A "perversidade" envergonhada de Salomão contra a Lava Jato A "perversidade" envergonhada de Salomão contra a Lava Jato
O Antagonista

A “perversidade” envergonhada de Salomão contra a Lava Jato

avatar
Rodolfo Borges
4 minutos de leitura 07.06.2024 14:02 comentários
Brasil

A “perversidade” envergonhada de Salomão contra a Lava Jato

CNJ termina nesta sexta-feira, 7, a deliberação sobre abertura de processo administrativo disciplinar acerca de juízes que atuaram na Lava Jato, mas em plenário virtual, longe dos olhos do público

avatar
Rodolfo Borges
4 minutos de leitura 07.06.2024 14:02 comentários 9
A “perversidade” envergonhada de Salomão contra a Lava Jato
Foto: Luiz Silveira/Agência CNJ

Termina nesta sexta-feira, 7, longe dos olhos dos brasileiros, a deliberação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) sobre a abertura de processos administrativos disciplinares (PAD) acerca de quatros juízes que atuaram na Operação Lava Jato. Já foi reunida a maioria de nove votos pela abertura dos PADs, contra quatro votos divergentes.

A abertura dos PADs foi pedida pelo corregedor-nacional de Justiça, Luís Felipe Salomão (foto), que afastou dos cargos em 15 de abril a juíza Gabriela Hardt, o juiz substituto Danilo Pereira Júnior e os desembargadores Carlos Eduardo Thompson Flores e Lenz Loraci Flores De Lima, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região.

No dia seguinte ao anúncio da decisão de Salomão, o CNJ se reuniu para iniciar a deliberação sobre os casos e a maioria dos conselheiros votou para suspender os afastamentos de Hardt e Pereira Júnior. Naquela sessão, o presidente do CNJ e do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, pediu vista, não sem antes se manifestar duramente contra os afastamentos determinados pelo corregedor.

“Tudo no virtual”

Barroso classificou a decisão do corregedor-nacional de Justiça como ilegal e disse que chancelar o afastamento dos juízes seria cometer uma injustiça, “quando não uma perversidade”. O julgamento sobre o caso terminará nesta sexta, sem deliberação presencial, por decisão de Barroso. No fim daquela deliberação de 16 de abril, Salomão pediu “para colocar tudo no virtual”, como destacou a Folha de S.Paulo, e o presidente do STF disse que isso também tinha sido sua sugestão.

Pelo jeito, Salomão não queria dar outra oportunidade para Barroso seguir descascando sua decisão de afastar os magistrados, que o presidente do STF classificou como ilegítima, arbitrária, desnecessária e absurda. E nem o presidente do STF achava necessário fazê-lo de novo publicamente.

Em seu voto divergente, manifestado formalmente em 29 de maio, Barroso diz que “não é possível abrir processo administrativo disciplinar, muito menos afastar magistrados pela prática de ato jurisdicional – sem nenhuma evidência de qualquer tipo de vantagem ou comportamento impróprio –, ato esse que, no caso, consistiu no julgamento de exceção de suspeição que não se encontrava suspensa por decisão do STF”.

Barroso já havia tratado da questão no julgamento transmitido em 16 de abril, ao dizer que os fatos que embasam a representação de Salomão eram muito simples, apesar de contados “de forma bastante complexa” pelo corregedor. 

Appio

O presidente do STF resumiu assim a questão em 16 de abril: “Houve o julgamento de uma exceção de suspeição em relação ao juiz Eduardo Appio na oitava Turma do Tribunal Regional Federal, porque supostamente o pai do juiz teria sido beneficiado por propina, tal como constava em planilha da Odebrecht. E, portanto, o tribunal considerou que esse era um caso de suspeição. O tribunal julgou só uma exceção de suspeição, foi só isso que ele fez. Mas a exceção de suspeição não estava suspensa pelo Supremo Tribunal Federal. O que aconteceu é que a consequência do julgamento da exceção de suspeição procedente levou à anulação de decisões que o juiz suspeito havia proferido”.

No voto formal, Barroso diz que “a medida [de abertura de PADs e de afastamento] é manifestamente desproporcional, à luz do fato de que, no caso do juiz Appio, a quem se imputou conduta conexa e semelhante – dar andamento a processo suspenso –, a Corregedoria celebrou termo de ajustamento de conduta, que só se aplica a infrações disciplinares leves, tendo resultado tão somente na sua remoção da Vara Criminal”.

Ao divergir de Salomão, Barroso votou sobre os juízes e desembargadores “no sentido de que lhes seja aberta a possibilidade de celebrar TAC, tal como o juiz Eduardo Appio”.

Banalização de medidas disciplinares drásticas

O presidente do STF concluiu seu voto dizendo o seguinte: “Ao decidir litígios, juízes sempre desagradam um dos lados em disputa, às vezes ambos. Para bem aplicar o direito, magistrados devem ter a independência necessária. A banalização de medidas disciplinares drásticas gera receio de represálias, e juízes com medo prestam desserviço à Nação”.

