Exclusivo: carta de gestor confirma saída de Guedes de direção da offshore em 2018 Exclusivo: carta de gestor confirma saída de Guedes de direção da offshore em 2018
video destaque
08.10.2021

Exclusivo: carta de gestor confirma saída de Guedes de direção da offshore em 2018

Uma carta da Trident Trust, agente financeiro responsável pela gestão da offshore Dreadnoughts International Group Limited, informa que Paulo Guedes permaneceu como diretor da companhia, de 24 de setembro de 2014 até 21 de dezembro de 2018...

Uma carta da Trident Trust, agente financeiro responsável pela gestão da offshore Dreadnoughts International Group Limited, informa que Paulo Guedes permaneceu como diretor da companhia, de 24 de setembro de 2014 até 21 de dezembro de 2018.

O documento, obtido em primeira mão por O Antagonista, foi solicitado pela defesa do ministro da Economia e encaminhado hoje pela Trident.

Mais cedo, em evento do Itaú BBA, Guedes rompeu o silêncio sobre o caso da offshore, revelado no domingo pelo Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ). Ele negou que tenha feito transações entre fronteiras e disse que tudo foi declarado à Receita Federal.

“Sobre ‘offshore’, elas são legais. Ela foi declarada, não houve movimento cruzando as fronteiras, trazendo dinheiro do exterior ou mandando dinheiro ao exterior. Desde que eu coloquei dinheiro lá, em 2014/2015, eu declarei legalmente. Qualquer dinheiro que está lá, é gerenciado de forma independente. Minha ação não tem influência nenhuma. Eu sai da companhia dias antes de vir para o cargo de ministro.”

São sócias do ministro na offshore a mulher, Maria Cristina Bolivar Drumond Guedes, e a filha, Paula Drumond Guedes. A empresa, com sede nas Ilhas Virgens Britânicas, tem patrimônio de US$ 9,55 milhões.

O ministro afirmou também que vendeu as participações acionárias que tinha em outras empresas, para evitar qualquer conflito de interesses e que perdeu dinheiro.

“Perdi muito dinheiro registrado aqui exatamente para evitar problemas como esse. Tudo o que estava ao meu alcance de investimento eu vendi tudo pelo valor de investimento. Eu perdi muito mais do que o valor da companhia que está declarado legalmente lá fora. É permitido, não fiz nada de errado.”

O Antagonista mostrou no início da semana que o grupo Hospital Care Caledônia, rede de hospitais da gestora Crescera, da qual Guedes foi sócio, quase triplicou de tamanho durante a pandemia e prepara IPO de R$ 1 bilhão. A ex-gestora de Guedes também investiu pesado no mercado funerário.

Assista ao comentário de Claudio Dantas no Papo Antagonista

video destaque

Exclusivo: carta de gestor confirma saída de Guedes de direção da offshore em 2018

Uma carta da Trident Trust, agente financeiro responsável pela gestão da offshore Dreadnoughts International Group Limited, informa que Paulo Guedes permaneceu como diretor da companhia, de 24 de setembro de 2014 até 21 de dezembro de 2018...

Uma carta da Trident Trust, agente financeiro responsável pela gestão da offshore Dreadnoughts International Group Limited, informa que Paulo Guedes permaneceu como diretor da companhia, de 24 de setembro de 2014 até 21 de dezembro de 2018.

O documento, obtido em primeira mão por O Antagonista, foi solicitado pela defesa do ministro da Economia e encaminhado hoje pela Trident.

Mais cedo, em evento do Itaú BBA, Guedes rompeu o silêncio sobre o caso da offshore, revelado no domingo pelo Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ). Ele negou que tenha feito transações entre fronteiras e disse que tudo foi declarado à Receita Federal.

“Sobre ‘offshore’, elas são legais. Ela foi declarada, não houve movimento cruzando as fronteiras, trazendo dinheiro do exterior ou mandando dinheiro ao exterior. Desde que eu coloquei dinheiro lá, em 2014/2015, eu declarei legalmente. Qualquer dinheiro que está lá, é gerenciado de forma independente. Minha ação não tem influência nenhuma. Eu sai da companhia dias antes de vir para o cargo de ministro.”

São sócias do ministro na offshore a mulher, Maria Cristina Bolivar Drumond Guedes, e a filha, Paula Drumond Guedes. A empresa, com sede nas Ilhas Virgens Britânicas, tem patrimônio de US$ 9,55 milhões.

O ministro afirmou também que vendeu as participações acionárias que tinha em outras empresas, para evitar qualquer conflito de interesses e que perdeu dinheiro.

“Perdi muito dinheiro registrado aqui exatamente para evitar problemas como esse. Tudo o que estava ao meu alcance de investimento eu vendi tudo pelo valor de investimento. Eu perdi muito mais do que o valor da companhia que está declarado legalmente lá fora. É permitido, não fiz nada de errado.”

O Antagonista mostrou no início da semana que o grupo Hospital Care Caledônia, rede de hospitais da gestora Crescera, da qual Guedes foi sócio, quase triplicou de tamanho durante a pandemia e prepara IPO de R$ 1 bilhão. A ex-gestora de Guedes também investiu pesado no mercado funerário.

Assista ao comentário de Claudio Dantas no Papo Antagonista

Vídeos mais vistos

1

Milei vai dar refúgio na Argentina aos fugitivos do 8 de janeiro?

Imagem
0 vídeos
07.06.2024 18:09 3 minutos de leitura
2

As enterradas de Toffoli chocam o mundo

Imagem
0 vídeos
06.06.2024 20:56 1 minuto de leitura
3

Latitude#81: A esquerda mexicana que não é bem de esquerda

Imagem
0 vídeos
08.06.2024 12:45 3 minutos de leitura
4

Papo Antagonista: A vitória da “perversidade”

Imagem
0 vídeos
07.06.2024 17:58 1 minuto de leitura
5

O sincericídio de Jorge Seif

Imagem
0 vídeos
06.06.2024 20:55 1 minuto de leitura

Playlists

Antagonista Docs

Antagonista Meeting

Entrevistas

Ilha de Cultura

Latitude

Meio-Dia em Brasília

Narrativas Antagonista com Madeleine Lackso

Papo Antagonista com Felipe Moura Brasil

Ver mais playlists

Seja nosso assinante

E tenha acesso exclusivo aos nossos conteúdos

Apoie o jornalismo independente. Assine O Antagonista e a Revista Crusoé.