O Antagonista

Alexandre de Moraes, a nêmesis de Jair Bolsonaro

avatar
Redação O Antagonista
5 minutos de leitura 25.12.2021 16:00 comentários
Brasil

Alexandre de Moraes, a nêmesis de Jair Bolsonaro

Em 2021, Jair Bolsonaro teve no ministro do STF Alexandre de Moraes a sua nêmesis, em uma escalada que teve como desfecho um pedido de desculpas constrangedor da parte do presidente. Como relator do inquérito das fake news e do dos atos antidemocráticos, o ministro do STF, que nunca escondeu sua índole autoritária, continuou na cola de bolsonaristas que ameaçavam as instituições...

avatar
Redação O Antagonista
5 minutos de leitura 25.12.2021 16:00 comentários 25
Alexandre de Moraes, a nêmesis de Jair Bolsonaro
Foto: Adriano Machado/Crusoé

Em 2021, Jair Bolsonaro teve no ministro do STF Alexandre de Moraes a sua nêmesis, em uma escalada que teve como desfecho um pedido de desculpas constrangedor da parte do presidente.

Como relator do inquérito das fake news e do dos atos antidemocráticos, o ministro do STF, que nunca escondeu sua índole autoritária, continuou na cola de bolsonaristas que ameaçavam as instituições.

Em fevereiro, Moraes determinou a prisão preventiva em flagrante do deputado bolsonarista Daniel Silveira, sem que houvesse qualquer flagrante. O parlamentar havia publicado nas redes sociais um vídeo em que fazia ameaças a integrantes do Supremo e defendia a implementação de um novo AI-5.

Ele alegou que, como o vídeo estava no ar de forma definitiva, o flagrante estava configurado, mesmo após os delitos já terem sido cometidos.

A decisão do ministro foi confirmada por unanimidade no plenário do STF. Mais tarde, a Corte aceitaria a denuncia apresentada contra Silveira, que viraria o primeiro réu no inquérito dos atos antidemocráticos.

Em março, em outro flanco, o plenário do STF confirmou a anulação das condenações de Lula na operação. Moraes acompanhou o posicionamento do relator, Luiz Edson Fachin, reconhecendo a incompetência da 13ª Vara de Curitiba para julgar o petista.

Meses depois, o plenário do Supremo confirmou a suspeição de Sergio Moro no caso do tríplex, reconhecida pela Segunda Turma. Na ocasião, Moraes votou para considerar o ex-juiz parcial.

Em maio, o ministro do STF fechou o cerco em torno do então ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, acusado de tentar beneficiar empresários com a liberação de mais de 200 mil metros cúbicos de madeira ilegal apreendida.

Moraes determinou a quebra dos sigilos do ministro e a realização de uma operação de busca e apreensão contra ele. Meses depois, Salles pediria demissão do cargo.

Com Lula de volta ao jogo e favorito nas pesquisas eleitorais para 2022, Jair Bolsonaro intensificou seus ataques às instituições, sobretudo ao Supremo.

O presidente passou a levantar suspeitas sobre o processo eleitoral e a atacar com mais ênfase as decisões de Moraes contra seus apoiadores.

Em julho, Bolsonaro realizou uma live com o objetivo de provar que as eleições de 2018 foram fraudadas e que, na verdade, ele deveria ter derrotado Fernando Haddad ainda no primeiro turno. Na transmissão, o presidente mentiu repetidamente, atacou as urnas eletrônicas e não apresentou prova alguma.

Depois do episódio ridículo, Moraes decidiu incluir Bolsonaro no inquérito das fake news.

A decisão aumentou a irritação dos apoiadores do presidente, como o presidente do PTB Roberto Jefferson. O ex-mensaleiro já havia sido alvo de diligências da PF, por dizer, por exemplo, que o STF atua “como o Tribunal do Reich” e que Moraes é advogado do PCC.

Em 13 de agosto, o ministro determinou a prisão preventiva de Jefferson no âmbito do inquérito das milícias digitais, que substituiu o dos atos antidemocráticos.

Preso em Bangu 8, o ex-mensaleiro não interrompeu suas ameaças a Moraes, dizendo que eles teriam que resolver seus desentendimentos pessoalmente.