Até as 14h desta sexta-feira, o parecer de Salomão tinha o apoio de oito conselheiros (total de 9), o que já estabeleceu a maioria. Além de Barroso, outros três conselheiros apresentaram votos divergentes do corregedor (total de 4), e outros dois ainda não haviam se manifestado sobre a abertura dos PADs.

Mundo

ALERTA: Onda de calor deixa mais de 1200 mortos na Arábia Saudita

23.06.2024 19:10 3 minutos de leitura
Visualizar

Dorival confirma escalação para estreia da seleção brasileira

Visualizar

Inteligência artificial estaria tirando empregos nos EUA

Visualizar

IA Claude 3.5 chega como concorrente ao ChatGPT

Visualizar

ONU se reúne com Talibã no Catar e causa polêmicas

Visualizar

Ralf homenageia Chrystian em carta emocionante: "Saudades"

Visualizar

< Notícia Anterior

NIGÉRIA X ÁFRICA DO SUL: confira os horários e onde assistir ao AMISTOSO

07.06.2024 00:00 4 minutos de leitura
Próxima notícia >

Gaokao 2024: O Enem chinês bate recorde

07.06.2024 00:00 4 minutos de leitura
avatar

Rodolfo Borges

Rodolfo Borges é jornalista formado pela Universidade de Brasília (UnB). Trabalhou em veículos como Correio Braziliense, Istoé Dinheiro, portal R7 e El País Brasil.

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade pelo conteúdo postado é do autor da mensagem.

Comentários (9)

Luiz Filho

2024-06-09 13:57:28

Salomão, Dantas e Bessias disputam o privilégio para ver quem usa o apelido de “boca de veludo”. Todos com caras e bocas de sugador de benguas


Ulysses Galletti

2024-06-08 21:44:03

Esse embate revela uma tensão entre a manutenção da integridade do sistema judicial e a proteção da independência dos magistrados. A preocupação de Barroso com a "banalização de medidas disciplinares drásticas" reflete um receio de que tais ações possam criar um ambiente de medo entre os juízes, o que seria prejudicial para a aplicação imparcial da justiça. A decisão final, tomada de forma virtual e longe dos olhos do público, adiciona uma camada de opacidade ao processo, destacando a necessidade de transparência em deliberações que afetam significativamente a credibilidade do sistema judicial. Esse caso serve como um alerta sobre os desafios enfrentados pelo judiciário brasileiro em equilibrar a responsabilidade disciplinar com a preservação da independência judicial.


Amilton Becker

2024-06-08 20:45:26

Tudo tem um fim. E vai ser triste para alguns. Vão ficar com vergonha de olhar nos olhos dos filhos. Aguardem


Marcelo Augusto Monteiro Ferraz

2024-06-07 16:54:43

É impressionante a inveja que o protagonismo dos juízes empenhados no até então inédito e verdadeiro combate à corrupção no país suscita entre muitos atuais "operadores do direito" que se julgam iluminados!


Joao

2024-06-07 15:27:18

Felipe Salomão (STJ e corregedor do CNJ), Bruno Dantas (TCU) e Jorge Messias (AGU) lambendo os pés de Lula Ladrão. Perderam a vaga no STF para Dinobost@ssauro mas têm esperanças num eventual novo mandato do LL.


Jorge Alberto da Cunha Rodrigues

2024-06-07 14:44:43

O sistema faz absolutamente de tudo para proteger os corruptos poderosos e perseguir os profissionais que se atreveram a combater a corrupção. O Brasil trocou a democracia pela cleptocracia e o STF é o principal sustentáculo desse infame regime.


Rosa Maria Becker

2024-06-07 14:30:44

Deus te ouça Márcia.


Clayton De Souza pontes

2024-06-07 14:16:38

Vergonha essa perseguição promovida pelo Salomão , provavelmente em contrapartida por estar nesse cargo


Marcia Elizabeth Brunetti

2024-06-07 14:12:01

Olha aí a prioridade do Governo Lula. Ele quer acabar com tudo e todos que conseguiram desbaratar o maior caso de corrupção já visto neste País. Enquanto esse ameba de presidente estiver no poder tudo continuará assim, na surdina. Mas tenho esperança que após a saída de Lula (que seja bem antes de 2026) tudo se recomponha, e daí, caro descondenado, sua vida será um inferno!!!


Torne-se um assinante para comentar

Notícias relacionadas

Ralf homenageia Chrystian em carta emocionante: "Saudades"

Ralf homenageia Chrystian em carta emocionante: "Saudades"

23.06.2024 18:34 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
Eliana se despede do SBT, o que muda na emissora?

Eliana se despede do SBT, o que muda na emissora?

23.06.2024 18:32 3 minutos de leitura
Visualizar notícia
PF apreendeu R$ 170 mil em espécie na casa de desembargador

PF apreendeu R$ 170 mil em espécie na casa de desembargador

23.06.2024 18:31 2 minutos de leitura
Visualizar notícia
Inauguração de Atacadista com promoção leva pânico ao Rio

Inauguração de Atacadista com promoção leva pânico ao Rio

23.06.2024 18:08 3 minutos de leitura
Visualizar notícia

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.