jato, Deltan Dallagnol (Novo; foto), criticou a decisão do corregedor do Conselho Nacional de Justiça, Luís Felipe Salomão, de afastar a ex-juíza da Lava Jato, Gabriela Hardt. da 13ª Vara Federal de Curitiba.

“Somente em uma república bananeira como o Brasil juízes e procuradores que fizeram o seu melhor combatendo a corrupção e atuando para trazer para o nosso país R$ 2,5 bilhões roubados dos cofres públicos, para serem devolvidos à sociedade brasileira, são punidos por isso”, publicou Deltan no X, antigo Twitter, nesta terça-feira, 16 de abril.

“E pior, [são] vilanizados e demonizados por uma imprensa submissa aos donos do poder e que se recusa a escrutinar e analisar de forma crítica as decisões de ministros de tribunais superiores que querem, claramente, fazer um revisionismo histórico para agradar os poderosos de turno por interesses pessoais de poder e de obtenção de cargos”, acrescentou.

Na decisão da segunda, Salomão também abriu procedimento disciplinar contra Deltan e Sergio Moro.

Leia também: “Estão se vingando dessa moça”, disse Barroso sobre juíza da Lava Jato em fevereiro

Afastamento de Gabriela Hardt

O corregedor nacional de Justiça, ministro Luís Felipe Salomão (foto), decidiu nesta segunda-feira, 15, afastar a juíza Gabriela Hardt, que atuou como substituta de Sergio Moro na 13.ª Vara Federal de Curitiba, responsável pela Operação Lava Jato.

Salomão é o aliado que o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, queria emplacar no STF – desejo que Lula, antes de indicar Cristiano Zanin e Flávio Dino para a Corte, contornou, indicando outros dois aliados de Moraes para o Tribunal Superior Eleitoral.

Além de Gabriela, três magistrados do Tribunal Regional Federal da 4ª Região – o juiz Danilo Pereira Júnior, atual juiz da Lava Jato, e os desembargadores Carlos Eduardo Thompson Flores e Lenz Loraci Flores De Lima – também foram afastados de suas funções.

Na decisão, Salomão argumenta que Hardt violou o Código de Ética da Magistratura enquanto esteve à frente da Vara Federal.

“Os atos atribuídos à magistrada GABRIELA HARDT, além de recair, em tese, como tipos penais – peculato-desvio (artigo 312 do Código Penal), com possíveis desdobramentos criminais interdependentes, prevaricação (artigo 319 do Código Penal), corrupção privilegiada (art. 317, § 2º, do Código Penal) ou corrupção passiva (artigo 317, caput, do Código Penal) –, também se amoldam a infrações administrativas graves, constituindo fortes indícios de faltas disciplinares e violações a deveres funcionais da magistrada”, afirmou Salomão.

“A decisão da magistrada foi baseada exclusivamente nas informações incompletas (e até mesmo informais, fornecidas fora dos autos e sem qualquer registro processual) dos procuradores da força-tarefa da ‘Operação Lava Jato’, sem qualquer tipo de contraditório ou intimação da União Federal. Tal comportamento, como se percebe e foi demonstrado desde o relatório preliminar da correição (e agora apontado com mais detalhes pelo documento completo), fazia parte da estratégia concebida para recirculação dos valores repassados pelo juízo a Petrobras, posteriormente constrangida a celebrar o acordo nos EUA para o retorno do montante bilionário para a fundação privada”, acrescentou.

Para Salomão, é “inconcebível” que a juíza possa prosseguir atuando, quando “paira sobre ela a suspeita de que o seu atuar não seja o lídimo e imparcial agir a que se espera”.

Quanto aos demais afastados, pesou o suposto “descumprimento deliberado” de decisões do Supremo Tribunal Federal, com condutas que ‘macularam a imagem do Poder Judiciário’, comprometendo a segurança jurídica e a confiança na Justiça.

O afastamento de Danilo Pereira Júnior, Carlos Eduardo Thompson Flores e Lenz Loraci Flores De Lima ocorreu no âmbito de uma reclamação ligada ao procedimento administrativo disciplinar que declarou a suspeição do juiz Eduardo Appio, desobedecendo “de forma deliberada” as ordens do ministro Dias Toffoli, do STF.

“Os magistrados que compunham a 8ª Turma do TRF da 4ª Região à época dos fatos, ao decidirem pela suspeição do juiz federal Eduardo Appio, nos termos postos alhures, impulsionaram – com consequências práticas relevantes – processos que estavam suspensos por força de decisão do eminente Ministro Ricardo Lewandowski e utilizaram-se, como fundamento de decisão, prova declarada inválida pelo Supremo Tribunal Federal, em comando do ilustre Ministro Dias Toffoli, causando especial gravame aos réus acima indicados”, afirmou o corregedor.

Appio, registrado como “LUL22” no sistema eletrônico de Justiça, é o juiz de primeira instância que, após ter decisões revogadas pelo TRF-4, tentou intimidar o filho do desembargador relator do tribunal com um telefonema, durante o qual se passou por servidor de nome fictício. Também já foi citado em inquérito da Lava Jato por ter vendido um imóvel subfaturado ao então deputado do PT André Vargas, condenado por Sergio Moro por lavagem de dinheiro no episódio.

Na terça-feira, 16, o CNJ deverá analisar três itens ligados à inspeção dos gabinetes da 13ª Vara Federal de Curitiba e do Tribunal Regional Federal da 4ª Região.

A julgar pelo critério anti-Lava Jato de Lula para escolher indicados a tribunais superiores, Salomão tem feito seu dever de casa.

Brasil

Eleições 2024: em João Pessoa, favoritismo do atual prefeito

21.06.2024 11:11 2 minutos de leitura
Visualizar

Audi RS E-Tron GT Performance: o modelo com a maior potência da marca

Visualizar

Governo muda regras para concessionárias de energia elétrica

Visualizar

Crusoé: Marco Rubio como vice de Donald Trump?

Visualizar

Onde assistir aos jogos de hoje, 21/06, na TV e streaming

Visualizar

INSS: mutirões surpreendentes para resgatar beneficiários desesperados

Visualizar

Tags relacionadas

CNJ Deltan Dallagnol Gabriela Hardt ministro Luis Felipe Salomão Sergio Moro
< Notícia Anterior

Bunker de Mussolini é aberto ao público

16.04.2024 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

"Doa a quem doer", diz Tarcísio sobre operações contra o PCC

16.04.2024 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Redação O Antagonista

Suas redes

Instagram

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (0)

Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

Eleições 2024: em João Pessoa, favoritismo do atual prefeito

Eleições 2024: em João Pessoa, favoritismo do atual prefeito

21.06.2024 11:11 2 minutos de leitura
Visualizar notícia
Audi RS E-Tron GT Performance: o modelo com a maior potência da marca

Audi RS E-Tron GT Performance: o modelo com a maior potência da marca

21.06.2024 11:04 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
INSS: mutirões surpreendentes para resgatar beneficiários desesperados

INSS: mutirões surpreendentes para resgatar beneficiários desesperados

21.06.2024 11:00 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Lula admite que 'houve falcatrua' no leilão do arroz estatal

Lula admite que 'houve falcatrua' no leilão do arroz estatal

21.06.2024 10:56 3 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.