Bolsonaro prometeu “enquadrar” o STF nos protestos marcados para 7 de Setembro.

A algumas semanas da data das manifestações, o ministro determinou uma operação contra 10 bolsonaristas envolvidos na organização, entre eles, o cantor Sérgio Reis, o deputado Otoni de Paula e o caminhoneiro Zé Trovão.

Moraes ainda determinou o bloqueio de uma chave Pix usada para arrecadar recursos para os atos.

Quando chegou o dia, Jair Bolsonaro foi à Esplanada dos Ministérios e à Avenida Paulista e reiterou suas ameaças a democracia. Em São Paulo, o presidente chamou Moraes de “canalha” e disse que não iria mais cumprir suas decisões judiciais.

O evento foi considerado um fiasco em todos os sentidos. Além de ter muito menos adesão do que o esperado e da reação das instituições, os bolsonaristas esperavam, comicamente, que Bolsonaro de fato desse um golpe de estado e ficaram irritados ao ver que isso não aconteceria.

Dois dias depois do protesto, o presidente “arregou”. Bolsonaro apelou a Michel Temer, que redigiu uma carta para que ele pedisse publicamente desculpas a ministros do Supremo — leia-se, principalmente, Moraes e Luís Roberto Barroso.

Sob os auspícios do ex-presidente, Bolsonaro telefonou para o ministro antes de divulgar o comunicado, no qual afirmou que os ataques ocorreram “no calor do momento”.

A partir daí, o presidente mudou o tom em seus discursos e parou com seus ataques. Moraes, por sua vez, continuou o cerco aos militantes bolsonaristas que financiavam a divulgação de notícias falsas.

Em outubro, o ministro determinou a prisão preventiva do blogueiro Allan dos Santos, a pedido da Polícia Federal, e pediu que ele fosse extraditado para o Brasil.

Em sua decisão, Moraes afirmou que o blogueiro, hoje nos Estados Unidos“deixou o país diante das investigações e na tentativa de continuar atuando”. Suas condutas são classificadas como “de elevado grau de periculosidade”.

Em novembro, o ministro revogou a prisão de Daniel Silveira.

Esportes

Jogando bem, Corinthians perde para Ponte Preta e se complica

25.02.2024 22:27 2 minutos de leitura
Visualizar

Cromossomo Y Está desaparecendo

Visualizar

Conheça a última área a ser mapeada nos EUA por ser inacessível

Visualizar

Estudo revela que povos tradicionais possuem a mesma felicidade de países ricos

Visualizar

Tite comenta caso de Daniel Alves

Visualizar

Casa Tody: loja de calçados fecha após 70 anos na Avenida Paulista

Visualizar

Tags relacionadas

Alexandre de Moraes bolsonaristas inquérito das fake news Inquérito dos atos antidemocráticos instituições Jair Bolsonaro ministro retrospectiva Retrospectiva 2021 STF
< Notícia Anterior

Carta de Natal

25.12.2021 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

MG não exigirá receita médica para vacinação de crianças

25.12.2021 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Redação O Antagonista

O Antagonista é um dos principais sites jornalísticos de informação e análise sobre política do Brasil. Sua equipe é composta por jornalistas profissionais, empenhados na divulgação de fatos de interesse público devidamente verificados e no combate às fake news.

Suas redes

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (0)

Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

Casa Tody: loja de calçados fecha após 70 anos na Avenida Paulista

Casa Tody: loja de calçados fecha após 70 anos na Avenida Paulista

25.02.2024 21:00 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Conheça as mansões de famosos como Bruno Gagliasso e Simone Mendes disponíveis para aluguel

Conheça as mansões de famosos como Bruno Gagliasso e Simone Mendes disponíveis para aluguel

25.02.2024 20:55 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Tarcísio: “São Paulo ama vestir verde e amarelo”

Tarcísio: “São Paulo ama vestir verde e amarelo”

25.02.2024 20:18 2 minutos de leitura
Visualizar notícia
Deltan, Zema, Tarcísio, Malafaia; quem participou do ato de Bolsonaro

Deltan, Zema, Tarcísio, Malafaia; quem participou do ato de Bolsonaro

25.02.2024 19:57 2 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.